Segunda-feira, 18 de Junho de 2018
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº991
Menu

IMPRENSA EM QUESTãO > ANÚNCIO INFELIZ

Vendendo a verdade com embalagem ‘fake’

Por Alberto Dines em 26/08/2014 na edição 813

No exato momento em que o jornalismo em geral, e o impresso em particular, são desafiados, cobrados, pressionados, desacreditados e colocados sob suspeita, a Associação Nacional de Jornais (ANJ) entra em cena com novo e portentoso disparate que só reforça as cobranças, questionamentos e dúvidas.

Na quinta-feira (21/8), a Folha de S.Paulo, Estado de S.Paulo e Valor chegaram às mãos de seus assinantes em São Paulo com capas falsas – ditas “promocionais” ou mascaradas de “informes publicitários” – para vender a ideia de que se deu no jornal é verdade.

Jogada infantil para agarrar o público jovem, o anúncio tenta reproduzir uma página de tuítes e posts da rede social. O principal deles, postado por Maria Reininger (depois do 7 a 1 é chique ter nome alemão), informa que se algo está na capa do jornal de hoje “eu acredito”.

Na página interna diz-se que “quem abre uma notícia, abre um jornal (deveria ser o contrário – tudo bem, bacana ser obtuso). Seguem-se algumas linhas de sociologia de boteco informando que o que ontem foi viralizado, o que está nas page views, nos hashtags, nos tuites e retuítes só existe quando sair no jornal. Conclusão acaciana: “Jornal é o que leva a verdade até você, é o que garante que tudo aconteceu”.

Zona de turbulência

Primeira pergunta aos senhores acionistas de empresas jornalísticas: se o jovem é avesso a jornal como se apregoa, qual a utilidade de dirigir uma mensagem escrita a quem não lê ?

Segunda pergunta: se as capas daquela edição foram falsificadas, como associar o meio jornal ao conceito de verdade?

Terceira pergunta: no início da temporada eleitoral, quando os jornalões deveriam tentar a individuação para desfazer a imagem de pool ou confraria, a inconveniência da mensagem coletiva, em uníssono, não ocorreu a alguém? Uma autopromoção com forte teor corporativo e veiculada simultaneamente pelas maiores empresas jornalísticas do país (Valor é uma parceria da Folha com o Globo) não confirma – ao invés de desfazer – a falta de pluralismo e diversidade em nossos meios de comunicação?

Apertem o cinto, senhores: vamos entrar em área de turbulência e os pilotos estão tontos.

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem