Quinta-feira, 24 de Maio de 2018
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº988
Menu

ENTRE ASPAS > LEITURAS DA FOLHA

Viagem através do cemitério de palavras mudas

Por Alberto Dines em 02/09/2008 na edição 501

O que sobrará dos quilos de papel – ou megabytes – que lemos hoje? Pouco. A não ser que amanhã, ou depois, os jornais reiterem o que ainda consideram importante. Impossível: nos dias seguintes haverá quilos de papel ou megabytes com outras novidades palpitantes, atraentes, relevantes, inadiáveis.


Ler jornal – impresso ou virtual – é uma batalha diária contra a obsolescência e a insignificância do que é apresentado como realidade. Vencidos pela obrigação da quantidade, redatores não ajudam: tiram dos freezers palavras e frases congeladas e com elas escrevem as mesmas notícias que irão guarnecer o cardápio da seção de política, internacional, economia, mundanismo, cultura ou esporte.


Palavras desvitalizadas e fatos clonados raramente transmitem a sensação de vida. Não produzem estímulos, estalos. São mudas.


Às vezes, depois da dolorosa viagem através da mesmice, triiiiiim, o alarme solidário avisa que aqui tem coisa boa. Como esta:




‘Um dos dramas humilhantes do ‘otimismo moderno’ é que para ser otimista temos que ser idiotas e negarmos os impasses assustadores da vida’ (Folha de S.Paulo (1/9/2008), ‘Ilustrada’, pág. E-9, artigo ‘Na escuridão’, de Luiz Felipe Pondé).


Valeu.


 


Leia também


Contra os colunistas [para assinantes] – João Pereira Coutinho [Folha de S.Paulo, 2/9/2008]

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem