Sexta-feira, 24 de Novembro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº967

ENTRE ASPAS > FIM DE SEMANA, 15 E 16/09

Terra Magazine

19/09/2007 na edição 451

MÍDIA & POLÍTICA
Márcio Alemão

C.S.I. Brasília, 17/09/07

‘Não vejo outra alternativa para o nosso país.

Quem acompanha o seriado sabe: eles sempre conseguem as provas. Aprentemente a pessoa se matou em casa num domingo. Só de olhar a cena do crime eles já comecam a ficar com a pulga atrás da orelha e, aos poucos, descobrem e comprovam, que o camarada foi assassinado por um político do Maine que passou por Las Vegas para praticar esportes: jogar poker. Mas alugou um carro com um jovem que teria apresentado uma dançarina para ele no cassino e essa moça o teria convencido de que certo tipo de droga é legal. Ao se encontrarem com a vítima, que servia bebidas num bar próximo ao hotel, decidiram fazer um programa perigoso.

Bem; não queira entender. Por mais surrealista que a trama possa parecer, no final todas as peças irão se encaixar e tudo será comprovado e, o mais importante: o político do Maine será preso e condenado.

Mas o que será que acontece com o nosso senado, com o nosso congresso, nossa câmera de deputados? Em 1963, o então senador Arnom de Mello, pai de Fernando, praticamente encarou um duelo com Silvestre Péricles. Um saca daqui, o outro dalí, foi tiro pra cá, pra lá e quem veio a falecer foi o senador José Kairala que nada a tinha a ver com história.

Ambos foram presos e depois, claro, absolvidos.

Por certo por ausência de provas.

Mesmo problema dos mensaleiros. Serão todos absolvidos por ausência de provas. Ninguém irá encontrar um recibo onde se lê: ‘Recebi do publicitário/lobista, a quantia de 1 milhão de reais referente a um suborno para que eu aprove alguns porjetos que irão beneficiar as empresas A, B, C e D.’

E na falta desse documento, todas as demais evidências serão refutadas.

Renan também escapou, por ora.

ÔPA! Agora bateu uma dúvida. Será que daria mesmo certo trazer a turma do C.S.I. para Brasília? Eu começo a desconfiar que não. É óbvio que não. Para a turma de Brasília, prova não significa nada. De um jeito ou de outro, mesmo diante das mais espetaculares comprovadas palhaçadas e testemunhos, a turminha se reúne e, em nome do partido, para o bem do partido e pelo futuro deles mesmos, decide que nada existiu.

É. C.S.I. Brasília seria um fracasso total de público. Tudo se prova mas ninguém vai preso ou chega a ser condenado.

E no mundo as pessoas reclamariam dizendo: isso não existe. Esses roteirista enlouqueceram. Lost faz muito mais sentido que as histórias de Brasília.’

******************

Clique nos links abaixo para acessar os textos do final de semana selecionados para a seção Entre Aspas.

Folha de S. Paulo – 1

Folha de S. Paulo – 2

O Estado de S. Paulo – 1

O Estado de S. Paulo – 2

Agência Carta Maior

Veja

Terra Magazine

Comunique-se

Blog James Akel

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem