Sábado, 20 de Outubro de 2018
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº1009
Menu

FEITOS & DESFEITAS >

Vice-versa

Por Oswaldo Jurema em 17/08/2010 na edição 603

Após suportar um debate insípido e infrutífero, no qual prevaleceram incríveis respostas ininteligíveis e primários erros gramaticais, onde apenas se constatou que a falta de carisma e objetividade é inerente a todos os candidatos, eu não merecia ter visto a entrevista do vice José Alencar no Programa do Jô.

Mas, inicialmente, refiro-me aos presidenciáveis que foram sabatinados na última quinta-feira (5/8). Se for para analisá-los individualmente, embora reconhecendo a inteligência dos postulantes, eu me arriscaria à seguinte ótica:

José Serra é o protótipo do burocrata, segue à risca a cartilha de seus pronunciamentos com frases comedidas e repetitivas;

Dilma Rousseff é o exemplo da má aluna, sequer aprendeu a ser marqueteira e ainda assim não transmite autenticidade;

Plínio Salgado, pela sua caminhada e pelos seus 80 anos, merece nosso respeito, mas não pode escapar da crítica pela insistência de querer ser cômico, sem sê-lo;

E, finalmente, Marina Silva, em que pese seu inegável talento, ainda é muito verde – inevitável, o trocadilho – para um embate dessa envergadura.

Um prenúncio pouco alvissareiro aos demais confrontos. Mas o povo parecia ter ouvido o que queria. E se congratulou.

A ânsia da bajulação

Sempre admirei o vice-presidente pelo homem sério que ele parece ser, pela postura com que tem se conduzido no cargo e pela intrepidez com que vem enfrentando seu problema de saúde. Todavia, ao assistir à sua entrevista no Programa do Jô, senti o impacto de uma profunda decepção ao ouvi-lo responder sobre o exame de DNA para comprovar o reconhecimento de uma suposta filha: ‘Ora, Jô, ela se parece com as diversas mulheres com que devo ter me relacionado naquelas casas de diversões. Já pensou se todo homem que frequentou a zona fosse obrigado a esse exame?’ E a plateia ainda riu e aplaudiu! Parecia um bando de hienas…

Tudo está ao contrário. A dignidade, o caráter e a decência se omitem diante do poder. O povo se torna cúmplice na ânsia da bajulação. No debate, ignorou o que não entendeu; e na entrevista, aplaudiu o que não ignorou. E em ambos se subestimou.

O vive-versa da moralidade pública.

******

Bacharel em Direito e ex-vereador, João Pessoa, PB

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem