Quarta-feira, 22 de Novembro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº967

ENTRE ASPAS > FIM DE SEMANA, 24 E 25/11

Último Segundo

28/11/2007 na edição 461

MÍDIA & POLÍTICA

Alberto Dines

A metáfora Cantinflas, 23/11/07

‘Não importa a opinião que se tenha sobre Hugo Chávez, importa que graças a ele a América Latina ancorou nas primeiras páginas da imprensa mundial e assim ficará por muito tempo. A América Latina precisa de Chávez, seja ele santo ou demônio, caudilho ou presidente democrático. Chávez é o elemento diferenciador numa paisagem aparentemente indiferenciada.

Apesar da intensa luminosidade, as imprecisões dominam o vasto território ao sul do Rio Grande. Não há sombras, mas a exuberância é tão intensa, tantas as possibilidades de variações e matizes que o sub-continente poderia ser apelidado de Terra das Incertezas, dos Equívocos, ou simplesmente Absúrdia.

Chávez é o seu produto político-antropológico mais emblemático, variação miniaturizada de Fidel Castro onde se agigantam seus defeitos e somem as virtudes. Melhor mix de Perón com Brizola jamais poderia ser inventado. Substância contrastante que um Evo Morales é incapaz de utilizar e da qual o presidente Lula sabe servir-se, embora em doses homeopáticas.

Em seguida ao quarto centenário da descoberta de Colombo (1892), início do século XX, viajantes europeus tentaram entender o que então se chamava de América do Sul. Um deles foi o jornalista-político Georges Clemenceau (aquele que pouco antes produzira a manchete mais famosa da história do jornalismo, J’Accuse, ‘Eu Acuso’), outro foi o filósofo-andante, o conde Hermann Keyserling.

Mas quem melhor compreendeu as dimensões desta Absúrdia e a personificou em carne e osso foi Fortino Mário Alfonso Moreno Reyes (1911-1993), Mario Moreno no México, Cantinflas para o resto do mundo.

Charlie Chaplin o classificou como ‘o melhor comediante da terra’, os críticos o etiquetaram como o ‘Chaplin do México’. Cotejo insuficiente, como todos: Carlitos era o trapalhão que fazia rir pelo gesto silencioso, já as gargalhadas provocadas por Cantinflas, ao contrário, originavam-se numa algaravia: palavreado confuso, disparatado, torrencial, interminável e, no fim, eficaz. Ganhava sempre.

Registram seus biógrafos que o estilo foi criado quando, ainda ator-ambulante, um dia esqueceu a sua fala e para evitar o silêncio, soltou o verbo sem se importar com o sentido do que dizia – falou, falou, falou e foi ovacionado.

Criou um estilo e tornou-se o símbolo do pobretão capaz de enganar a todos com esta doida eloqüência. Conservador em matéria política projetou-se mundialmente como o bufão despossuído capaz de superar qualquer dificuldade graças à lábia labiríntica – venceu o touro na arena e os gangsteres em Chicago.

A rigorosa Real Academia Espanhola legitimou o verbo cantinflear (algo como embromar) e cantinfleada (lenga-lenga confusa). Estudiosos o designaram como ‘representação da caótica modernidade mexicana’ ou como ‘o pobretão que triunfa sobre os poderosos’. Lingüistas o vêem como ‘Robin Hood do idioma’, o vagabundo com as calças sempre caindo que tirou das elites o domínio da palavra. Através da não-palavra.

Apesar do enorme sucesso nos Estados Unidos, Cantinflas foi um fenômeno latino-americano. Hilariante e intraduzível, doido, porém adorado. Metáfora da esperteza inofensiva, retrato do espertalhão cordial. Malandro amigo, otimista e generoso.

A criatura engendrada por Mário Moreno tem algo de paradigmático, razão pela qual seus 34 filmes continuam fazendo sucesso. Ficou talvez menos datado do que outros famosos comediantes porque a universalidade de Carlitos e Buster Keaton diluiu-se no processo de globalização enquanto o caráter nacional (ou continental) de Cantinflas continua em estado puro, intocado.

Compará-lo com Chávez seria injusto. Para ambos.’

******************

Clique nos links abaixo para acessar os textos do final de semana selecionados para a seção Entre Aspas.

Folha de S. Paulo – 1

Folha de S. Paulo – 2

O Estado de S. Paulo

Revista Consultor Jurídico

Conversa Afiada

Veja

Comunique-se

Terra Magazine

Último Segundo

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem