Segunda-feira, 24 de Julho de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº950

FEITOS & DESFEITAS > CASO UNIBAN

Vítima ou vilã? As mulheres decidem…

Por Isabelle Anchieta em 17/11/2009 na edição 564

O caso da estudante de Turismo que foi verbalmente agredida por mais de 700 estudantes por usar um vestido curto na Universidade Bandeirantes de São Paulo é emblemático. Mas, para além das inquietantes respostas levantadas pela imprensa e por especialistas para explicar um fato tão estranho (na medida em que ocorre em pleno Brasil do século 21), há uma questão que passou inadvertida pelas discussões da sociedade. Qual? O fato de mulheres, colegas de Geisy na faculdade, terem iniciado as ofensas contra ela. As mulheres! Sei que o tema é delicado, pois parece desviar a responsabilidade dos tradicionais vilões, os homens e a ideologia patriarcal, e aparentar uma tentativa de culpabilizar as eternas vítimas: as mulheres. Apesar de não menosprezar a presença da cultura machista no caso, gostaria de chamar a atenção para esse importante elemento pouco tratado na mídia: a competição entre as mulheres, o rancor entre elas.

A filósofa Simone de Beauvoir já denunciava em 1949, em seu livro O segundo Sexo, que esse era um dos grandes empecilhos ao desenvolvimento feminino. Assim, ao invés de vitimá-las, Beauvoir culpava também as mulheres como inquisidoras das demais e de sua sexualidade. Em um trecho ela diz ‘os proletários dizem nós, os negros dizem nós, as mulheres – salvo em certos congressos que permanecem manifestações abstratas – não dizem nós. Isso porque não têm, como os proletários, uma solidariedade de interesses’ (BEAUVOIR, 1949, p.13). Mas, não queremos, em contrapartida, reduzir a discussão entre encontrar as vítimas e vilões – o que seria um erro. Vale ampliar a questão e nos perguntarmos até que ponto as mulheres não estão sendo conduzidas por um sistema cultural, típico do capitalismo, que incentiva a competição? Especialmente a competição marcada pela busca de ser ‘a mais bela’?

A cultura da meritocracia

Os concursos para escolher a próxima top model multiplicam-se; as revistas insistem em ranquear a mais sexy, a mais popular, a mais bem vestida; os programas de TV selecionam ‘feias’ e ‘mal-vestidas’ para transformar sua estética e, supostamente, sua vida. A magreza, a juventude e a moda embalam e alimentam essa cultura social que promove uma competição destrutiva entre as mulheres. Uma competição emburrecedora, na medida em que é alicerçada em um pilar extremamente limitador para a emancipação feminina: a beleza (enquanto única alternativa de ascensão social).

Criou-se no país, assim como é o futebol para os meninos, a idéia de que a única via do feminino é a beleza – ora através de uma carreira como manequim, ora através de um marido afortunado. É por essa razão que a beleza alheia incomoda, ameaça, na medida em que retira da concorrente a sua suposta ‘única’ alternativa de ter seu lugar ao sol. Nesse sentido, Geisy foi julgada por um falso moralismo que traveste uma outra questão fundamental: a competição feminina.

Ser bela continua a ser a maior obrigação feminina, patrocinada agora pelas campanhas publicitárias, pela moda e pelo consumo. Uma busca pelo corpo impecável, pela bolsa invejável, pelo cabelo que brilha mais que o das outras. Um sistema que cria, via beleza, mecanismos de controle e competição extremamente limitadores da experiência humana da mulher, enquanto ser humano capaz de múltiplas experiências e transcendências. Não que eu faça aqui um discurso anticapitalista, pois foi ele o único sistema que avançou efetivamente na ruptura do feminino com suas antigas coerções (religiosas e patriarcais) através dos valores laicos e pela consolidação do imaginário social igualitário-democrático que preza pela cultura da meritocracia (ou seja, se você for bom, não importa o sexo, a cor e a etnia, você pode ascender socialmente).

Crueldade feminina volta-se contra a mulher

Claro que não chegamos a um nível de igualdade minimamente aceitável. Segundo dados da revista Exame (2009), das 100 maiores empresas no país nenhuma possui mulheres na presidência. Mas é fato também que avançamos, tanto que a mídia cumpriu, no caso de Geisy, um importante papel ao posicionar-se contra a violência sofrida pela estudante – independente do encantamento ou não de Geisy por sua visibilidade midiática. Isso não desqualifica o ato e a violência, isso não a desqualifica, como querem alguns poucos, na medida em que o acontecimento transcende uma discussão particularizada e revela os atrasos na emancipação feminina no Brasil.

Desejo, por fim, fazer com que essa reflexão não seja apenas um ‘puxão de orelha’ para as mulheres, mas um chamado à sua consciência. Essa delicada e difícil auto-reflexão que nos leva a desvendar tanto os nossos monstros e limites, quanto a nossa cumplicidade com o sistema cultural alienante a que nosso momento histórico nos condiciona. Pois não podemos nos furtar de não considerar que somos co-responsáveis por alimentar esse sistema, e que podemos, sempre, não compactuar com ele. Não somos seres determinados, alienados, dada a nossa capacidade humana, sempre renovada, de desviar o olhar, de não se tornar objeto, de nos emanciparmos e recriarmos a nossa cultura. Pois essa crueldade feminina reverte-se, mais cedo ou mais tarde, contra cada uma de nós. Termino a reflexão com uma pequena historinha de Brecht:

‘Primeiro levaram os negros

Mas não me importei com isso

Eu não era negro

Em seguida levaram alguns operários

Mas não me importei com isso

Eu também não era operário

Depois agarraram uns desempregados

Mas como tenho meu emprego

Também não me importei

Agora estão me levando

Ninguém se importou comigo’

(Bertolt Brecht, 1959)

******

Jornalista e mestre em Filosofia, Belo Horizonte, MG

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem