Domingo, 26 de Maio de 2019
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº1038
Menu

IMPRENSA EM QUESTãO >

Murdoch é inapto para chefiar News Corp., diz comitê

Por Ben Fenton, Salamander Davoudi e Andrew Edgecliffe em 08/05/2012 na edição 693

Uma comissão parlamentar britânica declarou Rupert Murdoch “inapto” para comandar uma empresa de mídia. A informação consta em um relatório de reprovação, no qual o comitê criticou o tratamento dado pela News Corp. ao escândalo dos grampos telefônicos iniciado no News of the World, o tabloide britânico da companhia fechado desde então.

Os parlamentares acusaram Rupert Murdoch, presidente do conselho e executivo-chefe da News Corp., e seu filho, James, de mau gerenciamento da crise que atingiu a empresa, responsável por frustrar suas antigas ambições de assumir o controle da British Sky Broadcasting, emissora britânica altamente lucrativa do grupo. “A News Corp. deu demonstrações de persistente cegueira, pela qual os diretores da empresa – entre os quais Rupert Murdoch e James Murdoch – deveriam, em última análise, estar preparados para se responsabilizar”, escreveram os parlamentares. E acrescentaram à conclusão do comitê: “Rupert Murdoch não é pessoa apta para exercer o comando de uma grande empresa internacional.”

Em comunicado, a News Corp. reconheceu a ocorrência de “grave delito” no News of the World e disse que sua reação foi “lenta e defensiva demais”. Mas observou também que o relatório, aprovado por seis votos a quatro, tinha dividido a comissão “de forma partidária”. Três membros conservadores da comissão se opuseram à constatação de “cegueira persistente”, enquanto um quarto se reuniu a eles na recusa a considerar Rupert Murdoch inapto. John Whittingdale, o presidente conservador da comissão, disse que a não convergência a uma conclusão unânime enfraqueceria o impacto do relatório, que não envolve qualquer sanção legal.

Investigação não foi adequada

“O relatório nos proporciona a oportunidade única de refletir sobre os erros que cometemos e ampliar o trajeto que já concluímos para corrigi-los”, escreveu Rupert Murdoch em carta aos funcionários da News Corp. “Reconheço que para todos nós – especialmente para mim – é difícil ler muitas das constatações do relatório. Mas fizemos a parte mais difícil, que foi examinar honestamente nossos erros passados”, disse.

O órgão regulador das emissoras britânicas, que está investigando se a BSkyB é “apta e adequada” a deter uma concessão de radiodifusão, disse que examinará atentamente o relatório. Qualquer constatação contra a BSkyB, o ativo britânico mais valioso da News Corp., esfacelará os esforços feitos há quatro décadas pelos Murdoch para formar seu império de mídia no Reino Unido.

O comitê parlamentar disse que a News Corp. e a News International, seu braço jornalístico britânico, não conseguiram montar uma investigação adequada dos grampos telefônicos do tabloide Sunday depois que um repórter do periódico foi preso por grampear celulares em 2007 e quando surgiram provas, em 2008, da difusão dessa prática.

***

[Ben Fenton, Salamander Davoudi e Andrew Edgecliffe-Johnson, do Financial Times, de Londres e Nova York]

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem