Quinta-feira, 23 de Maio de 2019
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº1038
Menu

IMPRENSA EM QUESTãO >

A epopeia de Euclides da Cunha

Por Reinaldo Cabral em 16/04/2013 na edição 742

Os sertões – reportagem escrita pelo jornalista, sociólogo e escritor Euclides da Cunha (1866-1919) e publicada em O Estado de S.Paulo, em 1902, foi certamente um marco na história do jornalismo brasileiro e das relações do jornalismo com a literatura. Euclides da Cunha era um simples repórter de geral, especializado em cobertura de eventos políticos, mas com uma percepção social tão extraordinária que logo ele ganhou o título de sociólogo.

Talvez por isso tenha sido designado pela direção do jornal paulista para cobrir a então chamada Guerra dos Canudos – um conflito sócio-político-religioso em que seu líder principal, o religioso Antonio Conselheiro, representava uma ameaça aos donos do poder, à monarquia ou ao que havia sobrado dela depois da Proclamação da República, que mandou o exército brasileiro invadir Canudos para evitar a manobra nacionalista-separatista: Antonio Conselheiro queria separar os brasileiros do litoral dos do sertão.

Ao chegar ao interior da Bahia, onde ficava Canudos, Euclides logo traçou uma visão etnográfica do local e das pessoas, da época, dos hábitos e costumes. Porém procurou aprofundar seu olhar sobre esse tipo de sociedade, ao traçar, nas primeiras matérias, uma visão panorâmica contextualizada com a sociedade brasileira. Construía um painel de sua complexidade a ponto de a reportagem transformar-se, ao final, por si só num romance social.

Questão de cidadania

Com isso, Euclides da Cunha inaugurava um tipo de romance realismo/super-realismo, cujo estilo, mais tarde, nem o naturalismo de Aluisio Azevedo (1857-1913), com seu O Cortiço, viria abalar. Da mesma forma, nem as aventuras de Lampião pelos sertões relatadas por alguns autores, como Nertan Macedo, nem as fantasias religiosas de Padre Cícero a ocupar o imaginário popular, alcançariam os pés de Os sertões.

Ao promover a reforma do seu jornal, os Mesquita deixaram de lado o passado e o presente do caderno de cultura, como se ele não tivesse sido inspirado por grandes nomes, como o do próprio Euclides da Cunha.

A operação denunciada por Alberto Dines neste Observatório (ver “Quem matou o ‘Sabático’?”), montada para ocultar a manobra anticultural estapafúrdia, não merece apenas o repúdio do segmento literário brasileiro, mas de todas as pessoas preocupadas com a cidadania neste país.

***

******

Reinaldo Cabral é jornalista e escritor

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem