Sexta-feira, 14 de Dezembro de 2018
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº1017
Menu

HOMENAGEM A ALBERTO DINES > Jornalismo como sentido

Uma vida sem ponto final

Por Bruno Thys em 12/11/2018 na edição 1013

Em maio último, morreu em São Paulo o jornalista, escritor e crítico Alberto Dines. Aos 87 anos, estava com a mente impecável e trabalhou até seus últimos dias. Cumpriu uma extensa pauta de vida. Lembrar de Alberto Dines é reverenciar duas grandes gerações: a de seus pais que, a exemplo de Moisés, se lançou ao mar em busca de uma vida digna, longe da opressão na Europa; e a dele própria, que cumpriu a lenda do Patriarca Abraão, o “lechlechá”, que pode ser entendida como um chamamento à busca de um lugar no mundo. Em sua jornada, Dines tornou-se uma das mais cintilantes estrelas de sua geração, a primeira de judeus nascidos no Brasil. Sua contribuição à cultura do país será lembrada pra sempre.

Da geração de seus pais, herdou a cultura ancestral. Dines tinha sólida formação humanística e suas raízes remontam à Haskalá, o iluminismo judaico que floresceu na Europa Ocidental nos séculos 18 e 19. Este movimento pregava a interação da sabedoria judaica com a cultura europeia e produziu nomes como Einstein, Freud, Herzel e Stefan Zweig, o grande biógrafo austríaco, que muitos anos depois, seria biografado por Dines. À essa sólida base, aliava o espírito crítico, o inconformismo, a ousadia e a determinação, marcas que imprimia aos inúmeros projetos que abraçou na vida.

Dines era um realizador inquieto e inspirado, o que torna difícil destacar, entre tantos e tão distintos feitos, os mais relevantes. A grande reforma do Jornal do Brasil, nos anos 60, talvez tenha sido o mais impactante. O JB tornou-se modelo e padrão da imprensa brasileira, referência de excelência em jornalismo, que inspirou sucessivas gerações e ajudou a formar uma legião de leitores. Dines conseguiu harmonizar forma e conteúdo, num alinhamento absolutamente inédito até então. Ainda hoje, mais de 50 anos depois, o modelo de jornal construído por ele, se mantém atual. No mesmo JB ele implantou um departamento de pesquisa que, segundo Fernando Gabeira, que ali trabalhou, era uma espécie de Google da era analógica. E seus dribles incríveis na censura, a qual nunca se curvou, ganharam lugar na história contemporânea e alguns viraram lenda.

Alberto Dines elevou o patamar da imprensa no Brasil. Ele entendia que a credibilidade e a força dos veículos de comunicação, notadamente dos jornais, seria tão maior quanto fosse sua capacidade de se comparar aos concorrentes, acolher a crítica de seus leitores e de se autocriticar. Ainda no JB, lançou os Cadernos de Jornalismo e Comunicação voltados para a reflexão da imprensa brasileira. Foi também idealizador da coluna “Jornais dos jornais” na Folha de S.Paulo, que daria origem a figura do ombudsman. Em 1996, criaria o Observatório da Imprensa, que já nasceu na Internet, também destinado ao debate sobre a atividade no país.

Poucos profissionais se movimentavam com tanta personalidade e desembaraço pelos campos teóricos e práticos da profissão. Jornalismo para ele não era uma atividade, mas o próprio sentido da vida. Tinha conhecimento técnico e sensibilidade para escolher e editar, apurar, entender, processar, produzir e distribuir ou, mais modernamente, compartilhar. Fazia tudo isso com muita paixão. Para Dines, a função do jornalismo, pilar da sociedade moderna, era a de informar e de ajudar a formar o cidadão. E nesse sentido, ele foi sempre extremamente generoso em dividir o seu conhecimento e experiência desenvolvidos ao longo de uma jornada iniciada muito jovem ainda, como fotógrafo de revista e depois, repórter.

Sua intensa atividade acadêmica é prova disso: foi professor em universidades brasileiras, deu aula na Universidade de Colúmbia, nos Estados Unidos e criou o Laboratório de Estudos Avançados em Jornalismo, na Unicamp, que se tornou referência na América Latina. Ou seja, Dines alternava sua presença no front e no quartel. Aliava visão crítica e honestidade intelectual sem filtros ideológicos, mas humanísticos. Era um ser humano com raízes profundas e muitas vezes se voltava ao passado para dirimir dúvidas do presente ou enfrentar questionamentos sobre o futuro. Costumava citar um texto de 1808 de Hipólito José da Costa, patrono da imprensa no Brasil, quando indagado sobre o papel do jornalista: “o primeiro dever do homem em sociedade é ser útil aos membros dela”, dizia.

Estar diante de Dines ou de um texto seu, significava percorrer um caminho que incluída no trajeto as perguntas: o que?, quem?, quando?, onde?, como? e por que? Sua imensa curiosidade, aliás, uma marca dos grandes inovadores, o levou a escrever livros relevantes para o país e traduzidos em vários idiomas: “O Papel do Jornal e a Profissão do Jornalista”, “Morte no Paraíso”, a sensacional biografia do grande biógrafo Stefan Zweig, “Vínculos de Fogo”, extraordinária obra sobre a inquisição no Brasil, evidenciam todo o seu talento de repórter. Os três títulos são grandes reportagens. Dines teve a virtude de cedo entender que seu combustível, sua força seminal era sua curiosidade e escolher uma atividade em que pudesse colocá-la a serviço da sociedade, como pregava Hipólito da Costa.

Fui apresentado a Alberto Dines duas vezes na vida. Em sua casa, em Copacabana, aos quatro ou cinco anos de idade, onde ia brincar com Arnaldo, um dos seus quatro filhos e meu colega de jardim de infância; e na universidade, onde à menção do meu sobrenome, ele reagiu: “conheço você há duas gerações”. De fato ele, meu pai e o cineasta Saul Lachtermacher fizeram em 1952 um filme em São Paulo, “O Craque”, drama de um jogador de futebol, estrelado pelo ator Carlos Alberto. Ao longo da vida estive muitas vezes com ele em congressos, no seu programa de TV, em redações e vez por outra na ponte-aérea. Mas eram seus telefonemas eventuais que me fascinavam. Ele ia direto ao assunto. Sem que eu perguntasse, fazia críticas ao meu trabalho, pedia minha opinião sobre um ou outro assunto. Eram “coachings” incríveis e de graça!

Invariavelmente ele começava a conversa assim; “Olha aqui…”

No jornalismo, cada pauta é uma história e cada história, uma vida. E algumas delas são muito especiais. Alberto Dines foi autor e protagonista de uma dessas trajetórias incomuns: um intelectual visceral, que usou sua inteligência e lucidez não para disputar uma partida, mas para mudar o jogo. Chamam a atenção sua capacidade de criar, transformar e inovar. Foi assim com o jornalismo, com os livros, com a crítica, tarefa que exerceu todos os dias de sua vida e com a atividade didática. Dines era,sobretudo um Mestre. Entre tantos momentos importantes, devo a ele o sonho de trabalhar no Jornal do Brasil.

Dines nos ensinou que diferente da música, no mundo da notícia a pauta é uma aposta, muitas vezes difusa e imprecisa sobre determinado tema e uma consolidação de itens a serem trabalhados. Ainda é cedo pra escrever sobre ele. Sua vida teve um ponto final, mas sua obra é eterna. Alberto Dines foi um dos grandes nomes do jornalismo. Seu maior legado terá sido mostrar com seu próprio exemplo, que a pauta de nossas vidas deve ser questionada e subvertida ininterruptamente e entender a evolução como uma jornada. Jamais parar de aprender.

Poucos jornalistas foram tão ativos e inovadores quanto ele. Suas marcas e influência permanecem impressas em todos os veículos importantes do país. Dines está para a cultura brasileira como o escritor Philip Roth, que morreu dias antes, para a dos Estados Unidos. Ambos saíram do ambiente protegido de suas famílias, ainda impregnados da vida nas aldeias da Europa e através da curiosidade e coma a lente do humanismo, desbravaram seus países e contribuíram para as respectivas culturas.

Ah! E os defeitos? Dines não me perdoaria se eu escrevesse um texto sobre ele ou quem quer que fosse, contendo só elogios. Ele tinha defeitos, claro! Mas, como já me alonguei aqui, fica para a próxima.

**

Bruno Thys é jornalista. Trabalhou por quase vinte anos no Jornal do Brasil, onde foi de estagiário a editor-executivo. Foi um dos fundadores da revista Veja Rio. Participou da criação do Extra (RJ), jornal em que comandou a redação. Foi diretor da Infoglobo, empresa que edita os jornais e revistas do Grupo Globo e CEO do Sistema Globo de Rádio (CBN, Rádio Globo, etc). Tem prêmios relevantes, entre eles o “Esso”. É sócio da editora Máquima de Livros.

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem