Quarta-feira, 12 de Dezembro de 2018
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº1017
Menu

IMPRENSA EM QUESTãO >

Bem-vindos ao apocalipse

Por Alberto Dines em 07/02/2007 na edição 419

Bem-vindos ao Observatório da Imprensa. Bem-vindos ao apocalipse. Ou ao planeta super-aquecido.


As conclusões do painel da ONU sobre mudanças climáticas é duplamente preocupante: em primeiro lugar, pelas previsões concretas, científicas e, em segundo, pela acusação cabal, insofismável: quem está no banco dos réus é a humanidade, ela é a grande responsável – portanto, todos somos igualmente culpados pelo estado em que ficou o nosso mundo.


O relatório de Paris teve o mérito de socializar a noção de pecado. Em matéria ambiental, pelo menos, ficou constatado que todos somos pecadores, tanto os industrializados como os emergentes. Exploramos a natureza com a mesma insensibilidade, desperdiçamos os seus recursos com o mesmo descaso.


Justamente por isso torna-se tão relevante o papel da mídia mundial para diminuir os efeitos do aquecimento. Se a mídia continuar abdicando da sua função mobilizadora e educadora, grande parte da humanidade continuará produzindo as mesmas agressões. Na véspera de uma débâcle que se assemelha ao dilúvio bíblico, recorta-se com uma nitidez impressionante a tarefa dos meios de comunicação. Este é um dos raros casos em que o sensacionalismo pode ser benéfico. Quanto mais dramaticidade no noticiário e nos debates, melhor para todos.


Mas atenção, esta é uma pauta permanente. Numa emergência dessas proporções espasmos não adiantam – ao contrário, agravam, criam a sensação de rotina, estimulam a resignação. Porém, uma coisa é certa: pela primeira vez em sua história, a imprensa está sendo convocada para salvar os seus leitores e, junto com eles, a si própria.

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem