Domingo, 19 de Novembro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº966

FEITOS & DESFEITAS > JULGAMENTO HISTÓRICO

Testando argumentos

Por Luís Nassif em 05/09/2007 na edição 449

O jornalista Ali Kamel está feliz. É o que se depreende de seu artigo Dias Felizes, publicado O Globo (4/9).


Menciona o acolhimento pelo STF (Supremo Tribunal Federal) da denúncia do Ministério Público contra os 40 acusados do mensalão. Depois, passa pela questão das fotos que o Globo publicou das mensagens reservadas dos ministros do STF; pela conversa telefônica do Ministro que a Folha registrou. E se considera vingado.


Vingado de quê? Dos ‘setores antidemocráticos e autoritários que criticaram meu último artigo’, aquele que falava do ‘testando hipóteses’… sobre o acidente da TAM. Tenho certeza de que todos os juízes do STF pensaram no Kamel ao proferir seu voto. Mas não imaginava que a solidariedade tivesse chegado a tanto.


Pelo teor do artigo, Kamel está firmemente convencido que ‘o jornalismo sou eu (ele)’, todas as críticas contra ele são críticas contra a liberdade de imprensa, e todas as decisões do Supremo tiveram como motivação reparar os ataques profundamente injustos que o jornalismo (ele) recebeu por sua tese de ‘testar hipóteses’, em outro caso que nada tinha a ver com o ‘mensalão’.


O problema do Kamel é que nas explicações para o ‘testando hipóteses’ ele continua brigando com o jornalismo. E como o jornalismo é ele, cria um ambiente algo esquizofrênico.


Insiste que, no caso do acidente da TAM, todas as hipóteses foram testadas ‘simultaneamente’. Imagino como deveriam ter sido as manchetes para retratar hipóteses simultâneas: ‘Pista escorregadio ou falta de grooving ou problema dos controladores ou reverso pinado ou falha do piloto ou a avó do Lula foram responsáveis pelo acidente com o avião da TAM. SMJ (salvo melhor juízo)’.


Idéia fixa


Conversei com jornalistas e assessores que cobriram o acidente. Na primeira entrevista do presidente da TAM foi mencionado o problema do reverso. A questão é que os repórteres só estavam interessados em levantar hipóteses relacionadas com a pista recém-reformada. Não davam ouvidos a mais nada. E porque isso? Porque saíam das redações com a incumbência de testar apenas uma hipótese – a hipótese Kamel, graças ao poder de orquestração do Jornal Nacional.


É por isso que, nas coletivas, as únicas perguntas pertinentes eram de publicações especializadas em aeronáutica.


Repetiu-se o comportamento no episódio dos cubanos que desertaram. A ‘hipótese Kamel’ é que foram seqüestrados pela polícia brasileira e deportados. Não foi por acaso que a melhor matéria sobre o tema foi do jornal Extra – que pertence às Organizações Globo, mas não está sob a orientação de Kamel. E a melhor matéria sobre a caixa-preta do avião da TAM foi da Época – que também pertence à Globo, mas não está debaixo do Kamel.


É evidente que existe uma disfunção no estilo Kamel de padronização da cobertura na Globo. Se a intenção foi uniformizar a cobertura ou fazer patrulhamento, pouco importa. O problema é que notícia não é opinião. Ele pode ‘ensinar’ todos os jornalistas das Organizações Globo como mencionar dados do IBGE. Mas não pode definir, a partir do aquário, como os fatos deverão ser cobertos. Com seu estilo, jogou para segundo plano a sensibilidade da reportagem, os inputs que os repórteres poderiam trazer da rua, em contato direto com os fatos, caso fossem para a cobertura com a cabeça aberta para todas as informações.


O fator Kamel atropelou princípios básicos de apuração jornalística, deformou a cobertura, constrangeu repórteres. E recebeu, como resultado, ‘barrigas’ sucessivas. A hipótese definitiva, no caso TAM, só surgiu com a divulgação da caixa-preta.


Para encerrar com chave de ouro esse festival, só faltava esse artigo, no qual Kamel se apresenta como vítima dos ‘setores antidemocráticos e autoritários’. Certamente julga os critérios jornalísticos muito autoritários, e em breve defenderá sua flexibilização.


Felizmente, teve sua reputação salva pelo STF, que tomou a decisão de acatar as denúncias contra o ‘mensalão’. Certamente em desagravo ao Kamel.

******

Jornalista

Todos os comentários

  1. Comentou em 09/09/2007 Vivian Stipp

    Disse tudo Nassif!!! Parabéns!

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem