Segunda-feira, 25 de Setembro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº959

IMPRENSA EM QUESTãO > REVOLUÇÃO CONSTITUCIONALISTA

A imprensa paulista fardada de 1932

Por Oscar Pilagallo em 10/07/2012 na edição 702
Reproduzido da seção “Tendências/Debates” da Folha de S.Paulo, 9/7/2012; intertítulo do OI

Se nas guerras a primeira vítima costuma ser a verdade, na Revolução de 1932 não foi diferente.

O que foi diferente, isto sim, foi seu algoz. Em geral, a verdade sucumbe diante do conflito de versões dificilmente verificáveis pela imprensa. No caso da chamada Revolução Constitucionalista, no entanto, foi da própria imprensa que partiram os disparos que atingiram a verdade.

Não se trata da verdade abstrata, que resulta de convicções, de uma visão de mundo, de um entendimento particular sobre o lugar que São Paulo deveria ocupar naquela nova fase da República.

Trata-se, apenas, da verdade factual. Mal dado o primeiro tiro, em 9 de julho, as manchetes já tratavam o movimento como vitorioso, e com pouca variação mantiveram o mesmo tom até quase a derrota final, em outubro.

Nesse período, os jornais paulistas abriram mão de fazer jornalismo. Durante os três meses que duraram os combates, optaram por privilegiar uma campanha para elevar o moral da população e, sobretudo, das tropas.

Pouco interessava a informação objetiva da superioridade das forças federais, o fato incontestável de que tinham mais armas e eram mais bem treinadas.

Presos e exilados

No início, as conquistas pontuais dos soldados de São Paulo foram superestimadas. Mais tarde, os avanços das forças inimigas seriam minimizados.

Não é difícil entender por que a imprensa paulista agia assim. Se os jornais escolheram mobilizar em vez de informar, é porque haviam vestido farda bem antes da deflagração do conflito.

A revolução foi, em larga medida, articulada na sede do jornal mais importante da cidade na época, O Estado de S. Paulo, então com mais de meio século de existência.

Toda a imprensa paulista, no entanto, logo aderiu à causa. O Diário de S. Paulo e o Diário da Noite, ambos de Assis Chateaubriand, A Gazeta, de Cásper Líbero, e a Folha da Manhã e a Folha da Noite (que em 1960 seriam fundidos na Folha de S.Paulo), todos eles se transformaram em trincheira.

Houve, efetivamente, um efêmero Jornal das Trincheiras, com propaganda mais aberta, mas a diferença em relação aos demais jornais era mais de grau do que de natureza.

Também por um breve período circulou O Separatista, cuja razão de ser estava expressa no próprio título. Embora não contasse com o endosso da maioria da imprensa, a ideia representava uma dissidência tolerada.

O que os jornais não podiam era ser contra São Paulo. Um jornal tenentista, que apoiava o governante então provisório, Getúlio Vargas, teve sua sede destruída pouco antes do 9 de julho.

O esforço jornalístico de guerra contou com a participação especial do rádio. Como veículo de comunicação de massa, o rádio é contemporâneo da Revolução de 32. Nasceu na Record, que embalava o suposto noticiário com uma marcha militar, a “Paris Belfort”.

Não havia espaço para isenção. A imprensa paulista não apenas refletia os anseios da sociedade local. Também os insuflava, criando um círculo vicioso. Derrotadas as forças de São Paulo, jornalistas e donos de jornais foram presos e exilados. Do ponto de vista da história da imprensa, porém, a grande vítima foi a verdade.

Leia também

Na guerra de 32, às favas com os fatos – Mauro Malin

***

[Oscar Pilagallo é jornalista, autor de História da Imprensa Paulista (Editora Três Estrelas)]

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem