Sábado, 18 de Novembro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº966

FEITOS & DESFEITAS > MÍDIAS SOCIAIS

Trocas simbólicas escapam a controles

Por José Henrique P. e Silva em 08/03/2011 na edição 632

Nas últimas semanas, e no contexto das revoltas populares no mundo árabe, surgiram inúmeros comentários apontando para uma estreita relação entre tais revoltas e as novas mídias sociais (Google, Facebook, Twitter etc.). Alguma relação, por certo, deve haver, mas não necessariamente de causa e consequência, como se ouviram vozes afirmando que ‘o Twitter e o Facebook fizeram a revolução’. É um assunto delicado e merece sempre cautela, pois se para alguns estas novas tecnologias são bem vindas, para outros elas estariam carregadas de ‘ideologia’.

Para se desenvolver como espécie, o homem teve no seu trabalho e em suas ferramentas grandes aliados que permitiram sua mais rápida evolução. Foi o uso que deu a certos elementos da natureza, transformando-os em ferramentas, que lhe impulsionou o desenvolvimento. Na comunicação social me parece que ocorre algo parecido. Nossas trocas simbólicas, excetuando a relação face-a-face, sempre estiveram permeadas por algum ambiente tecnológico, por mais simples que fosse, até que alcançássemos o estágio mais atual das novas mídias de comunicação, como o Facebook, o Twitter e outros espaços sociais eletrônicos. É na utilização dessas mídias que encontramos sempre novas oportunidades de conversação e interação simbólica.

De alguma forma, então, as mídias são ao mesmo tempo espaços e ferramentas nas quais e a partir das quais o social se comunica, se percebe e atua. Quando falamos da política, a questão se torna ainda mais evidente, mas não menos controversa. Afinal, na esfera pública de discussão, a centralidade que a mídia ocupa a tem transformado não só em um espaço de discussão política, mas em um ator político relevante.

Facilidade de intercâmbio de ideias

Ora, é dessa forma, então, que novas mídias sociais atuam como espaço e ferramentas que permitem a organização e a comunicação de pensamentos e de pessoas de uma maneira talvez um pouco mais eficiente e rápida, independente do conteúdo das formas simbólicas aí trocadas. É dessa forma que imaginamos que discriminar as novas tecnologias, portanto, seria o mesmo que tentar discriminar a circulação de pensamentos e ideias e frear o debate político.

Sabemos que é tentadora, para países ‘desacostumados’ com a democracia e com o conflito de ideias, a restrição ao acesso a determinadas tecnologias de comunicação, sempre sob o pretexto de se tornarem veículos de ‘propaganda ideológica’. Isto por certo ocorre em canais de TV, rádio, jornal impresso, enfim. Mas o que algumas mídias sociais trazem de novidade é que esta possibilidade é muito menor, pois as trocas simbólicas são muito mais intensas e escapam a muitos controles.

É nesse sentido, me parece, que as novas mídias sociais podem atuar, no espaço da política, como um espaço e, ao mesmo tempo, uma ferramenta, onde a circulação de ideias é maior, possivelmente mais livre. As mídias sociais possuem, por enquanto, essa capacidade de oferecer um retrato mais apurado (embora ainda não tão representativo) das relações sociais e seus desejos e conflitos. As mídias sociais, então, possibilitam uma maior facilidade de intercâmbio de ideias e, portanto, maior possibilidade de organização para um determinado fim político, mostram o pulsar da sociedade em circulação. Querer freá-las é querer frear o pulsar da sociedade. Não dá, ou pelo menos deve-se resistir a essas tentações.

‘Encontro’ e de ‘resistência’

Onde estaria, então, a relação entre as revoltas e as novas mídias digitais? Acredito que, enquanto espaço e ferramentas, as novas mídias sociais possibilitam, em certo aspecto, o ‘revigoramento do demos’, ou seja, facilitam o ‘encontro’ entre as pessoas e a discussão entre suas ideias para a definição de finalidades e objetivos a serem alcançados. Elas não eliminam a ‘praça pública real’, nem a substituem, mas são o seu bastidor, o lugar onde a encenação ainda está sendo preparada para, no momento seguinte, ocupar a praça real, onde os gritos ecoam, os aplausos surgem e o sangue é derramado. Nesse sentido, não acredito na existência de uma ‘revolução virtual’, mas em novas tecnologias que, se bem utilizadas, podem aquecer aquilo que estava adormecido.

Mas é claro que esta é somente uma das utilidades destas ferramentas, pois elas também podem servir amplamente a vários tipos de alienação. Afinal, uma ferramenta só adquire significado quando utilizada pelo homem, e pode ser utilizada de várias formas. A forma como vamos utilizá-la, portanto, é que vai definir seu significado. Talvez, em alguns países árabes, com seus excessos de restrição às liberdades, no momento atual as novas mídias sociais tenham adquirido um significado de maior possibilidade de ‘encontro’ e de ‘resistência’. Nada mais que isso… Ou tudo isso.

******

Cientista político e psicólogo social, São Paulo, SP

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem