Quinta-feira, 17 de Outubro de 2019
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº1059
Menu

FEITOS & DESFEITAS >

‘Uma inimiga das instituições representativas’

Por Heitor Diniz em 22/09/2009 na edição 556

Primeiro, Sarney afirma que ‘de certo modo, a mídia passou a ser uma inimiga das instituições representativas’. Imediato, vem o mal-estar provocado pelo rasgo verborrágico do senador ‘amaparanhense’, emblematicamente proferido numa data dedicada à celebração do Dia Internacional da Democracia.


Sarney tenta então retificar uma frase mais do que eloquente, como se tentasse sustentar que o resultado de 2+2 é diferente de 4.


Na previsível defesa apresentada por meio de nota, alega a velha má interpretação e descontextualização, mesmo sendo a frase de todo enfática, direta e pouco dada a distorções.


Veja o que diz a nota oficial divulgada pela assessoria de Sarney, buscando justificar a fala da véspera:




‘A tecnologia, hoje, levou os instrumentos de comunicação a tal nível que, a grande discussão que se trava é justamente esta: quem representa o povo? Diz a mídia: somos nós, e dizemos nós representantes do povo: somos nós. É dessa contradição que existe hoje, um contra o outro, que, de certo modo, a mídia passou a ser uma inimiga das instituições representativas.’


Com o perdão do lugar-comum, o fato é que a emenda saiu pior do que o soneto.


Uma saraivada de ‘secretices’


Pela explicação, a única coisa que Sarney consegue é mostrar que erra duas vezes: no diagnóstico enviesado de que a mídia vai de encontro aos ditos ‘representantes do povo’ e, num segundo momento, ao definir toscamente o próprio papel da mídia.


A imprensa, ao contrário do que profere o engodo mal-intencionado do senador, não se presta a representar politicamente ninguém. Seu grande mote é prover um vasto painel social em que sejam tratados os mais diversos assuntos de interesse público (ou de parte considerável desse público) e que fomente debates e reflexões a partir daí, com vistas à evolução do homem, de suas relações sociais e do próprio conceito de cidadania.


Isso toca diretamente na esfera da representação política, na medida em que nas democracias propriamente ditas os mandatos eletivos são como procurações, conferidas pelos cidadãos aos representantes, escolhidos por meio das urnas. Um cenário em que a informação livre e a publicidade dos atos são elementos primordiais, ou o preâmbulo de uma imprensa viva e vívida.


Mas essas noções talvez sejam por demais complexas aos que praticam a política rasteira de atos secretos, favorecimentos mil e flagrantes distorções entre a coisa pública e a esfera privada.


E mesmo com a saraivada de ‘secretices’ que gozaram da conivência de Sarney, o imperador amaparanhense ainda afirma que o Congresso está sujeito a mais críticas porque age ‘às claras’, enquanto os demais poderes tomam decisões ‘isoladas’.


São tantas aberrações nas anômalas letras do imortal Sarney, que, numa eventual entrevista com sua excelência, só teria uma pergunta: em que mundo ele vive (para sempre)?

******

Engenheiro civil

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem