Terça-feira, 16 de Julho de 2019
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº1045
Menu

IMPRENSA EM QUESTãO >

Curto e grosso

05/05/2009 na edição 536

O ombudsman da Folha de S.Paulo, Carlos Eduardo Lins da Silva, pegou pesado, muito pesado, em um dos textos de sua coluna do último domingo (3/5). Não era o texto principal e foram apenas 231 palavras – reproduzidas abaixo –, mas o conteúdo é demolidor.


Carlos Eduardo comenta o caso da publicação de uma ficha falsa da ministra da Casa Civil, Dilma Rousseff, contendo uma série de crimes que teriam sido cometidos por ela durante o regime militar. A suposta ficha – uma montagem que circula em sites direitistas na internet – foi publicada na primeira página do jornal sem checagem alguma se sua veracidade.


Na semana anterior, o ombudsman já havia comentado o episódio em uma nota também pequena, mas sem o teor da que saiu no domingo. Agora, parece ter compreendido a gravidade dos fatos e em poucas palavras coloca o dedo na ferida:


‘O `Manual´ [de Redação da Folha] prevê que o jornal identifique a fonte que lhe passe informação errada, o que não se fez neste caso (…) a Redação me disse que nenhum jornalista envolvido na produção e edição da reportagem original sabia da ficha falsa na internet, o que revela incrível desinformação de jornalistas especializados. O pior é a Redação dizer que encerrou a apuração desse episódio seriíssimo e não acha necessário rever procedimentos de checagem de informações’, escreveu Carlos Eduardo.


O tamanho da lambança


Até aqui, trata-se de uma reprimenda dura, mas não inédita. Outros ouvidores também tiveram a oportunidade de cobrar a Redação desta mesma maneira. Inédito mesmo é o que está escrito no último parágrafo do texto:




‘No caso Memogate, que citei domingo passado, a rede de TV CBS constituiu comissão independente para apurar o que houve. Seu relatório foi divulgado publicamente e dele resultaram ampla revisão de procedimentos internos da Redação, a demissão de uma produtora e um pedido de desculpas da emissora à audiência. Sugiro à Folha fazer algo similar.’


Este observador acompanha as colunas dos ouvidores da Folha desde 1989, quando Caio Túlio Costa estreou na função, e não se recorda de nenhum comentário tão incisivo quanto este de Carlos Eduardo Lins da Silva. Noves fora zero, o ombudsman recomendou que o jornal mande alguém ‘independente’ investigar o que aconteceu na apuração da matéria e puna, com demissão, se for o caso, os responsáveis pela lambança. Além disto, ele sugere que a Folha peça desculpas aos leitores, coisa que o jornal já se revelou incapaz de fazer ao publicar uma reportagem ‘explicando’ que ‘não é possível provar a autenticidade’ da ficha de Dilma. Dizer que se trata de ‘tucanês’, como gosta de escrever o colunista-humorista da casa, José Simão, é muito pouco: o que a Folha fez foi uma verdadeira operação jornalística para esconder a lambança praticada com a ministra.


Tudo somado, a atuação de Carlos Eduardo Lins da Silva reforça a idéia de que a instituição do ombudsman pode ajudar, sim, a melhorar o nível do jornalismo praticado no país. Pode até ser que a Redação da Folha ignore todas as recomendações de Carlos Eduardo, mas pelo menos não o fará sem que os leitores do próprio jornal tomem conhecimento do que o ouvidor pensa. E isto é um grande avanço.


***


Até ver se a ficha cai


Carlos Eduardo Lins da Silva, Folha de S.Paulo, 3/5/2009


Recebi 77 mensagens de 55 leitores sobre a reportagem em que a Folha reconhece erros por publicar suposta ficha de Dilma Rousseff do tempo da ditadura. Nenhum se satisfez com as explicações. Nem eu.


Fiz perguntas à Redação para tentar esclarecer o caso. As respostas não o elucidam.
A reportagem original saiu na primeira página; a correção também deveria ter saído na capa do jornal.


O ‘Manual’ prevê que o jornal identifique a fonte que lhe passe informação errada, o que não se fez neste caso.


Alertado por leitor no dia da reportagem original de que ficha fraudulenta circulava na internet, o ombudsman pediu para a Redação apurar e ficou sem resposta até o dia 21.
Na sexta, a Redação me disse que nenhum jornalista envolvido na produção e edição da reportagem original sabia da ficha falsa na internet, o que revela incrível desinformação de jornalistas especializados.


O pior é a Redação dizer que encerrou a apuração desse episódio seriíssimo e não acha necessário rever procedimentos de checagem de informações.


No caso Memogate, que citei domingo passado, a rede de TV CBS constituiu comissão independente para apurar o que houve. Seu relatório foi divulgado publicamente e dele resultaram ampla revisão de procedimentos internos da Redação, a demissão de uma produtora e um pedido de desculpas da emissora à audiência. Sugiro à Folha fazer algo similar.

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem