Quarta-feira, 21 de Fevereiro de 2018
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº975

FEITOS & DESFEITAS > TELEJORNALISMO EM CLOSE

Umas coisinhas que vi por aí

Por Paulo José Cunha em 03/08/2010 na edição 601

Fui salvo pelos atropelos de uma viagem a Buenos Aires. Ia escrever artigo sobre o que de mais chato ocorreu na TV durante a Copa. E abriria o texto descendo o cacete na chatura do Torpedão do Faustão nos intervalos comerciais, com apresentação de Cissa Guimarães. Tive de correr com as providências quanto a cartão de crédito e celular para a viagem e não deu tempo de escrever o artigo. Ainda bem. Não sei com que cara ficaria depois de tudo o que aconteceu. Não conheço a Cissa nem ela me conhece. Mas me identifiquei tão profundamente com sua dor que não me perdoaria se a tivesse magoado ainda mais em momento tão difícil. Jogadores de cassinos, recém-casados e jornalistas investigativos precisam de sorte. Articulistas de fim de semana também.

1. O mundo mudou, o perfil das pessoas que andam de avião também. Conheço um velho jornalista que ainda cultiva o hábito de vestir terno e gravata para viajar de avião porque era assim no passado: viagem aérea era um fato tão raro que exigia traje a caráter, em respeito à distinta companhia de endinheirados que podiam pagar o elevado preço das passagens. Hoje, o que mais se vê é gente de sandálias de dedo, bermudas e camisetas tipo regata circulando pelos aeroportos. Enquanto isso, ao folhear as revistas de bordo, verifica-se que os anúncios ainda são de marcas de produtos altamente sofisticados, caros, que só podem ser adquiridos por uma restrita minoria; aquela minoria que lá no passado envergava traje fino para entrar num avião. Das duas uma: ou os anunciantes perderam o foco e estão gastando dinheiro à toa, pois usam munição pesada para matar passarinho, ou pretendem despertar a cobiça do público de renda mais baixa recém-chegado ao tráfego aéreo até fazê-lo sucumbir às tentações dos anúncios dos produtos chiques. Se tivesse que escolher, ficaria com a primeira hipótese. E acrescentaria que as grandes marcas continuam anunciando nessas revistas por inércia, não por resultado. Devem estar tendo prejuízo.

Sensacionalismo deles é melhor

2. ‘O sol nas bancas de revistas me enche de alegria e preguiça’. O verso da canção famosa de Caetano remete a uma realidade nova, que chegou para ficar: o jornal da banca, jornal de papel, esse que suja os dedos do leitor, está acabando. E se transformando num monte de bytes que recobrem as telas dos computadores. O Jornal do Brasil já não circulará mais em papel a partir de setembro. Num outdoor em Buenos Aires li o seguinte: ‘O jornal que você compra nas bancas só traz notícias de ontem’. Era a propaganda de um site ou blog, nem me lembro mais. O certo é que o velho formato – o empacotamento das notícias em edições diárias – cede cada vez mais espaço à notícia do instantâneo, em real time, que não precisa ser entregue diariamente, mas sim, durante todo o dia, toda a noite e toda a madrugada, no momento em que ocorre. Jornais e revistas – eletrônicas, veja bem – futuramente irão concluir que seu papel (sem trocadilhos, por favor) é muito mais o de analisar e dar sentido aos acontecimentos do que o de noticiá-los em edições fechadas. Notícia engarrafada não vende mais. E é impossível engarrafar uma cachoeira que não para de jorrar.

3. Um homem armado, com duas pistolas, em Pilar, Buenos Aires, manteve 40 pessoas como reféns durante cinco horas, dentro de uma agência do Banco de la Nación, até se entregar à polícia. Não houve vítimas. Mas enquanto mantinha os reféns sob a mira das armas concedeu entrevista ao canal de televisão C5N. Eu estava no hotel na hora da entrevista, concedida ao âncora da emissora e transmitida ao vivo. Entrevista longa, generosamente repetida ao longo da programação. Aqui, quando do sequestro de Eloá e Nayara, a jornalista Sônia Abraão, da Rede TV, entrevistou o sequestrador ao vivo, interferindo nas negociações. Especialistas como Laurindo Leal Filho, apresentador do Ver TV, da TV Câmara, condenaram a interferência, considerada inconstitucional. Não soube de qualquer condenação dos órgãos de representação dos periodistas argentinos à atitude do âncora da C5N. Pelé é melhor que Maradona, isso todo mundo sabe. Mas o sensacionalismo deles é melhor do que o nosso, e muito mais bem aceito, temos de reconhecer.

******

Jornalista

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem