Terça-feira, 19 de Março de 2019
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº1029
Menu

IMPRENSA EM QUESTãO >

As idéias-organizadoras do jornalismo político

Por Venício A. de Lima em 01/05/2007 na edição 431

A origem e a disseminação de determinadas catchwords – ou palavras-chave, ou idéias-organizadoras – é um dos objetos de pesquisa mais fascinantes para os interessados nos meandros da comunicação jornalística. São palavras/expressões que pretendem traduzir sinteticamente, de maneira simplificada, questões complexas, ambíguas e de interpretação múltipla e polêmica. Elas buscam reduzir um variado leque de significados a apenas um único ‘significado guarda-chuva’ facilmente assimilável. Uma espécie de rótulo.

Exaustivamente repetidas na mídia, essas palavras/expressões vão perdendo sua ambigüidade original pela associação continuada a apenas um conjunto de significados e acabam sendo incorporadas ao vocabulário cotidiano do cidadão comum.

Na crise política de 2005 houve largo uso de um conjunto dessas catchwords pelos partidos de oposição ao governo Lula e pela mídia: mensalão, valerioduto, silêncio dos intelectuais, conexão cubana, operação Paraguai, conexão Lisboa, república de Ribeirão Preto, dança da pizza, dentre outras.

Chegou para ficar

O que são exatamente essas idéias-organizadoras? De onde e como elas surgem? Qual o processo que leva à sua consolidação, não só na mídia, como no vocabulário do cidadão comum? Qual o papel que elas desempenham na construção da opinião pública?

Essas seriam algumas das questões a serem respondidas por um projeto de pesquisa sobre o tema. Aqui vão apenas umas poucas considerações sobre a presença de catchwords na atual cobertura política.

Creio que Gaye Tuchman, em seu clássico Making News (1978), foi quem primeiro tratou da questão. Apoiada em Goffman e Schutz, ela mostra como as matérias jornalísticas têm a capacidade de ‘frame’ (enquadrar) um determinado tema dentro de um conjunto de referências conhecidas e, portanto, situam o leitor/ouvinte/espectador num mapa cognitivo que faz sentido para ele.

Os ‘frames’ são idéias-organizadoras para a representação seletiva de aspectos da realidade – e para a saliência de uns em detrimento ou omissão de outros. Eles formam o quadro de referência básico – contexto e significado – na construção das notícias e indicam os caminhos que conduzirão a cobertura no desenvolvimento dos eventos. Consolidados, raramente se modificam.

No momento em que outra CPI promete manter viva a oposição política, surge uma nova catchword que certamente veio para ficar: ‘apagão aéreo’.

Uso generalizado

Já tínhamos no vocabulário midiático o apagão referido à energia elétrica. Esse, literalmente, significou a ausência de iluminação, isto é, uma escuridão geral ocorrida em vários estados brasileiros ainda durante o governo Fernando Henrique Cardoso. Agora, a CPI capitaneada pelos DEM é da ‘crise no setor aéreo’, que envolve, além dos óbvios interesses partidários, o governo, as empresas aéreas, as seguradoras nacionais e internacionais, a Infraero e, claro, os milhões de usuários dos serviços de transporte aéreo.

Faz alguma diferença nomear o problema ou a CPI como ‘apagão aéreo’ ou ‘crise no setor aéreo’? Aparentemente, sim. O ‘apagão’ traria mais conotações negativas de responsabilização do governo pela crise e evocaria a possível corrupção existente em empresas como a Infraero. Já ‘a crise no setor aéreo’ amplia para além do governo as razões que levaram à situação crítica o transporte aéreo no país.

Um aspecto interessante neste momento é observar o uso praticamente generalizado que a grande mídia já faz da expressão ‘apagão aéreo’. Até mesmo a cobertura da Agência Brasil e do Jornal da Câmara se refere ao ‘apagão aéreo’, e não à crise do setor aéreo. Mas há exceções.

Enquadramentos distintos

Veja o leitor as manchetes de abertura de dois telejornais de quarta-feira (25/4), dia em que o Supremo Tribunal Federal determinou a instalação da CPI na Câmara dos Deputados:

** ‘O Supremo autoriza a instalação da CPI na Câmara sobre a crise do setor aéreo e o Senado decide abrir outra’.

** ‘O Supremo Tribunal Federal é a mais alta instância de justiça no Brasil e impôs uma clara derrota ao governo. Obrigou a Câmara dos Deputados a instaurar uma CPI sobre o apagão aéreo que o governo fizera de tudo para evitar. O medo do governo não é tanto que a CPI chegue a algum resultado. É o circo político em torno dela, a distração do Congresso. O circo tornou-se inevitável em grande parte por culpa do próprio governo’.

Um observador desavisado poderia supor que se trata de manchetes de telejornais de diferentes emissoras de televisão. Mas a primeira manchete é do Jornal Nacional e a segunda do Jornal da Globo, ambos da Rede Globo de Televisão.

Além das manchetes, o tratamento das respectivas reportagens também teve enquadramento distinto: no JN, a expressão ‘CPI do setor aéreo’ foi repetida três vezes e no JG a expressão ‘CPI do apagão aéreo’, duas. E mais: no Bom Dia Brasil do dia seguinte (26/4) a matéria sobre o assunto usou a expressão ‘apagão aéreo’ e no Jornal Hoje (26), ‘CPI do setor aéreo’.

Oportunidade de estudo

Quais as razões para os diferentes enquadramentos da questão dentro de telejornais da mesma emissora?

O que parece claro é que a utilização – ou não – de determinadas catchwords representa uma escolha editorial e obedece ao tratamento da questão dentro de um determinado ‘frame’ que passa, então, a orientar a cobertura dos eventos subseqüentes.

A cobertura que a grande mídia fará da CPI da crise do setor aéreo – que deve ser instalada nesta semana na Câmara dos Deputados – oferece uma excelente oportunidade para se estudar a importância e o papel das idéias-organizadoras no jornalismo político brasileiro.

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem