Segunda-feira, 19 de Novembro de 2018
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº1013
Menu

IMPRENSA EM QUESTãO >

Imprensa e a reforma política

Por Luciano Martins Costa em 20/11/2008 na edição 512

A notícia de que o Ministério Público Federal denunciou o empresário Marcos Valério Fernandes de Souza e outras 26 pessoas recoloca em debate a questão do financiamento das campanhas eleitorais. Pelo menos seria de se esperar que a imprensa conectasse o novo fato às discussões sobre a reforma política que patinam no Congresso Nacional.


O notório publicitário, que se tornou figura comum nas manchetes escandalosas que acompanharam o caso que a imprensa chamou de ‘mensalão’, foi denunciado por um fato anterior: a acusação de envolvimento no caixa 2 da campanha do agora senador Eduardo Azeredo, do PSDB, que em 1998 tentava se reeleger governador de Minas Gerais.


Valério e os supostos cúmplices, entre os quais figuram diretores do Banco Rural e o ex-juiz eleitoral Rogério Tolentino, teriam criado na ocasião o esquema de arrecadação de recursos com base em contratos superfaturados com empresas estatais. O dinheiro, desviado através de empresas controladas por ele, seria destinado a financiar a campanha de Azeredo. O magistrado teria recebido 300 mil reais para garantir que a candidatura de Azeredo não viesse a sofrer restrições na Justiça Eleitoral.


O publicitário está preso desde o dia 10 de outubro por envolvimento em outro caso de corrupção. Ele e o ex-juiz eleitoral Tolentino são acusados de comandar uma quadrilha que tentava chantagear fiscais da Receita Federal em benefício de empresas com problemas no Fisco.


Falta um empurrão


O leitor certamente se recorda de como a imprensa encheu páginas e páginas com o outro escândalo, aquele que envolveu o ex-ministro da Casa Civil José Dirceu e deputados da base aliada do governo federal.


Agora que o suposto articulador do esquema que parece ter se espalhado por toda a política nacional está na iminência de ir a julgamento, seria uma boa hora para reportagens investigativas que pusessem a nu essa velha prática.


Quem sabe, com um empurrãozinho da imprensa e o devido engajamento da opinião pública, não se consegue fazer com que o Congresso aprove uma lei que moralize as campanhas eleitorais.


Ou seria esperar demais da imprensa e do Congresso?


***


Consciência negra


O Dia da Consciência Negra, celebrado em 225 dos 5.561 municípios do país, não chegou a animar os jornais para um debate sobre a herança cultural africana ou as conseqüências da escravidão nas diferenças sociais que ainda marcam a sociedade brasileira neste século 21.


O dia, 20 de novembro, foi escolhido em função da data da morte de Zumbi, o líder do Quilombo dos Palmares, em 1695. A data deveria carregar, portanto, o espírito libertário e a marca da utopia, que caracterizaram a tentativa dos quilombolas de recriar em terra estranha uma sociedade que consideravam ideal. Mas os jornais de quinta-feira (20/11) oferecem pouco mais do que a programação cultural e de entretenimento para a efeméride.


A Folha de S.Paulo se limita a noticiar a programação do show de música marcado para a Praça da Sé, na capital paulista. O Estado de S.Paulo noticia que a estátua do marinheiro João Cândido Felisberto, líder da Revolta da Chibata, será reinaugurada na Praça XV, no Rio. O Estadão também reproduz debates sobre as divisões no chamado movimento negro no Brasil e as opiniões divergentes entre as lideranças da comunidade étnica sobre a eleição de Barack Obama nos Estados Unidos.


O Globo não produziu uma edição diferenciada, mas recheou o jornal de hoje com reportagens sobre a situação dos brasileiros de origem africana, mostrando que a Justiça ainda reluta em dar ganho de causa aos queixosos que tentam se valer da legislação anti-racista.


Também no Globo, destaque para uma consulta do Instituto Brasileiro de Pesquisa Social, segundo a qual 98% dos cariocas votariam num negro para governador do Rio, enquanto 96% afirmam que votariam num candidato negro para presidente da República.


Democracia racial


A imprensa não precisa de um dia especial para discutir as questões relevantes para a sociedade, mas as efemérides sempre servem para refrescar a memória e repensar a História.


No caso das relações étnicas e as diferenças sociais que ainda herdamos da escravidão, os jornais não consideraram importante aproveitar o Dia da Consciência Negra para esse debate.


E por aí seguimos, alardeando que o Brasil é a maior democracia racial do mundo. E soam os tambores e repicam os tamborins.

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem