Sexta-feira, 24 de Novembro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº967

IMPRENSA EM QUESTãO > JORNAL DO BRASIL

E-mail para a condessa

Por Jorge Antonio Barros em 20/07/2010 na edição 599

Se houvesse correio eletrônico para o céu, gostaria de enviar um e-mail para a Condessa Maurina Pereira Carneiro, que foi a dona de um jornal que povoou o imaginário de gerações de jornalistas e leitores de jornal bem informados e sintonizados com seu tempo. Como nunca vivi, nas últimas 3 décadas, a experiência de ver um jornal diário se extinguir, exceto a Última Hora e a Tribuna da Imprensa, este é um e-mail-desabafo por conta da notícia triste que é publicada hoje no Globo: o Jornal do Brasil vai acabar em papel, e permanecer apenas na internet. Não se trata de uma posição de vanguarda, de forma alguma. Mas da dilapidação de um dos maiores patrimônios da história da imprensa brasileira e até mesmo mundial. Mas vamos à carta, antes que acabe o papel e se esgote a paciência do caro leitor.


‘Estimada Condessa Pereira Carneiro,


Fui estagiário, repórter, repórter especial, chefe de reportagem e editor-assistente de cidade, do seu jornal,entre os anos de 81 a 88 e depois de 91 a 95.


Venho por meio deste, mui respeitosamente, lhe dar essa triste notícia, em primeira mão. O Jornal do Brasil acabou em papel. Primeiro perdeu o tamanho standard e virou berliner. Já havia doído em mim aquela transformação. Eu sou da época em que jornal era grande e se lia com as duas mãos, dobrando em quatro partes, no ônibus, na praia ou no banheiro.


Aprendi a ler jornal no seu matutino, ensinado por meu falecido pai, que insistia que eu começasse pela Coluna do Castello. Como eu não engrenava em assuntos complicados, comecei mesmo foi pelo Caderno B, o pioneiro suplemento de cultura, onde mais tarde admirei algumas das repórteres mais bonitas de uma redação, como Luciana Villas-Boas, Susana Schild, Norma Curi, Sonia Racy, Cleusa Maria, e alguns dos críticos mais fustigantes, como Wilson Coutinho, José Carlos Avellar, Macksen Luís, Luiz Paulo Horta, Tárik de Souza.


Foi no seu jornal onde vivi as emoções do princípio no exercício do ofício de repórter, o mais puro e carregado de perplexidades, entre as funções do jornalismo. Na Avenida Brasil 500, no início dos anos 80, foi ali que escrevi a primeira reportagem, me infiltrei no primeiro presídio, dei o primeiro ‘furo jornalístico’, levei o primeiro furo, convenci a primeira pessoa a fazer confidências, fiz a primeira entrevista, perdi o primeiro bloco de anotações, fui ao primeiro local de crime, cobri a primeira chacina, sofri a primeira ameaça, levei o primeiro processo, publiquei a primeira denúncia, cobri e aderi a primeira greve, fui enviado especial para cobrir a primeira guerra, acompanhei o primeiro escândalo em Brasília, a primeira posse de presidente da República, assim como seu impeachment, participei da primeira coletiva, ganhei o primeiro prêmio e, pela primeira vez, compartilhei de um trabalho em equipe, com um grupo extraordinário de jornalistas, que ensinavam a fazer jornalismo, enquanto se divertiam.


Fui aprendiz de repórter com Luiz Mário Gazzaneo, Ronald Carvalho, Sérgio Fleury, Heraldo Dias, Hedyl Valle Júnior, Luciano de Moraes, Paulo Henrique Amorim, Marcos Sá Correa, Flávio Pinheiro, Celina Cortes – minha primeira professora – Bella Stal, Beth Marins, Valéria Fernandes, Xico Vargas, Carlos Rangel, Joaquim Ferreira dos Santos, Zuenir Ventura, Juarez Bahia, Wilson Figueiredo, Artur Xexéo, Altair Thury, Sandra Chaves, Maurício Dias, José Luiz Alcântara, Luarlindo Ernesto, Bruno Thys, Paulo Motta, Luiz Fernando Gomes, J. Paulo da Silva, Jairo Costa, Abel Mathias, Ubirajara Moura Roulien, Bartolomeu Brito, Ronaldo Braga, Milton Amaral, Mônica Freitas, Tânia Rodrigues, Carlos Peixoto, Christine Ajuz, Maria Alice Paes Barreto, Glória O. Castro, Deborah Dumar, Regis Farr, Israel Tabak, Fritz Utzeri, Joelle Rouchou, José Gonçalves Fontes, Orivaldo Perin, Dácio Malta, João Batista de Freitas, Ricardo de Hollanda, Almir Veiga, Evandro Teixeira, Vidal Cavalcanti, Rogério Reis, Kiko Nascimento Brito, Telmo Wambier, Luiz Paulo Coutinho, entre tantos outros que são traídos pela memória.


No seu jornal foi onde comecei a perder a timidez ao lidar com pessoas e a gostar muito de tirar delas alguns segredos de interesse público. Senhora condessa, foi no seu jornal que eu iniciei como estagiário sem QI (Quem Indica), numa época em que ainda era possível um estudante de jornalismo conseguir uma audiência com o diretor de redação (Walter Fontoura), que me recebeu e me deu o estágio, depois que eu obtive a dica de um motorista, seu Cosme, que também já partiu dessa para melhor, como a senhora. Cosme estava ao volante de uma das Brasílias creme com o letreiro do Jornal do Brasil em preto, em frente ao antigo Rio Palace Hotel (hoje Sofitel), no Posto 6, quando me aproximei e perguntei como seria possível estagiar no JB, o jornal da minha infância. Eu era panfleteiro de uma joalheria e estudava à noite.


A Avenida Brasil 500 – que vai virar um hospital público – é um endereço inesquecível. Foi ali no seu jornal, condessa, que eu virei rato do departamento de pesquisa e da biblioteca. Que biblioteca! Eu adorava o espaço amplo da redação com grandes janelas de onde se podia avistar, de um lado, o Cais do Porto e, do outro, o trânsito do Elevado da Perimetral. Um dia, ali, o fotógrafo Carlos Hungria fez a fantástica foto de um policial rapinando galinhas, do caminhão particular para o carro da polícia. Eu não tinha carro, mas ouvia falar que muita gente gostava de namorar no estacionamento, entre uma reportagem e outra. É claro que eu preferia almoçar no Brito’s, o apelido do restaurante a la carte, em vez do bandejão. Brito era o sobrenome do dr. Nascimento Brito, genro da condessa, que assumiu a presidência do jornal. Foi ali que estive com muitas fontes que olhavam pro Jornal do Brasil com devoção hoje só comparável à de muita gente diante de uma grande emissora de TV. Num desses almoços, já como chefe de reportagem, conheci um jovem deputado arrojado que acabou virando governador.


Foi lá também que eu a conheci, numa tarde de 1980, quando participava do projeto Jovem Jornalista, do professor Dimas, aberto a secundaristas, onde eu era ‘gato’ porque não tinha mais idade para frequentar. A senhora era uma grande entusiasta de novos talentos, condessa. De modo geral, as corporações de hoje se ressentem desse olhar mais artesanal, uma espécie de convicção de que o negócio de comunicação não é apenas uma fábrica de salsichas, mas lida com valores um pouco mais profundos, nos quais o ser humano é o objetivo principal.


Tudo bem, senhora condessa, eu tenho saudades. Tenho saudades até de um tempo que não vivi. Imagine dos anos que vivi no JB… Da dupla que formei com o fotógrafo Raimundo Valentim, com César ao volante. Das matérias com o fotógrafo Marco Antonio Cavalcanti. Dos amigos maravilhosos que fiz, que apesar da distância só nós sabemos o quanto nos une. Saudade de passar o dia na rua, batendo perna, e voltar no fim da tarde para escrever a matéria. Era a supremacia do papel, nem sonhávamos com computador. Era indescritível o barulho das máquinas de escrever, como uma sinfonia desorganizada e metálica, todas as tardes, no calor do fechamento. As laudas – o papel com medidas especiais para a impressão – com cópias em carbono, para deixar na chefia, na pesquisa e na Agência JB, que pagava uma merreca de direitos autorais, no fim do ano. Eu gostava tanto da minha Olivetti Lexikon 80, que até hoje sua imagem me acompanha como avatar no Twitter. Twitter, a senhora jamais imaginou, é aquilo que chamam de mídia social, onde todo mundo passou a ser dono da própria notícia e acreditar piamente que a qualquer momento jornal impresso vai se tornar algo obsoleto. Uma falácia. Jornais jamais vão acabar. Poderão apenas mudar de superfície. Mas tenho certeza de que vai doer, como a perda de um ente querido. Eu sou fanático por papel, tinta e letras.’


 


***


O jornal que desafiou a ditadura


Lançado em 1891, o Jornal do Brasil tem uma longa trajetória de respeito às liberdades democráticas. A meu ver, o jornal tem praticamente três grandes fases consideradas importantes em sua história. A primeira é logo no início da fundação quando foi alvo de grande violência por parte do governo da República, antes ou depois da Revolta da Armada, quando o jornal sofreu censura e até empastelamento. O jornal ficou sem circular durante cerca de um ano, entre 1893 e 1894, quando acabou o governo de Floriano Peixoto, o carneiro de batalhão.


A segunda fase importante é a reforma gráfica promovida por Odylo Costa, filho, e Amílcar de Castro, em 1957. Foi marcante porque foi uma verdadeira revolução, que influenciou as mudanças gráficas nos grandes jornais brasileiros. Artista plástico experiente e escultor de prestígio, Amílcar tirou o fio que havia entre as letras e, do aspecto antigo, restou apenas os anúncios classificados em forma de L, na margem esquerda da primeira página. Os classificados do JB deram ao periódico o apelido de jornal das cozinheiras, até o início da década de 60. Com a morte do Correio da Manhã, depois do golpe militar de 64, o JB herdou não apenas os leitores como seu estilo liberal.


A terceira grande fase do jornal ocorreu justamente na década de 60, com o recrudescimento da ditadura. Houve momentos memoráveis como o da cobertura fotográfica dos históricos conflitos entre a polícia e os estudantes no Centro do Rio, feita por Evandro Teixeira e Antônio Teixeira – dois nordestinos cabras da peste. No dia seguinte ao AI-5, 14 de dezembro de 1968, o jornal teve uma de suas primeiras páginas mais brilhantes na qual a previsão meteorológica era uma metáfora da crise política e um prenúncio dos anos de chumbo que nasciam com o golpe dentro do golpe. Do outro lado da página uma lembrança que tinha tudo a ver com o 13 de dezembro: Ontem foi dia dos cegos. A homenagem aos deficientes visuais era uma mensagem cifrada, que driblou os censores que já haviam se instalado dentro da redação, como ocorreu em outros diários e publicações.


Com o recrudescimento da censura, o jornal cresceu ainda mais seja pela criatividade de seus editores ou pela ousadia de seus repórteres. Em 1973, no golpe militar contra o governo Allende, o jornal enviou a Santiago o jornalista Humberto Vasconcellos. Sob censura, o relato foi publicado na primeira página em seis colunas de texto sem fotos e sem título. Uma das primeiras páginas mais criativas de todos os tempos.


As décadas de 60 e 70 foram uma época em que a reportagem do Jornal do Brasil virou uma escola de grandes repórteres como Fritz Utzeri, Heraldo Dias, Israel Tabak, José Gonçalves Fontes, Sérgio Fleury, Ghioldi Jacinto, Beatriz Bonfim, Lilian Newlands. A redação da Rio Branco foi celeiro de grandes redatores como Nelson Pereira dos Santos, Tite de Lemos, Ivan Junqueira e Lago Burnett. Juntos formaram um dos times mais prestigiados de jornalistas de todos os tempos num só jornal. O grupo era conhecido como o ‘copy’ na época em que a atividade de reescrever matérias era chamada de copydesk.


Com a redação sob o comando de Alberto Dines, na década de 60, o jornal atingiu o auge entre os veículos impressos de maior credibilidade do país. O jornal da Condessa Pereira Carneiro ficou conhecido como o verdadeiro bastião contra a ditadura militar. A posição política do jornal impediu inclusive o grupo empresarial que o administrava de conseguir uma concessão de canal de TV. O jornalista Walder de Góes deve ter escrito algo sobre isso.


O JB influenciou tanto e tão bem várias gerações de jornalistas que criou uma publicação mensal, bimensal ou trimestral que foi o primeiro manual de jornalismo de muitos profissionais, muito tempo antes de as escolas de jornalismo cuspirem talentos ou blefadores. Os Cadernos de Jornalismo e Comunicação do JB traziam periodicamente o que havia de mais moderno nas ciências da comunicação de massa, na época.


Outro ineditismo do jornal foi o investimento num dos maiores e mais eficientes departamentos de pesquisa de publicação. Daquela seção do jornal, saíram grandes jornalistas. Era uma época em que os jornalistas da pesquisa produziam belos textos, que alimentavam belas edições. Foi um dos primeiros locais do jornal que eu adorava freqüentar, ao lado da biblioteca, uma das melhores já adotadas por um matutino do Rio. Flor era a bibliotecária inesquecível por sua eficiência e simpatia.


O Caderno B é um capítulo à parte na história desse matutino. Foi um suplemento pioneiro na formação de uma cultura jornalística antenada com modismos e comportamentos nos grandes centros urbanos e descobriu logo que Ipanema era a capital da república cultural do Rio. Foi o suplemento onde aprendi a ler jornal, orientado pelo meu pai, que não conseguia me convencer a ler o primeiro caderno (ali comecei pela Coluna do Castelo, um dos maiores repórteres políticos que o país já teve). O JB deixava definitivamente a imagem de jornal das cozinheiras para virar o jornal dos literatos e intelectuais, da esquerda festiva de Ipanema e do executivo do mercado financeiro. Era a época em que repórteres como Vitor Passos enchiam a boca para dizer que haviam sido enviados pelo Jornal do Brasil para cobrir esse ou aquele evento. Vitor lembra que era nítido o tratamento superior dado aos enviados do Jornal do Brasil, em relação aos de outros jornais.


O JB foi pioneiro também no lançamento da revista Domingo, em 1976. Deve ter sido um dos primeiros jornais brasileiros a ter suplemento semelhante. O jornal inovou ainda com o Caderno Cidade, idealizado por Dacio Malta e lançado em 1986, quando a redação estava sob a direção de Marcos Sá Correa. Foi o primeiro jornal brasileiro a lançar um suplemento diário com a cobertura dos assuntos de cidade. Dacio teve a idéia depois de informado que o plano cruzado havia detonado uma sobra de caixa para os consumidores. Havia papel sobrando para se fazer jornais.


Um dos períodos mais críticos da história recente do JB ocorreu às vésperas da última eleição indireta para a presidência da República, quando se dizia pelos corredores da redação que o jornal estava nas mãos de um político do mal – Paulo Maluf, que disputava a eleição com Tancredo Neves. O assunto nunca foi tratado abertamente e nem sequer ventilado pela imprensa. Deixo aos historiadores a tarefa de comparar a cobertura daquelas eleições. Coincidentemente foi quando a cúpula do jornal foi dominada por um grupo de jornalistas que veio de São Paulo, alguns deles muito talentosos e até simpáticos. Esse grupo era liderado pelo jornalista JB Lemos, que substituíra Paulo Henrique Amorim, um dos criativos editores que vi passar pelo JB. Mas nos bastidores começava um questionamento silencioso da tradição democrática do jornal. Era a primeira vez que se ouvia falar da necessidade de o jornal receber não apenas investimentos financeiros mas a influência direta de grupos de lobistas de plantão.


Em 1985, o jornal iniciou seu primeiro programa de informatização, que não foi adiante, sendo retomado mais tarde, com certo atraso. Fiquei fora do jornal entre 88 e 91, retornando para o centenário. A redação estava sob o comando de Dacio Malta que me convidou para assumir a chefia de reportagem da seção onde eu começara dez anos antes, como estagiário. Voltei com o entusiasmo de estar lá no centenário, crente que estava vivendo um momento histórico. Mas a festa foi pífia e só me recordo de apenas uma edição especial, no dia do aniversário. Não lembro de coquetel nem de algum livro ou exposição especial. Eu sonhava com uma semana de debates, intercâmbio com jornalistas do The New York Times e um caderno especial com as melhores reportagens dos últimos cem anos. Que nada. Com certeza, agora dá para entender que era o princípio das dores.


Texto meu publicado na revista Lide, do Sindicato dos Jornalistas, em 2005.

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem