Quinta-feira, 14 de Dezembro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº970

IMPRENSA EM QUESTãO > PESQUISA CNT/SENSUS

A popularidade do presidente

Por Luciano Martins Costa em 19/02/2008 na edição 473

Apesar de ser um tema batido e debatido, não deixa de instigar os analistas da política e da imprensa a permanência da popularidade e da aprovação do presidente Lula em níveis tão elevados.


Os jornais também já não surpreendem e, a cada nova avaliação, voltam a repetir que os brasileiros, em grande número, aprovam Lula e seu governo por causa da percepção de bem-estar econômico. E acrescentam sempre o comentário de especialistas, a afirmar que o bom momento econômico do Brasil se deve ao cenário favorável da economia mundial.


Só que desta vez existe um elemento novo que obriga a análises mais cuidadosas: o cenário internacional apresenta graves turbulências há quase um trimestre, e a nau brasileira segue flutuando sobre o Atlântico.


O quadro das pesquisas CNT/Sensus publicado na terça-feira (19/2), que leva em conta o período desde dezembro de 2003 até fevereiro deste ano, mostra que a avaliação positiva do governo Lula sofreu duas quedas importantes, em 2004 e em 2006.


Nessas ocasiões, o presidente e seu governo se encontravam sob intenso bombardeio da mídia, por conta de escândalos envolvendo a cúpula do Partido dos Trabalhadores e a base aliada. Mas as respostas do presidente a essas crises sempre resultaram em grandes impulsos à sua popularidade, o que pode ser visto pelo ângulo de subida de sua avaliação positiva em todo o período.


Arte do convencimento


O quadro que os jornais apresentam na terça-feira deixa algumas questões a serem digeridas pelo leitor. Pelo menos por aquele leitor que não se deixa contaminar pelo partidarismo e pratica o interessante exercício da análise da imprensa.


E uma das questões que podem intrigar o leitor é a seguinte: se a mídia, de modo geral, mantém um viés de crítica permanente ao presidente – o que é seu papel –, seja por suas barganhas no Congresso, seja por suas frases de gosto duvidoso, por que a influência da imprensa não se faz sentir na avaliação do governo?


Lula é realmente muito talentoso na arte do convencimento, ou é a imprensa que não está fazendo os questionamentos fundamentais?

Todos os comentários

  1. Comentou em 11/08/2010 Mario Nascimento

    Meus comentários não conseguem sair pra publicação. Por quê?
    Insisto em ‘enviar’ e abre uma tela de ‘google,quase em branco com termos em Inglês.
    Aguardo sua orientação….
    Estou com o post pronto mais ele não consegue chegar ao seu destino.

  2. Comentou em 02/03/2008 Thiago Conceição

    Ricardo Pierri, como é possível haja oferta sem que alguém as disponibilize e como pagariam sem dinheiro? O Estado poderia prover ambos? Em todos os lugares em que isso aconteceu foi um completo desastre. Procure se informar melhor a respeito dessas teorias econômicas comprovadamente falsas. Não foi apenas para mim que foram ‘comprovadas como falsas’, mas para todo o mundo civilizado, mas você não fez a lição de casa ou, o mais provável, a sua universidade omitiu certos autores e obras. Os empresários geram empregos diretos e indiretos, o que por sua vez permite aos empregados consumir. A competição ocasiona produtos e serviços melhores e preços mais baixos, pois para atrair o consumidor é necessário ser mais atraente. Por causa disso busca-se sempre redução de custos e eficiência, que é o que permite que mais seja feito com menos (i.e., não passaremos fome). E o melhor de tudo, qualquer um pode ser um empresário! Isso não é limitado apenas aos ‘eleitos do governo’, mas sim é mais uma oportunidade para qualquer um melhorar as suas condições. E assim por diante. A qualidade de vida só tem melhorado graças a isso! O aumento da expectativa de vida e os avanços tecnológicos das últimas décadas comprovam isso! A sua visão é muito doentia, mas é bom que os leitores do OI, aqueles que ainda não foram contaminados por ideologias, saibam com que tipo de gente lidam aqui.

  3. Comentou em 28/02/2008 Thiago Conceição

    A propósito, Ricardo Pierri, direitos humanos não são ideologia, pois não existem para servir ao interesse de um grupo específico, mas sim são direitos próprios da condição humana concedida pela natureza, ou por Deus se preferir. Se o ser humano é dotado de razão e consciência logo ele tem o direito a liberdade e direitos iguais a todos os outros humanos. E você acha que esses direitos são uma ficção? Stálin, Mao, Pol Pot, Fidel… eles todos certamente concordariam contigo.

  4. Comentou em 25/02/2008 Ricardo Pierri

    Thiago, correndo o risco de perder meu tempo, vou tentar explicar-lhe pq suas afirmações são absurdas. 1) não há nenhum conteúdo ideológico na discussão a q vc se refere. Vc foi o primeiro a trazer isso a ela. Logo, ‘patrulha ideológica’ é uma denominação q cabe a vc. 2) Notícia ruim, ainda q verdadeira, pode ser perseguição, sim, na medida em q é noticiada em detrimento de um, enquanto fatos similares ou piores deixam de ser noticiados em benefício de muitos. 3) Muitas ‘notícias’ foram inventadas. Exemplos: ‘grooving’ da pista causou o acidente, ‘apagão’ q não ocorreu, ‘epidemia’ q não houve, etc. 4) Sua afirmação ‘o argumento da patrulha de que a imprensa persegue o Lula apenas por noticiar coisas ruins’ é mentirosa, pois esse não é o agumento. Se o sr. não entendeu o argumento, pergunte, em vez de colocar palavras na boca dos outros. 5) Outra afirmação falsa: ‘A imprensa é tão caramada com o PT e com o Lula que apenas os questionam em questões econômicas ou em casos de corrupção, mais nada’, facilmente demonstrada como tal no caso do acidente da TAM, e isso sem falar nos ataques à política externa, ao Bolsa família, etc.

  5. Comentou em 25/02/2008 Ivan Moraes

    ‘notícia negativa não significa perseguição’: Sid introduziu o assunto abaixo: releia o. Ele estava falando de COBERTURA NEGATIVA, nao de noticia negativa. A pesquiza era a respeito de COBERTURA, nao de noticia.

  6. Comentou em 24/02/2008 Ricardo Pierri

    Meu caro Moacyr, o mínimo q se espera do sr. é q não negue o q escreveu alguns comentários abaixo, acusando aos outros de colocar em sua boca as palavras q efetivamente o sr. proferiu. Refiro-me ao fato do sr. ser contra o bolsa família, o q se depreende da sentença: ‘…escravizam pessoas pobres e humildes através de um assistencialimo farisaico…’ (sic), presente em um de seus comentários abaixo. Ou será q o sr. acha o BF um ‘assistencialismo farisaico’, mas concorda com o programa, apesar de acusar o gov de promover ‘populismo barato’ no mesmo fôlego em q disse a citação acima? Outrossim, perseguição é a aplicação de regra especial para o perseguido, regra essa q não é aplicada a mais ninguém, exista a regra ou não. A aplicação de uma lei a apenas alguns é perseguição, assim cobertura a dos atos de poucos, a indignação seletiva contra uns e não contra outros. Em suma, é o tratamento desigual para iguais, arbitrariamente, com motivações políticas. E já q o sr. não consegu enxergar a diferença de tratamento mencionada em relação ao caso dos cartões, talvez a enxergue na questão das CPIs: enquanto elas são exigidas contra o gov federal, o fato de 70 CPIs terem sido enterradas pelo gov estadual passa ao largo (incluindo uma CPI sobre o uso dos cartões, tão exigida no plano federal, mas ‘esquecida’ no estadual). Só não vê a perseguição se não quiser, meu caro.

  7. Comentou em 24/02/2008 Moacyr Catani Jr.

    Novamente para permitir que os srs. se defendam – embora não tenham nem sequer respondido minha questão anterior – destes 77 nomes, por favor, mostrem ‘as provas’ terminantes que os srs. julgam existir para demonstrar essa ‘perseguição da imprensa’. Os srs. alegam que toda a imprensa persegue Lula. Vamos então analisar estes 77 nomes e se encontrarmos reportagens que não sejam baseadas em fatos e que não atendam ao interesse do público, classificamos como perseguidora; se destes 77, vá lá, 40 forem perseguidores, então concordarei com os srs. Mas não adianta citar que o jornal A ou B noticiou algo desfavorável a Lula: os jornais estão lá pra noticiar mesmo. Tem que ser reportagens inventadas, com fatos mascarados ou maquiados com a intenção de prejudicar a imagem do presidente ou com termos ofensivos. Crônicas não são matérias jornalísticas. Não adianta apontarem subjetivamente; não pode ser baseado no que os srs. acham. Por exemplo: se os srs. acham que as notícias sobre o mensalão são perseguições, ficará difícil continuar dando credibilidade aos srs.; se acharem que notícias sobre cartões corporativos são perseguições, também. Uma ‘perseguição’ é quando acusam ‘pondo palavras na boca do perseguido’ – como os srs. fizeram comigo aqui várias vezes -, quando se lhe atribuem opiniões que ele não emitiu, quando ofendem sua honra sem um fato que permita justificar a denúncia, etc

  8. Comentou em 23/02/2008 Ricardo Pierri

    Ah, segundo nosso amigo Moacyr enquanto os gastos do gov estadual são justificados ‘verdadeiramente’, os do gov. federal deveriam ser empregados de outra forma. Mas não com programas como o bolsa-família, claro. Tbm não deveríamos reclamar da perseguição – q não existe apesar de todas as evidências, segundo nosso amigo. Devemos nos contentar q não ela está dando resultados. Brilhante, meu caro! Mas se sua preocupação é a humilhação do povo que passa sede no nordeste – preocupação essa q toos nós, com exceção dos tucanos e demos, compartilhamos – como reclamar do bolsa família? Como olhar para a altíssima popularidade de Lula no nordeste e dizer q ele não está fazendo nada por aquele povo? Como dizer q a questão é o melhor uso do dinheiro qdo o sr.mesmo justifica o péssimo uso feito pelo gov. estadual de SP? Está óbvio q sua intenção não é discutir os gastos públicos, mas os gastos públicos DO GOV FEDERAL. E não para buscar uma melhoria, mas apenas para criticar aqueles a quem chama de ‘moleques’.

  9. Comentou em 22/02/2008 Thiago Conceição

    Os fatos não mentem. Se o governo estivesse limpo por que não explicar tudo e deixar claro que não há irregularidade alguma? Eles NÃO PODEM fazer isso, porque sabem que cometeram crimes. Então a patrulha ideológica está bem atarefada indo a blogs e sites para defender o governo e ao mesmo tempo atacar a imprensa. Esta é operação padrão do governo: não se resolve o problema, não se esclarece nada, ataca-se a imprensa e faz-se uma CPI fajuta para ‘provar’ a boa vontade do governo em apurar algo (uma CPI que vai dar em pizza). Moacyr, o OI é um esgoto onde os ratos ideológicos vem fazer a sua sujeira. Aqui justifica-se tudo, até crimes como foi o caso da farra dos cartões, como um ‘complô da imprensa’. Esse chamado ‘Observatório’ pode observar várias coisas, como por exemplo os interesses de petistas, menos a imprensa. Não me refiro apenas aos comentários esdrúxulos, mas também a artigos absurdos (como no caso do rei da Espanha e do Hugo Chavez, onde fizeram a façanha de argumentar que o rei da Espanha estava errado em não aceitar ser ofendido e ficar quieto). Bem-vindo ao lugar onde a lógica, as leis e a ética não existem, bem-vindo à esquerda! (musiquinha do Twilightzone ao fundo…)

  10. Comentou em 21/02/2008 Moacyr Catani Jr.

    Sr. Ivan. O sr. busca um ‘único colunista que seja remotamente a favor do governo de Lula’ ou um único que seja subserviente ao governo Lula? Se busca os subservientes, são poucos; o mais proeminente deles é Paulo Henrique Amorim. Já se busca os ‘a favor’, os simpáticos ao governo, estes há aos montes. O que acontece é que o sr. confunde ser a favor com ser leniente, ou, o que é pior, ser venal. A imprensa em peso é, digamos, muito simpática com Lula. Mas, por mais simpática que seja, não pode simplesmente ocultar ou mascarar informações em favor do governo. Isso apenas alguns – muito descaradamente – fazem. Veja o caso da ministra Matilde: Lula diz que ela saiu do governo porque foi ‘perseguida’. Perseguida por quem? Quem lá tem interesse em perseguir a ministra da igualdade racial. Seria mais coerente que se perseguisse o ministro da Fazenda, ou o da Justiça; de alguma pasta mais expressiva, ao menos. A ministra saiu porque cometeu crime e isto está claro. Como eu disse, a imprensa é muito ‘bacana’ com Lula, porque noticia esta sua opinião como se ela não representasse nada de mais, como se fosse até muito natural que o presidente da república ‘defendesse’ alguém que cometeu um crime porque, afinal, ela era sua ‘companheira’. Já no seu (teu) ponto de vista, tenho certeza que acha que o simples fato de a imprensa noticiar isto é um ‘complô’ contra Lula e contra Matilde.

  11. Comentou em 19/02/2008 osvaldo camargo

    Qual a porcentagem dos brasileiros que lêem jornal? E revistas semanais?
    Tá explicado…

  12. Comentou em 19/02/2008 Fabiano Mendes

    Assisti hoje pela NBR, a emissora que mostra na íntegra os pronunciamentos do Presidente em solenidades, o seu discurso em Vitória no Espírito Santo. A certa altura ao falar sobre a oposição brincou dizendo que já foi oposição e sabe que ser oposição no Brasil é uma desgraceira . Pois bem, é essa frase que o PIG está dando destaque. O que o Presidente falou sobre o Proune e o Reuni que darão condições a oitocentos mil bolsistas de frequentar uma faculdade, seobre as duzentas e quatorze escolas técnicas que serão implantadas, sobre as extensões universitárias que evitarão que as pessoas desloquem de suas cidades, sobre o pedido aos prefeitos que peçam as empreiteiras que irão fazer as obras do PAC para contratar mão de obra local para melhorar a vida das populações dessas cidades, sobre as obras do PAC em São Paulo e Minas governados por tucanos, e que ele não está preocupado com isso e sim com a população desses Estados, tudo é propositalmente esquecido. Depois admiram porque a popularidade do Presidente cresce. Ele sabiamente está dirigindo ao povo, evitando as manipulações inescrupulosas das redações. Aconselho a quem tem parabólicas , assitir a programação da mesma. Descobrirão como as redações e os telejornais tentam enganar a população brasileira.

  13. Comentou em 19/02/2008 Antonio Lyra Filho

    Acabo de ler catorze pessoas fazendo comentários sobre o assunto escrito. Doze pessoas disesram que a mídia esá perdendo credibilidade em vista da forma como estão agindo. Isto mostra que os leitores não são burros e sabem o que lêm.

  14. Comentou em 19/02/2008 Marcos Nascimento

    Talvez a mídia em geral também não tenha avaliado adequadamente os impactos positivos de alguns programas do governo. O Bolsa Família é um programa de transferência de renda destinado às famílias em situação de pobreza, com renda mensal até de R$ 100 per capita, que condiciona a transferência do benefício financeiro a contrapartidas sociais que devem ser cumpridas pelas famílias. As contrapartidas são: acompanhamento da saúde e do estado nutricional; as crianças em idade escolar devem estar matriculadas e freqüentar o ensino fundamental; e participação em ações de educação alimentar.

  15. Comentou em 19/02/2008 Max Suel

    O principal fator da popularidade do pres Lula (na minha opinião) é o bom momento econômico que estamos ainda passando. O reflexo da crise internacional que se avizinha ainda não chegou aqui. É inegável que não é este o único fator, credite-se a ele sua performance e sua comunicação com o povo. A imprensa por seu turno, majoritariamente dominada pelo petismo e filo-petismo (irmão gêmeo do ‘isentismo’) ajuda e muito a manter a popularidade em alta do pres Lula. Contudo, deve-se sempre observar que popularidade, assim como urna, não absolve ninguém.

  16. Comentou em 13/02/2007 Filipe Cavalieri Doro

    Vocês estão superstimando o youtube.
    Quem tem tempo e conexão para assistir os vídeso?
    Quantos brasileiros tem conexão banda larga para poder assistir os vídeos?
    axé e felicidades
    filipe

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem