Quinta-feira, 14 de Dezembro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº970

IMPRENSA EM QUESTãO > INFLAÇÃO DE ALIMENTOS

A lavoura que a imprensa não vê

Por Luciano Martins Costa em 10/06/2008 na edição 489

Alguns leitores observam que o noticiário sobre a inflação de alimentos, que assombra o mundo com uma sucessão de conflitos nas bordas dos países desenvolvidos, vem sendo publicado sem relação com a escalada de preços de gêneros de primeira necessidade no Brasil. Um consultor de agronegócios que freqüenta este Observatório constata que a economia agrícola aparece na imprensa desconectada da matriz do noticiário econômico, que trata essencialmente do setor financeiro, das regulamentações e do setor industrial.

O noticiário dos jornais se volta prioritariamente para a visão urbana dos fatos econômicos, mas não deve ser apenas a falta de especialistas nas redações a causa desse descompasso. Dos grandes jornais brasileiros, apenas o Estado de S.Paulo tem uma tradição nesse setor, mas o leitor também não encontra respostas para a ameaça de crise no setor alimentício no ‘Suplemento Agrícola’ do Estadão, que se dirige ao pequeno e médio produtores.

O leitor que se enquadra na categoria consumidor percebe certa esquizofrenia quando o corpo principal do jornal alerta para alta de preços, enquanto o suplemento ‘comemora’ o aumento de preços quando melhora os resultados dos negócios rurais.

As escolhas do leitor

Parte do problema tem sua origem na radicalização da estratégia de ‘cadernalizar’ os jornais, o que progressivamente foi isolando os editores de uma linha editorial central. Ao longo dos anos, os jornalistas foram se fechando em seus guetos e desenvolvendo linguagens específicas, pela própria necessidade de manter uma conexão viva com seus leitores.

Por essa razão se pode observar, por exemplo, no Globo, certo descolamento entre o caderno principal e o caderno de entretenimento e cultura. No primeiro caderno, a linguagem é sóbria, o discurso chega a rescender a certo moralismo, enquanto na cobertura do mundo dos espetáculos e das celebridades o jornal se aproxima da linguagem da televisão.

Essa característica deve estar alinhada com as estratégias de cada jornal, mas não deixa de ser notado que, do ponto de vista do leitor, o jornal é uma entidade unitária e a variação de linguagens, abordagens e valores cria zonas de exclusão, que deixam de atrair a leitura. Há muito tempo não são publicados estudos sobre as escolhas do leitor no âmbito de cada jornal, como as pesquisas que eram conduzidas, por exemplo, pela publicitária Célia Belém no Estadão até uns quinze anos atrás.

Fragmentação no noticiário econômico

Fica difícil, portanto, fazer afirmações sobre o efeito dessa estratégia na relação do jornal com seus leitores. Mas a questão da fragmentação que se observa no noticiário econômico – e, muito freqüentemente, entre o caderno de Economia e a editoria de Política – acaba resultando em um serviço de menor qualidade quando se trata da missão de informar e de ajudar o cidadão a fundamentar suas opiniões. É o que notam alguns leitores, especificamente quando se referem ao noticiário atual sobre o problema da inflação de alimentos.

O tema é complexo, envolvendo desde a questão da produção de biocombustíveis até o problema da devastação de florestas, passando pela persistência dos casos de trabalho escravo e pelo desafio da gestão territorial e da política fundiária. Como pano de fundo, temos no cenário internacional dados complexos e complementares, como a fragilidade dos Estados africanos e as políticas protecionistas da Europa e dos Estados Unidos; e, na cena brasileira, o modelo predador da nossa agricultura, a corrupção e a falta de vontade política do governo no estabelecimento de alternativas para o agronegócio.

As muitas alternativas à política agrícola oficial, que são debatidas em fóruns especializados, só atraem os jornalistas que se interessam pelo tema do desenvolvimento sustentável. E, entre estes, são raros os que trabalham na grande imprensa. Encontrar um editor de um dos grandes jornais nesses eventos é uma raridade. E talvez seja essa a causa principal da fragmentação observada por leitores no noticiário econômico quando se trata da economia rural: os jornais não se interessam em conhecer o que não está na matriz que define as pautas desde os tempos de Hipólito da Costa.

******

Jornalista

Todos os comentários

  1. Comentou em 11/06/2008 Jose de Almeida Bispo

    Gostei da empolgação do José Pessoa Martinz , São Luis: ‘brava iniciativa privada’. Pois bem, caro José… hômi é, tá certo! O aconselho a ler um pouco mais sobre a evolução da agricultura no Brasil e suas crises. Talvez você refaça essa sua visão de ‘Estado deficiente’, como pregam os defensores do Estado privado, só pra eles, e a ‘brava iniciativa privada’, dependurada em investimento do Governo (lembra da Embrapa?), em financiamentos públicos do Banco do Brasil (eu sou do banco, do banco, do banco… Luiz Gonzaga), do Banco do Nordeste. Você sabe porque São Paulo hoje produz quase cinco vezes mais açúcar que o Nordeste inteiro, meu caro? Dá uma rastreada nas atividades do IAA, especialmente nas décadas de 50 e 60. Dá uma pesquisada em como se estimula uma atividade econômica num lugar e põe uma pá de cal no outro!
    Quanto aos questionamentos do articulista sobre a não cobertura ideal dos temas agrícolas é preciso lembrar que quem paga o jatinho pra transportar o jornalista é o agro-negociante e não o pé rapado produtor de algumas toneladas de uva na serra gaúcha ou o produtor de tomates no Registo do Joazeiro, na beira do São Francisco (Juazeiro atual). Pra que falar em produtos de primeira necessidade?

  2. Comentou em 11/06/2008 Jose de Almeida Bispo

    Gostei da empolgação do José Pessoa Martinz , São Luis: ‘brava iniciativa privada’. Pois bem, caro José… hômi é, tá certo! O aconselho a ler um pouco mais sobre a evolução da agricultura no Brasil e suas crises. Talvez você refaça essa sua visão de ‘Estado deficiente’, como pregam os defensores do Estado privado, só pra eles, e a ‘brava iniciativa privada’, dependurada em investimento do Governo (lembra da Embrapa?), em financiamentos públicos do Banco do Brasil (eu sou do banco, do banco, do banco… Luiz Gonzaga), do Banco do Nordeste. Você sabe porque São Paulo hoje produz quase cinco vezes mais açúcar que o Nordeste inteiro, meu caro? Dá uma rastreada nas atividades do IAA, especialmente nas décadas de 50 e 60. Dá uma pesquisada em como se estimula uma atividade econômica num lugar e põe uma pá de cal no outro!
    Quanto aos questionamentos do articulista sobre a não cobertura ideal dos temas agrícolas é preciso lembrar que quem paga o jatinho pra transportar o jornalista é o agro-negociante e não o pé rapado produtor de algumas toneladas de uva na serra gaúcha ou o produtor de tomates no Registo do Joazeiro, na beira do São Francisco (Juazeiro atual). Pra que falar em produtos de primeira necessidade?

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem