Segunda-feira, 18 de Dezembro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº970

GRANDE PEQUENA IMPRENSA > IMPRENSA LOCAL

Como sobreviver – e prosperar – na era digital

Por Jeff Moriarty em 29/07/2014 na edição 809
Reproduzido do The Guardian, 17/7/2014, tradução de Rodrigo Neves

Jornais locais e regionais estão em condições de se reinventarem e podem se tornar até mais fortes nesta época dominada pela internet.

O Reino Unido é o melhor local do mundo para se reinventar o jornalismo local. O país possui milhares de pequenos jornais, muitos deles com mais de cem anos de existência.

Mas, como sabemos, em diversos países o jornalismo local está sofrendo ataques de vários lados: diminuição de leitores de jornais impressos, novos competidores digitais e a ascensão das mídias sociais.

Com esse número de competidores, com essas mudanças no comportamento do leitor e com todas as novas tecnologias, como a mídia local pode permanecer viva e relevante?

Diferenciar plataformas

As diversas plataformas disponíveis necessitam ser diferenciadas. Ler um jornal impresso é diferente de ler um jornal no celular, que precisa ser mais rápido, curto e geograficamente consciente. Em um tablet, por exemplo, um veículo de mídia precisa apostar em mais imagens e vídeos do que em blocos de textos.

Os jornais locais necessitam pensar amplamente em suas opções e criar o melhor conteúdo para cada plataforma.

Ambiente de colaborações

A indústria jornalística necessita reequilibrar seus recursos para apoiar o jornalismo investigativo de qualidade e ao mesmo tempo incorporar as diferentes vozes e colaboradores que existem na internet e na mídia social.

No Reino Unido, experimentos em que membros da comunidade pautam as notícias, resultaram em jornais inovadores como o Pocklington Post. Mais da metade de seu conteúdo é gerado por usuários.

Iniciativas como essa não são um atentado ao jornalismo de qualidade, mas uma abordagem contemporânea que cria mais recursos para se reportar o cotidiano de um lugar.

Foco vertical

Não podemos nos esquecer da marca dos jornais que nos acompanharam até aqui, mas não podemos confiar apenas na tradição de seus nomes. Um jornal centenário não possui mais o mesmo renome para um adolescente que usa o Facebook para se informar. A mídia local não pode ficar parada e necessita inventar novos produtos, sob medida, para seu público.

Tornar-se uma agência local

Jornais locais atingem uma audiência local que os empresários também querem atingir. O mercado publicitário dá cada vez mais valor para a qualidade do conteúdo e seu contexto, preferindo negociar diretamente com editores locais.

Unindo o conhecimento sobre sua área, uma curadoria de conteúdo e uma estratégia para múltiplas plataformas, as mídias locais conseguirão se catapultar para além do jornalismo impresso e existir em qualquer meio. Esse fenômeno em diferentes comunidades poderá tornar o jornalismo local ainda mais forte na era digital.

******

Jeff Moriarty, do The Guardian

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem