Quinta-feira, 23 de Novembro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº967

IMPRENSA EM QUESTãO > PAUTAS OMITIDAS

Alguma coisa acontece fora do eixo

Por Paulo José Cunha em 09/03/2010 na edição 580

Fora do eixo Rio-São Paulo existe vida inteligente e às vezes muito mais inteligente do que a vida inteligente manjada do eixo Rio-São Paulo. O valor-notícia (queridos alunos de Jornalismo, esqueçam o Google por um minutinho, levantem o bumbum gordo de suas cadeiras macias e vão à estante procurar saber do que estou falando, tem tudo num livro do professor Nilson Lage, que aliás já deveriam ter lido). Agora que retornaram, volto ao nosso papo.

Falava do valor-notícia. Ele se mede pelo ineditismo do assunto, pela sua importância, pelo seu grau de curiosidade ou de interesse, pelo seu potencial de repercussão, por uma dessas coisas ou por um conjunto delas. Assim sendo, tudo o que no eixo Rio-São Paulo, onde se repete à exaustão a mesmitude (eu sei, existe a palavra mesmice, mas o texto é meu e quero escrever mesmo é mesmitude, para sair da mesmice), pois eu dizia, a mesmitude cultural, política e econômica do Brasil, não deveria ser notícia. Mas é. Na marra. Por miopia e elitismo dos pauteiros, por falta de ousadia dos editores, pelo pão-durismo dos patrões, por falta de pique dos repórteres, por falta de coragem dos correspondentes, por comodismo das sucursais, ou por tudo isso junto.

Há um Brasil abarrotado de notícias além do eixo e pouca gente vê. Ou até vê, mas faz que não vê. Ou vê, mas não tem vontade de mostrar. Ou até vê, mas não consegue ir até lá e noticiar. Ou até vê, mas tem vergonha de propor como pauta. Ou vê e não noticia por indolência, sob a alegação simplista de que ‘ninguém vai se interessar mesmo, só interessa quando tem tragédia, seca, carnaval ou temporada de praia’.

Eles estão porforíssimos

Ainda agora ocorreu em Teresina, no Piauí, o 6º Festival Internacional de Violão, realizado em três teatros lotados diariamente. Um evento que atrai gente de toda parte, como o médico Ricardo Sahão, de Londrina, que viajou oito horas de avião para assistir ao que considera ‘um dos melhores festivais de violão do mundo’. Isso mesmo: do mundo. Não fosse matéria do próprio Sahão, reproduzida no blog de Luiz Nassif e no Jenipaponews, do Netto de Campo Maior, o festival passaria batido.

O preconceito é tão forte que, fora a TV Cidade Verde, de Teresina, as demais emissoras locais mal se mexeram em relação ao evento. Propor matéria pra suas sedes do sul-maravilha, ah, nem pensar. E olha que havia pelo menos quatro grandes atrações internacionais, como o genial australiano Tommy Emmanuel (‘Thank you for making my first time in Brazil so special!’ Obrigado por fazerem minha primeira ida ao Brasil tão especial’, mandou dizer, em agradecimento); a chinesa Xuefei Iang, que reside em Londres; o escocês Paul Galbraith e o brasileiro (mas que se pode considerar estrangeiro porque já mora e se apresenta há 40 anos nos Estados Unidos) Carlos Barbosa Lima. E nacionais maravilhosos, como Nonato Luiz (CE), Nicolas Barros (RJ), Roberto Corrêa (MG), Franciel Monteiros (SP) e Henrique Annes(PE). Fora os talentosíssimos locais, entre eles Erisvaldo Borges.

Em junho ocorre, também em Teresina, a 8ª edição de um dos mais concorridos e animados salões do livro do Brasil – o Salipi. Este ano devem participar Cristóvão Tezza, Milton Hatoum, Pedro Bandeira, Dráuzio Varela, Mia Couto (Moçambique) e Ond Jaki (Angola). Acho bom a imprensa sul-maravilha distribuir entre os pauteiros aquele líquido que limpa lente de óculos. Porque alguma coisa acontece além das janelas, fora do eixo, no coração do Brasil. E eles estão porforíssimos.

******

Jornalista, professor e poeta

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem