Quarta-feira, 21 de Fevereiro de 2018
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº975

IMPRENSA EM QUESTãO > JORNALISMO DE NEGÓCIOS

‘Uma grande escola para a vida’

Por James Breiner em 14/10/2014 na edição 820
Reproduzido do IJNet – Rede de Jornalistas Internacionais, 1/10/2014; título original “O jornalismo de negócios continua a ser uma ‘grande escola para a vida’” [este post apareceu originalmente no blog News Entrepreneurs e foi reproduzido na IJNet com permissão]

Francisco Vidal Bonifaz trabalhou como jornalista de negócios no México por três décadas e vê muitas possibilidades de crescimento deste nicho.

Não há muitos jornalistas com formação nesta área, no México ou em outros países. E há poucos meios de comunicação que estão focados em economia, finanças e negócios.

Vidal Bonifaz acredita que há espaço para novas empresas de mídia na Web, especialmente nas duas extremidades do espectro: notícias urgentes sobre os altos e baixos dos mercados, e matérias em profundidade que explicam o significado desses movimentos. “Há uma história por trás de cada número”, ele gosta de dizer. 

Se ele fosse criar uma nova publicação digital , “eu iria eliminar todo o material no meio. Nenhum artigo de 300 palavras. Gostaria de focar nos dois extremos”, ele me diz em uma entrevista na Cidade do México.

Ele poderia ter mencionado que as publicações de negócios estão entre as mais bem sucedidas em conseguir que os leitores online paguem por conteúdo, porque produzem informações exclusivas que não estão disponíveis em nenhum outro lugar e seu público tem meios para pagar. O Financial Times, o Wall Street Journal, The Economist e BizJournals são exemplos notáveis??. Todos usam alguma versão de um modelo freemium, que dá acesso gratuito a alguns conteúdos, mas requerem uma subscrição para total acesso. 

Autor, professor e blogueiro

Vidal Bonifaz, 55 anos, é professor da Universidade Panamericana e consultor de comunicações. Ele é autor do livro ”Os Donos do Quarto Estado” (Los dueños del cuarto poder) sobre o negócio da mídia no México. Ele ainda escreve no blog “A roda da fortuna” (“La rueda de la fortuna”) que dá atualizações sobre resultados financeiros de empresas de mídia. 

Ele trabalhou em várias empresas ao longo dos anos, incluindo El Financiero, Reforma, Milenio, Excelsior e Infosel Financiero, que compete com a agência Reuters.

Estou usando o blog dele como recurso bibliográfico em um seminário sobre indústrias criativas que ensino no Instituto Tecnológico de Monterrey, no subúrbio da Cidade do México. Meus estudantes aproveitaram seus gráficos e estatísticas em suas apresentações. 

Vidal Bonifaz e eu nos encontramos anos atrás quando ele me ajudou com um curso que dei no Centro de Formación en Periodismo Digital na Universidade de Guadalajara. Ele mostrou a jornalistas profissionais como lidar com dados em Excel. Nem todos os jornalistas estão dispostos a adotar essas práticas. 

Não tenha medo de números

Jornalistas e estudantes que têm medo de números e a linguagem dos negócios devem tentar superar seus medos, diz ele. Não é difícil gerir a parte técnica hoje porque há muitos recursos disponíveis para educar-se: dicionários online de finanças e negócios, sites, blogs, sem mencionar cursos universitários. Era mais difícil aprender o ofício; muitos jornalistas de negócios tiveram que aprender trabalhando. 

“Se você não trabalhar com números, está perdendo metade do mundo”, diz ele. “Neste mundo nós usamos dois tipos de linguagem: A linguagem das palavras e a linguagem dos números. O jornalismo de negócios é um dos poucos tipos de jornalismo que tenta combinar os dois tipos de linguagem criada por seres humanos.” 

Vidal Bonifaz tem um diploma de bacharel em economia pela Universidade Nacional Autônoma do México e mestrado em jornalismo de negócios pela prestigiosa escola de jornalismo Carlos Septién.

Graduados em ciências humanas e artes liberais podem ser bem sucedidos no jornalismo de negócios, diz ele, se trabalharem muito – muita leitura e estudo. Ele está certo sobre o trabalho envolvido. Eu vim para o jornalismo de negócios indiretamente, de reportagens gerais depois de obter um mestrado em literatura Inglês. 

Uma indústria opaca

A mídia no México foi por muitos anos menos do que transparente sobre suas finanças, diz Vidal Bonifaz. Essa foi uma das razões pela qual ele escreveu seu livro, que foi publicado em 2008. A apuração da informação levou 10 anos. Ele usou relatórios do governo poucos conhecidos para reunir um banco de dados, e em seguida, uma série de empresas veio a público e foi obrigada a comunicar as suas finanças. 

Muitos jornalistas, ironicamente, são completamente ignorantes sobre o lado comercial das empresas em que trabalham, o que foi uma das razões que ele começou seu blog – para informá-los. 

Hoje em dia, a mídia impressa no México, especialmente jornais diários, estão em declínio. Em 2008, a circulação total de todos os jornais no México foi de 2 milhões em um país de mais de 100 milhões de pessoas – ou seja, menos de 2 por cento da população. 

Desde que Vidal Bonifaz fez o seu estudo original, a circulação diária no México continua uma rápida trajetória descendente. Uma das razões para o declínio, diz ele, é que os jornais mexicanos nunca tentaram estabelecer fortes ligações com os leitores, algo que os jornais americanos tentou. A título de comparação, os jornais USA Today, Wall Street Journal e New York Times todos têm mais de 2 milhões de circulação. 

(A minha opinião é que os jornais foram escritos pela e sobre a classe política do México, que não se esforçam para fazer ligações fortes com o público.)

Na opinião de Vidal Bonifaz, as mídias digitais que mais se destacam são La Silla RotaAnimal Político, El Universal e CNNExpansión. O último, ele diz, está fazendo o melhor trabalho em cobertura financeira no México.

Recomendações para profissionais e estudantes 

“Jornalismo de negócios é uma carreira maravilhosa”, diz ele. “Me permitiu viver por muitos anos de uma forma muito confortável e respeitável. É um tipo de jornalismo que, em geral, paga salários que são mais razoáveis ??do que outros [nos] meios de comunicação.” 

Para chegar a esta carreira, acima de tudo, você tem que estudar muito e ter uma paixão por notícias sobre economia, finanças e negócios, diz ele. Você nunca pode parar de estudar e aprender, porque “a economia é um tópico vivo em mutação.” 

O jornalismo empresarial oferece muitas possibilidades de cobertura especializada, como em esportes e entretenimento, diz ele. “O único jornalismo que é realmente jornalismo investigativo é de economia e finanças.” 

O jornalismo de negócios pode ajudá-lo de forma surpreendente, ele afirma. “É uma grande escola para a vida. Pode ajudá-lo a proteger melhor a sua renda. Pode ajudá-lo a proteger melhor suas economias. Pode ajudar a proteger contra desastres econômicos.”

******

James Breiner é um consultor em jornaismo online e liderança. Ele foi codiretor do Global Business Journalism Program na Universidade Tsinghua Knight International Journalism Fellow, tendo lançado e dirigido o Centro para o Jornalismo Digital na Universidade de Guadalajara. Ele fala inglês e espanhol. Siga-o no Twitter aqui.

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem