Terça-feira, 21 de Novembro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº966

IMPRENSA EM QUESTãO > CRISE HÍDRICA

As águas não rolaram

Por Carlos Eduardo Lins da Silva em 10/03/2015 na edição 841

Reproduzido da Revista de Jornalismo ESPM nº 12 (janeiro, fevereiro e março de 2015). Para assinar a revista, clique aqui.

A imprensa brasileira até que começou a fazer um bom trabalho depois que a “crise hídrica” se tornou realidade reconhecida no início deste ano.

Mas, antes disso, como tem sido tradicional com problemas sociais previsíveis ou até de sazonalidade garantida (como as inundações a cada verão), ela falhou na prática do jornalismo “preventivo”.

Um dos grandes enigmas da atividade do jornalismo (em especial o impresso) na era digital é definir a sua missão. Por séculos, foi informar o que aconteceu.

Mas, com a ascensão dos meios eletrônicos e da internet, esse trabalho pelos meios tradicionais se tornou supérfluo. Dar manchete para notícia que todo mundo já conhece há horas deixou de fazer sentido.

Mas só quem tem recursos humanos e dispõe de processos para fazer jornalismo de qualidade é capaz de antever os problemas que depois os outros meios vão noticiar. Investir em prever é o que o “velho” jornalismo pode fazer de relevante para preservar-se.

Infelizmente, não foi isso que se viu na falta de água, apesar de todos os indícios da crise que se acumulavam e da existência de trabalhos de cientistas com avisos do que iria ocorrer.

>> Clique aqui para assinar a Revista de Jornalismo ESPM, a edição brasileira da Columbia Journalism Review

******

Carlos Eduardo Lins da Silva, livre-­docente e doutor em comunicação pela USP, mestre em comunicação pela Michigan State University e editor da revista Política Externa

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem