Sexta-feira, 23 de Agosto de 2019
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº1051
Menu

IMPRENSA EM QUESTãO >

Carlos Eduardo Lins da Silva

19/05/2009 na edição 538

‘OS JORNAIS americanos nunca tiveram tantos leitores como atualmente. A afirmação parece um contrassenso para quem acompanha a avalanche de péssimas notícias sobre as condições de sobrevivência de muitos dos melhores diários impressos dos EUA.


Mas não é. Na 29ª reunião da Organização dos Ombudsmans de Imprensa (ONO), que tem como associados cerca de cem jornalistas que exercem esta função em todo o mundo (da Austrália à Turquia) e que ocorreu entre domingo e quinta-feira em Washington, Tom Rosentiel explicou as razões. Ele é o diretor do Projeto para Excelência no Jornalismo, que desde 2004 publica na internet relatório anual detalhado sobre a situação da mídia, ‘The State of the News Media’ (veja abaixo o link para o capítulo sobre os jornais). Os dados mostram que o público não rejeita o modelo dos jornais ‘tradicionais’. Ao contrário. ‘O desafio dos jornais não vem da audiência, vem do seu modelo de sustentação econômica’, afirma Rosentiel.


Apesar de o preço do jornal impresso para o consumidor ter subido muito nos últimos cinco anos, o decréscimo de sua circulação tem sido comparativamente pequeno.


E suas versões eletrônicas têm tido aumento de audiência muito superior ao da média da internet (27% contra 7% em 2008).


O ‘Washington Post’, por exemplo, em 1999 vendia 786 mil cópias impressas; agora, vende 665 mil, mas seu site tem 9,4 milhões de visitantes únicos por mês.


O problema é que a receita publicitária das edições impressas cai dramaticamente (16% em 2008 em relação a 2007) e a das edições eletrônicas cresce milimetricamente. É claro que a crise financeira contribui para agravar o quadro, mais recentemente. Mas essas tendências já vinham sendo consistentes fazia muito tempo. Sites não jornalísticos tomaram os classificados dos diários; a TV paga lhes tirou boa parte da publicidade geral. E o anunciante ainda não se convenceu da eficiência do anúncio na tela.


Rosentiel acha que a única saída é mudar o modelo econômico. E não acredita nas propostas mais comentadas no momento (o jornal cobrar pequena quantia por acesso a cada matéria ou ser sustentado por universidades ou fundações).


Para ele, há outros caminhos, mais criativos, de fazer com que informação útil volte a gerar receita suficiente para manter a cara operação de produzir o jornalismo de boa qualidade.


Para encontrá-los, jornalistas e empresas têm de estar preparados para mudar muito valores, práticas e processos a que estão acostumados.


Se fizerem isso, será possível evitar o choro ao final do filme indicado abaixo, ambientado numa redação de jornal, que faz uma homenagem ao bom jornalismo como se ele estivesse nos estertores.


PARA LER


‘The State of the News Media Newspapers’, do Pew Project for Excellence in Journalism (http://www.stateofthemedia.org/2009/narrative_newspapers_audience.php?cat=2&media=4)


PARA VER


‘Intrigas de Estado’, de Kevin Mcdonald, com Russel Crowe e Ben Affleck, com estreia prevista no Brasil para 12 de junho de 2009′


***


‘Cobertura lenta e improvisada da tragédia’, copyright Folha de S. Paulo, 17/5/09.


‘Em dezembro, o país se comoveu com a tragédia das enchentes em Santa Catarina. Este mês, de novo, agora com elas no Norte e no Nordeste.


A Folha não fez jornalismo preventivo, como deveria, em nenhuma das situações. Limitou-se a reagir aos fatos, registrar os acontecimentos.


Mas no caso atual, do Norte e do Nordeste, apesar de ele ter provocado mais vítimas e desabrigados que o anterior, o jornal lhe dedica muito menos espaço e destaque.


Vários leitores escrevem para reclamar e perguntar se a falta de vigor jornalístico reflete ‘um aparente descaso ‘sulino’ com o drama do Norte/Nordeste’, como um deles, Rodrigo Pisictelli, pergunta. Confio que não, mas a suspeita já é grave.


No sábado, o jornal criticou em editorial intitulado ‘Lentidão e improviso’ o comportamento das autoridades em resposta aos efeitos das chuvas.


Mas a cobertura que ele próprio tem feito dos problemas de cerca de 1 milhão de brasileiros também deixa muito a desejar.


Fora fotos pungentes na capa, o que se constata é que o assunto não está entre as prioridades da Redação, o que é um erro e uma lástima.’


***


‘Onde a Folha foi bem’, copyright Folha de S. Paulo, 17/5/09.


Sri Lanka


Após começo trôpego, acompanhamento da crise humanitária no antigo Ceilão acerta o tom


Febraban e Justiça


Reportagem no sábado sobre seminário pago pela Febraban com presença de 42 juízes do trabalho é de grande relevância


…E ONDE FOI MAL


Nome da gripe


A gripe vem sendo tratada de quatro formas diversas, sem padronização pelo jornal, apesar de definição da OMS


Propaganda antecipada


Registro curto na quinta de decisão do TSE sepulta cobertura exagerada feita em fevereiro de representação contra o presidente da República por suposta propaganda antecipada em encontro de prefeitos


Lei de Imprensa


Defensores da tese de que não deve haver lei específica para imprensa estão sem espaço na seção ‘Tendências/Debates’


ASSUNTOS MAIS COMENTADOS DA SEMANA


1. Temas de futebol


2. Vegetarianismo


3. Enem


Pró-Memória


Morte do policial Sérgio Narciso e do fazendeiro José Machado, há 20 anos em Pedro Canário (ES) continua sem punição. O que acontecerá com o caso?’

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem