Quarta-feira, 21 de Agosto de 2019
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº1051
Menu

IMPRENSA EM QUESTãO >

As virtudes do vício

Por Alberto Dines em 06/02/2009

O deputado-corregedor da Câmara Federal está encalacrado: corre o risco de perder o cargo de vice-presidente, perder a legenda e até de perder o mandato recém-iniciado.


Edmar Moreira, do DEM-MG, imaginou que nossa imprensa continua adormecida ou entretida com assuntos mais apaixonantes do que a cobertura do Legislativo. Arrogante e mal informado, Edmar Moreira achou que jamais seria cobrado pelo que dissesse. Não vacilou em afirmar que a função de corregedor deveria ser extinta, que a Câmara não tem poder de polícia e não pode punir transgressões de parlamentares. Ao explicar que os deputados são boa gente, admitiu que têm um único vício, o ‘vício da amizade’.


Caso exemplar


Os jornalistas que cobrem o Congresso perceberam que havia um novo Severino Cavalcanti na Mesa Diretora da Câmara: registraram a estapafúrdia declaração e, na quinta-feira (5/2), O Globo revelou na primeira página a extensão do vício da amizade do deputado Edmar Moreira: um enorme castelo compartilhado com o filho, Leonardo Moreira, deputado estadual, avaliado em 25 milhões de reais mas declarado à Justiça eleitoral pelo valor de 17.500 reais.


Em 18 anos, o deputado só apresentou 14 projetos, menos de um por ano, dois deles favorecendo a privatização dos serviços de segurança em presídios, o que ampliaria substancialmente os seus negócios nesta área.


O caso é exemplar: surgiu no início de uma nova sessão legislativa, no momento em que o Congresso tem as piores avaliações e a escolha dos presidentes das duas casas foi recebida com desagrado.


Nossa imprensa anda desatenta, desnorteada, mas ao revoltar-se contra o ‘vício da amizade’ talvez reencontre a vocação esquecida.

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem