Sábado, 23 de Junho de 2018
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº992
Menu

FEITOS & DESFEITAS > PERFIL QUE FALTA

Um ministro desconhecido

Por Luciano Martins Costa em 14/08/2008 na edição 498

A imprensa ainda está devendo um bom perfil do ministro Roberto Mangabeira Unger. Ele é o titular da pasta do Planejamento de Longo Prazo, o que significa que é o principal responsável por indicar ao presidente da República as estratégias dirigidas aos problemas estruturais do país.


Desde as carências de infra-estrutura, atacadas pelo Programa de Aceleração do Crescimento, a questões demográficas, que afetam o equilíbrio do sistema de previdência oficial e o melhor projeto para a Amazônia, em todos os grandes temas se espera que o ministro se apresente como o conselheiro habilitado para o chefe do Executivo.


Até aqui, os jornais têm oscilado entre uma atitude de curiosa complacência com o estilo afoito do ministro e a adesão incondicional a algumas de suas assertivas. Tudo depende basicamente de como as idéias de Mangabeira Unger se encontram ou se chocam com as premissas da imprensa.


Uma das primeiras idéias anunciadas pelo ministro, aquela de construir um aqueduto para levar água do Amazonas para o Nordeste, foi basicamente ridicularizada pela imprensa, que colocou em dúvida seu conhecimento sobre a região amazônica.


Mais tarde, quando Mangabeira Unger entrou em choque com a então ministra do Meio Ambiente, Marina Silva, provocando sua saída do governo, a imprensa discretamente pendeu para o lado dele. Já então, o ministro do Planejamento de Longo Prazo se mostrava mais afinado com os grandes produtores de soja, apontados como ameaça à integridade do patrimônio florestal do país.


Situação favorável


Agora, Mangabeira comete uma gafe ao afirmar que antes dele não havia no Brasil uma estratégia para a defesa do meio ambiente, quando se sabe que o país tem já há alguns anos uma legislação considerada de vanguarda pelos especialistas e reconhecida pela imprensa.


O que tem faltado é exatamente vontade política para colocar a defesa do patrimônio ambiental entre as prioridades da política de desenvolvimento.


É notório o gosto do ministro por factóides e pela manifestação intempestiva de teses controversas. Mas a imprensa não pode continuar tratando-o como um elemento exótico num governo exageradamente heterogêneo.


No momento em que o Brasil vive uma situação econômica favorável e pode, finalmente, planejar seu futuro, a pasta ocupada por Mangabeira Unger exige muito mais do que mera curiosidade.

Todos os comentários

  1. Comentou em 14/08/2008 Ivan Moraes

    ‘pasta ocupada por Mangabeira Unger exige muito mais do que mera curiosidade’: o fica no ar, desde o comeco, eh a evidente impressao que ele nao sabe nada a respeito do Brasil. E que eh lobista. E que pisa na lingua tao frequentemente que de vez em quando se estatela de bunda no chao.

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem