Quinta-feira, 13 de Dezembro de 2018
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº1017
Menu

IMPRENSA EM QUESTãO >

Lição de geopolítica

Por Jô Amado em 22/05/2007 na edição 434

Com 30 anos de trabalho em jornalismo essencialmente dedicados ao noticiário internacional, pensamos, levianamente, entender alguma coisa de geopolítica. A recente leitura de um artigo escrito por Hussain Agha, professor da Universidade de Oxford, no Guardian Weekly (4 a 10/5/2007), trouxe-me, cabisbaixo, de volta à devida humildade.

O assunto em pauta era a invasão e ocupação do Iraque por tropas norte-americanas.

Como se sabe, trava-se, no Congresso norte-americano, uma queda de braço entre a maioria democrata, que quer um programa para a retirada das tropas do Iraque, e Bush Jr., que não quer. Para a maioria dos observadores, a posição dos democratas é a correta, e desejada.

Pois talvez não seja. O professor Agha enumera, metodicamente, as posições dos principais atores políticos no Oriente Médio, explicando por que são – todos eles – contrários a uma saída dos norte-americanos do Iraque. A saber:

** Arábia Saudita, Egito e Jordânia – São os três principais aliados norte-americanos entre os países árabes. Uma saída norte-americana do Iraque teria, no Oriente Médio, a conotação de uma derrota, o que, objetivamente, enfraqueceria seus regimes. Num Iraque liberto, se imporia, certamente, a maioria xiita e, muito provavelmente, se construiria uma aliança com o Irã. A presença das tropas dos EUA no Iraque, torna-se, portanto, fundamental.

** Síria e Irã – Enquanto estão atoladas no Iraque, as tropas norte-americanas não têm condições de embarcar em outra aventura militar de grande porte. Além do mais, caso eventualmente atacassem a Síria ou o Irã, suas tropas no Iraque se tornariam alvos fáceis. A presença dos EUA no Iraque, torna-se, portanto, uma garantia fundamental.

** Turquia – Com as tropas norte-americanas no Iraque, é certo que os curdos não conseguirão um Estado independente. Um Iraque liberto, de maioria xiita e aliado ao Irã, seria com certeza tolerante para com as aspirações curdas.

** Israel – A saída das tropas norte-americanas do Iraque seria catastrófica. Fortaleceria as posições do Irã e da Síria, principais inimigos de Israel e colocaria o próprio país sob ameaça concreta.

** Iraque – Divididos, os grupos políticos iraquianos ainda procuram consolidar suas forças e seus programas. Apesar da maioria xiita, não é o momento propício para um confronto. A presença das tropas norte-americanas adia o problema e permite a busca de um engajamento político mais sólido e profundo.

** Al-Qaeda – A organização cresceu com a ocupação das tropas norte-americanas. Além disso, para os sunitas, a presença das tropas norte-americanas impede uma tomada total do poder pelos xiitas.

Seria gratificante se os editores do noticiário internacional de nossos jornais lessem um pouco mais. Quem sabe, escapariam da rotina facciosa, parcial e medíocre que, objetivamente, em nada contribui para a informação.

******

Jornalista

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem