Quarta-feira, 21 de Fevereiro de 2018
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº975

IMPRENSA EM QUESTãO > UMA SIP DISTRAÍDA

Cebrián: “Morrerei fazendo jornais de papel”

Por Alberto Dines em 16/10/2012 na edição 716

 

A estrela da 68ª Assembleia Geral da Sociedade Interamericana de Imprensa (SIP, na sigla em espanhol) deveria ser o jornalista Juan Luis Cebrián, fundador do El País – jornal-modelo, jornal dos sonhos – e hoje presidente da empresa que o edita. Carismático, culto, autor de uma das últimas façanhas do “jornalismo romântico”, sua intervenção era aguardada com curiosidade porque na semana anterior o esplêndido diário espanhol anunciara um drástico corte de despesas e a demissão de um terço dos seus jornalistas (ver aqui).
 
Pelo noticiário dos jornalões brasileiros depreende-se que a intervenção de Cebrián teria sido convencional como atesta a titulação das matérias publicadas no domingo, 14/10:
 
>> “Ainda não há resposta para o futuro do jornalismo” (Folha de S.Paulo)
 
>> “Saída para os desafios é ‘saber como mudar’” (Estado de S.Paulo)
 
O Globo nada encontrou na fala que merecesse um título, significativamente engavetou num pequeno box os planos de investimento da Prisa (empresa que edita o El País) na América Latina.
 
Mas no jornal que Cebrián fundou há 37 anos seus companheiros encontraram um compromisso que escapou aos coleguinhas brasileiros: “Morrerei fazendo jornais de papel”. A frase completa é ainda mais taxativa, significativa, emocionante: “Há 50 anos faço jornais de papel e morrerei fazendo jornais de papel” (ver aqui).
 
Palavra mágica
 
Evidentemente, não houve uma conspiração dos anfitriões para abafar a fala do celebrado hóspede espanhol – jornalista profissional, brilhante teorizador, escritor, socialdemocrata ostensivo e, principalmente, futuro concorrente. A omissão deve ser atribuída à proverbial desarticulação das redações na tarde dos sábados e no meio de um fim de semana prolongado.
 
A gafe serve como gancho para remontar aos primórdios da SIP esquecidos em meio à febril cobertura desta 68ª Assembleia Geral. A informação da Wikipedia sobre a entidade é incompleta: a sua criação em Havana, em 1943, deveu-se a uma resolução do Congresso Pan-Americano de Periodistas (=Jornalistas) realizado no ano anterior na Cidade do México.
 
Erroneamente denominado como “primeiro”, foi na verdade o segundo – o conclave precursor aconteceu 16 anos antes, em 1926, em Washington DC. Ambos concebidos como congressos de jornalistas. As empresas jornalísticas ainda não ostentavam pedigree nem poder, ao contrário dos jornalistas que as dirigiam. 
 
Conferências posteriores (Caracas, Bogotá e Quito), com a intenção de alargar o escopo da entidade, deram-lhe os atuais nome e configuração. Além de alijados, os jornalistas foram esquecidos e a entidade tornou-se um clube exclusivamente empresarial frequentado não apenas pelos donos de jornais & cônjuges, mas também pelos ágeis fornecedores de equipamento (linotipos, impressoras) e papel-jornal (papeleiras americanas, canadenses e escandinavas).
 
A americana Hoe, produtora das impressoras letterpress, era a mais ativa nos bastidores da SIP, o que levou grandes empresas jornalísticas – como o Jornal do Brasil e o Estado de S.Paulo – a fazerem a aposta errada quando o sistema off-set da alemã Mann mostrou-se mais eficiente e consagrou-se como definitivo.
 
Nos anos 1950 e 60 era pequeno o número de sócios brasileiros, menor ainda o de norte-americanos, razão pela qual a Sociedad Interamericana de Prensa ficou conhecida apenas pelo acrônimo em espanhol, SIP (embora no brasão constem a sigla brasileira, SII, e inglesa, IAPA).
 
A transformação de Miami numa espécie de “Cuba Libre” e sua excepcional localização geográfica deram-lhe uma inegável condição latino-americana. Lá se instalou a SIP acompanhada pelo séquito de consultorias que vendem de tudo, inclusive “inovação”, palavra mágica para ouvidos subdesenvolvidos. E com ela vieram os evangelizadores da Universidade de Navarra e do Opus Dei.
 
Distração coletiva
 
O diário El País é na Espanha um aguerrido defensor do laicismo, notório adversário do Opus Dei. Sua escola de jornalismo, associada à UAM (Universidad Autónoma de Madrid), uma das melhores da Europa, situa-se no extremo oposto do navarrismo.
 
Maior jornal espanhol e um dos melhores do mundo, não endeusa os infográficos, cultiva a palavra, o relato, o sentido da informação, seu ideário é o do humanista Ortega y Gasset. O chefe de sua representação no Brasil, Juan Árias, é um experimentado jornalista com grande cancha internacional, formado em teologia, um dos grandes especialistas em protocristianismo.
 
Cebrián apresentou-se como criador de jornais de papel, mas não ignora o fabuloso universo conectado e adverte que não tem certeza qual será o modelo vitorioso. Idealista e cético: seu jornal harmonizou as diferentes plataformas tecnológicas e, mais do que isso, sua redação globalizou-se funcionando 24/24 horas para atender as edições internacionais. Seu serviço online, gratuito, tem uma formidável aceitação no mundo latino-americano servido por uma imprensa geralmente conservadora, monolítica. O El País nas bancas da América Latina significa pluralismo.
 
Convertida ao empresarialismo, a SIP esqueceu sua vocação, compromissos e raízes originais. Os jornalistas foram contemplados apenas no “Domingão da SIP”, uma sessão aberta para profissionais e estudantes. A fascinação com as novas tecnologias limitou-se à obsessão por infalíveis “modelos de negócio” para grandes empresas, desprezados os milhares de jornalistas-empresários engajados em blogs e sites altamente qualificados, batalhadores da pequena imprensa, das rádios e da TV via internet.
 
A defesa da liberdade de expressão num continente ameaçado pelo neocaudilhismo não deveria ser a única preocupação daquela que nasceu para valorizar o jornalismo.
 
Esta assembleia da SIP foi um caso de distração coletiva. Isso acontece quando se dá as costas ao passado, ou quando não se sabe utilizar as ferramentas de busca.
 
Veja também
 
Entrevista de Juan Luis Cebrián ao Observatório na TV (8/11/2011)
 
 

 

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem