Quarta-feira, 23 de Maio de 2018
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº988
Menu

IMPRENSA EM QUESTãO > CASO ISABELLA

Justiça e justiçamento

Por Afonso Caramano em 20/05/2008 na edição 486

Formalmente acusados e decretada a prisão preventiva de Alexandre Nardoni e Anna Carolina Jatobá, o caso Isabella segue, com ou sem tropeços, os trâmites legais – o que é mais do que desejável – e a mídia, em maior ou menor grau de sensacionalismo, cumpre o seu papel na cobertura dos acontecimentos, com enfoque especial nos últimos dias antes da prisão do casal.

Falta, talvez, uma reflexão mais aprofundada sobre o desdobramento dessa ordem de prisão, uma vez que os meios de comunicação, principalmente os telejornais, noticiam a via-crúcis do casal de um para outro presídio ou centro provisório de detenção como se fosse um fato natural.

Ninguém é ingênuo a ponto de ignorar as ‘normas’ que vigoram no interior de cadeias e penitenciárias e quanto intoleráveis possam ser, mas tampouco se justifica lançar à própria sorte pai e madrasta, indiciados por crime tão bárbaro. É dever do Estado zelar pela segurança dos acusados sob a sua guarda, ainda que temporária – o que nem sempre acontece quando se trata de menos favorecidos ou de implicados em casos com menor visibilidade na mídia.

Aprimorar os valores democráticos

Não parece saudável para a sociedade, todavia, cultivar qualquer sentimento de justiçamento como forma de punição que vai além da condenação que a própria justiça possa infligir aos réus.

Difícil, no entanto, não notar certo véu de hipocrisia a cobrir assuntos tão delicados – daí, a necessidade de se estar atento para o desenrolar dos fatos – e das ‘negociações’, de presídios a penitenciárias, para a preservação dos direitos dos indiciados enquanto aguardam o julgamento.

A mídia não deveria desprezar a oportunidade, suscitada por esse caso, de tocar em questões tão ásperas, buscando o esclarecimento e o entendimento das relações sociais e a constituição do poder, jogando assim um pouco de luz sobre os mecanismos de funcionamento do judiciário (incluindo o sistema prisional) e do Estado – uma oportunidade de aprimoramento dos valores democráticos e do papel dos meios de comunicação como prestadores de um serviço público de informação, numa sociedade que se quer mais justa.

******

Funcionário Público, Jaú, SP

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem