Terça-feira, 26 de Setembro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº959

IMPRENSA EM QUESTãO > LETRAS IMPRESSAS

Jornalismo cultural

Por Michel Laub em 20/08/2013 na edição 760
Reproduzido da Folha de S.Paulo, 16/8/2013; intertítulos do OI

Há duas semanas foi anunciado o fechamento da revista Bravo!, onde trabalhei por oito anos. Em abril, foi a vez do caderno “Sabático”, do Estadão, que tratava de literatura. Na última década, outros veículos culturais tiveram o mesmo destino, entre eles a Palavra, a Bizz, a Set e a EntreLivros. Sempre que um evento assim ocorre, lamento pelo desemprego de colegas talentosos. Em seguida, me junto aos debates sobre a crise dos modelos de financiamento da imprensa, em particular a escrita. O tom geral é de lamento pelo fim de bons projetos editoriais, que nunca terão a rentabilidade de similares dedicados a dietas e fofocas.

Não é uma avaliação errada. A imprensa cultural sofre em um contexto que parece conspirar contra o esforço reflexivo. Tornou-se quase proibida a matéria “difícil”, tanto na linguagem quanto no conteúdo, como se ninguém pudesse ser desafiado a conhecer e entender aquilo que ainda não conhece e entende. Ocorre que essa é a visão mainstream. Ou a visão do jornalista. Na do público, nunca houve tanto espaço para falar de livros, peças, discos, exposições, movimentos estéticos. Artistas se comunicam diretamente com fãs, opiniões pulverizadas tomam o lugar da crítica tradicional. Dá para se informar usando fontes no mundo todo, de jornalões em papel a blogs ultraespecializados, em um vasto espectro temático e ideológico.

Como se tornar comercialmente viável nesse cenário? Se eu soubesse, estaria em uma jacuzzi de leite paga com honorários de consultor. Posso opinar é sobre relevância jornalística e cultural. Tenho certeza de quem não vai tê-la: os que seguirem apostando em antigas instâncias de autoridade, que faziam o filtro do saber disponível somente porque detinham os meios tecnológicos para tanto.

Consensos da internet também são nocivos

Idem os que acreditam no mínimo denominador, tentando salvar veículos ao torná-los “acessíveis”. Diante de uma cultura tribalizada, de grupos que se aprofundam em seus interesses específicos, em uma produção incansável e apaixonada de narrativas e opiniões, ser generalista e superficial é um caminho seguro para se tornar anódino.

Ao mesmo tempo, a tribalização tende a reiterar valores em vez de discuti-los. Aderir a eles é legítimo e, em muitos casos, desejável, mas não é jornalismo – atividade ligada à busca (talvez utópica) por equilíbrio, por distanciamento na coleta de dados que vão permitir conclusões para além de interesses e ideias em bloco.

Não há pensamento em cultura – como não há em política – sem confronto. Cada elemento do mundo digital – a interatividade, a fragmentação, o gosto pelo novo e pela síntese – tem mais de uma faceta. A fonte estimulante de conhecimento pode virar um fetiche, quando não um ethos autoritário. Os pequenos consensos da internet são tão nocivos quanto os grandes consensos da velha mídia.

Quando a crise nos empurra para a liberdade

Identificar e dizer isso publicamente é menos simples do que parece. Com o mercado do jeito que está, soa até leviano pregar que o jornalista deva ir contra hábitos e gostos do leitor. Mas não vejo outra saída para quem acredita na profissão. “Ir contra” não significa encarnar o polemista automático. Às vezes, é o contrário: resistir à volúpia de etiquetar e julgar tudo. Escrever um bom ensaio ou reportagem só é possível com embasamento, o que demanda trabalho e repertório construído com paciência, além de abnegação para resistir aos ganhos imediatos da notoriedade.

Não estou certo de que o velho humanismo, do qual a melhor imprensa cultural é herdeira, sobreviverá nas próximas décadas. Torço para que sim, assim como torço para que surjam novas formas de remuneração para profissionais e empresas, tanto nos modelos que conhecemos quanto nos do futuro.

Enquanto isso não ocorre, resta o otimismo da ação. No caso do jornalista, trata-se da recusa à indulgência com os outros e com si próprio. Se vale para épocas de abundância, que recompensam até materialmente o lugar-comum, por que seria diferente quando a crise nos empurra para a liberdade?

******

Michel Laub é colunista da Folha de S.Paulo

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem