Segunda-feira, 19 de Fevereiro de 2018
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº974

IMPRENSA EM QUESTãO > NOVOS TEMPOS

Por um novo jornal

Por Carlos Lúcio Gontijo em 18/02/2014 na edição 786
Reproduzido d’O TREM Itabirano nº 102, fevereiro/2014; intertítulo do OI

O jornalismo encurta cada vez mais o número de empregos nas redações de jornais, experimentando grande crise na vendagem em bancas e no tocante às assinaturas. Há quem pense que o fenômeno tenha origem no advento da internet, mas o problema não se prende apenas a essa constatação.

Ainda enfrentávamos a efervescência de redação de grande jornal quando acompanhamos a implantação de muitas iniciativas, numa tentativa errônea de levar os veículos de comunicação impressa a transformarem o seu conteúdo, mais preenchido por imagens que por textos.

Foi assim que assistimos a textos cada vez mais sintéticos e fotos cada vez mais abertas e em maior quantidade, diminuindo-se drasticamente espaço para editoriais e artigos de opinião, ao passo que o mais simples e corriqueiro assunto tinha, e ainda tem, que contar com um personagem, com a fotografia sendo rígida exigência. Ou seja, a cultura da imagem, tão bem dominada pela TV, foi transportada para os jornais e revistas, onde o que deveria predominar era o noticiário mais bem elaborado, mais elucidativo, mais opinativo, servindo de contraponto tanto à superficial rapidez do jornalismo das emissoras de TV quanto à versão multifacetada da internet, que na maioria das vezes requer confirmação e busca da fonte real e principal.

Semente fértil

Temos então a confirmação de que os jornais não souberam avaliar o novo horizonte desenhado pela internet, que se nos apresenta como uma espécie de colcha de retalho no que diz respeito à informação, carecendo, portanto, de exposição analítica dos fatos e acontecimentos. Entretanto, em vez de procurar esmero editorial, os proprietários de jornais abraçaram uma batalha inglória, na qual o objetivo era garantir o domínio sobre os fatos e a verdade, como se estivessem aprisionados ao passado, quando as redações podiam editar e criar versões, segundo seus inconfessáveis propósitos e interesses. Hoje, se a isso se arriscam, são logo desmentidas, cabal, vergonhosa e publicamente, por sites e blogues.

Não há como o produto impresso competir com a comunicação virtual em número de acessos e leitores, mas há como partir rumo à construção de um jornalismo analítico e opinativo capaz de gerar a força motriz e fundamental em todo o meio de comunicação – a confiabilidade. E não se chegará a esse patamar com jornalismo de caras e bocas, de numerosas fotos-legendas, embebido na cegueira do radicalismo político e, acima de tudo, desprovido do necessário peso da intelectualidade, predicado indispensável à edição de um jornal opinativo, que reconhecidamente é semente fértil de outras várias opiniões, que juntas ou somadas nos conduzirão à construção de uma sociedade sem discórdia e mais solidária.

******

Carlos Lúcio Gontijo é poeta e jornalista

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem