Quarta-feira, 20 de Setembro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº958

IMPRENSA EM QUESTãO > OS MIMOS DA VEJA – 3

Meditações sobre o jabaculê

Por Luís Antônio Giron em 04/10/2005 na edição 349

O i-Pod distribuído à imprensa pela cantora Maria Rita ajudou na promoção do seu novo CD? A crítica pode ser comprada por 100 dólares, o valor do aparelho? Até onde a imprensa pode atacar sem consultar as fontes?


No Brasil, não vale o ditado ‘quem não deve não teme’. Por aqui, de fato, quem não deve tem muito a temer. Vejam o que acaba de acontecer comigo. Eu, jornalista, com mais de 20 anos de carreira na área cultural, estou sentindo na carne o que muitos cidadãos já sofreram: o ataque calunioso de um veículo poderoso da imprensa e a diferença entre o espaço dado à acusação e o conferido à defesa. Fui vítima do próprio meio em que trabalho. É também uma oportunidade para refletir outra vez sobre o papel do jornalismo e para elaborar uma pequena meditação sobre o jabaculê, ou jabá, que é como a indústria da música a propina dada a DJs e a jornalistas em troca de espaço na mídia.


Mesmo que minha consciência esteja limpa e eu não deva nada a ninguém, mesmo que minha honestidade continue preservada, tenho tudo a temer. Estou com medo da espetacularização da notícia a qualquer preço, notícia que chega ao leitor sem apuração, sem ouvir o outro lado, criando factóides que não se apóiam na realidade. É a síndrome da Escola Base (a escola e a reputação de seus donos destruídas nos anos 1990 em São Paulo por uma campanha unilateral da imprensa) aplicada aos intestinos do jornalismo.


O fato é o seguinte: a revista Veja publicou nesta semana – edição 1.925, ano 38, nº 40, datada de 5 de outubro de 2005 – matéria não-assinada com o título ‘O mensalão da filha de Elis’. Ela conta como a cantora Maria Rita teria se valido de um expediente típico do jabaculê para divulgar seu novo CD, Segundo. Sua gravadora, a Warner, distribuiu duas ou três dezenas de aparelhos i-Pod shuffle a diversos veículos de comunicação brasileiros.


Com isso, a cantora teria obtido matérias em revistas e jornais. Em uma passagem que me toca especialmente, a matéria afirma que a gravadora ‘matou dois coelhos de uma cajadada’, valendo-se do jornalista de Época e colaborador da revista Bravo – ou seja, eu, Luís Antônio Giron – que ganhou um i-Pod e, em troca, fez dois favores à Warner: ‘Ele escreveu uma matéria simpática na revista e outra mais elogiosa ainda na Bravo!, publicada pela Editora Abril, o mesmo grupo de Veja‘. Em seguida, afirma que ‘poucos veículos recusaram o jabá da gravadora’.


Sem ‘outro lado’


Ficou evidente que eu não havia devolvido o i-Pod. Mas se trata de uma grande calúnia, pois não apenas devolvi o aparelhinho, sem nem tocá-lo, à assessoria da cantora no dia 15 de setembro, dois dias depois de ter sido entregue a mim (sem que eu pedisse), como não fiz matérias ‘simpáticas’ à cantora. Na matéria da Época, escrevi que Maria Rita ‘fracassa’ ao tentar fugir da influência dos pais. Na da Bravo!, fiz uma reflexão em estilo de improviso sobre como não consigo ouvir Maria Rita com ouvidos inocentes. De fato, para mim, é impossível ouvi-la sem pensar na mãe. Portanto, as duas matérias, cada uma para um fim, trataram criticamente e de forma independente o CD.


Para a Época, fiz uma entrevista. Para Bravo!, uma ‘pensata’ crítica. E, outra vez, devo dizer que o aparelhinho com valor médio de R$ 240, enviado a título de material suplementar aos jornalistas (o preço de uma caixa de 6 DVDs ou de muitos outros materiais enviados à imprensa a título de divulgação, sem caracterizar o jabá, como veremos adiante), foi devolvido gentilmente à Warner. Achei que não era lá muito justo receber um objeto do desejo de consumo, mesmo que sem nenhum tipo de obrigação, embora não gostasse de causar qualquer constrangimento à gravadora com algo que soasse como uma desfeita. Consultei o diretor de Redação da Época, devolvi o aparelho à assessoria da Warner e fiquei tranqüilo.


Não devia dar qualquer satisfação sobre isso. Mas, pelo jeito, nada disso tem importância. O fato mais importante no caso dos redatores da reportagem da Veja foi que nem sequer tomaram o cuidado de me ouvir, ou seja, conferir o famoso ‘outro lado’ da investigação. Ao não fazer isso, incorreram em erro e praticaram uma calúnia, ao dizer que o jornalista da Época reteve o aparelho. Fiquei sabendo do caso ainda na sexta-feira por meio da diretoria da Bravo!. Fui informado de que dois velhos amigos meus trataram de produzir a peça acusatória: um repórter de música que trabalhou no Notícias Populares na época do escândalo da Escola Base e com quem tive ocasião de conviver fraternalmente em várias ocasiões e o redator-chefe da Veja, velho companheiro dos tempos da Folha e pessoa a quem devoto o maior respeito e admiração.


Defesa no escuro


Bom, dirão os incautos, com amigos assim a gente não precisa de inimigos. Pois, na sexta-feira (30/9), passei o dia tentando falar com eles, ligando para a redação para que a matéria fosse corrigida. Eu havia devolvido o i-Pod. Depois de muito esforço, Sérgio Martins me ligou para se desculpar, afirmando algo como ‘não sou policial, não tenho nada a ver com isso, foi matéria encomendada’. Mas, Sérgio, por que você não ligou para mim ao menos para saber se era verdade? Não ligou, disse, por vergonha. Tentei contactar Mario Sabino o dia todo, sem sucesso. No final da tarde, a Veja disse que a matéria estava fechada, sem possibilidade de correção. Sem saber do que se tratava, pois não me mostraram o seu conteúdo, escrevi uma carta à redação me defendendo.


A carta saiu espremida na última página das cartas, evidentemente cortada na parte em que digo que a Veja não me ouviu. Transcrevo aqui o e-mail original (grifando o que não saiu publicado):




‘Prezados Senhores,


Quero esclarecer que o aparelho i-Pod, enviado para os jornalistas de música dos principais veículos da imprensa, inclusive para mim, colaborador da revista Bravo e editor de Cultura da revista Época, foi devolvido à assessoria de imprensa da cantora Maria Rita, intacto. Meu trabalho como crítico sempre se pautou pela independência e jamais aceitei qualquer tipo de oferta em troca de minha liberdade de opinião. Mais: minha atitude me foi prejudicial em muitas ocasiões.


Não fui ouvido por Veja.


O CD Segundo (Warner) de Maria Rita é de ótima qualidade e a cantora obteve na imprensa o espaço que lhe é merecido. Exijo que este esclarecimento seja publicado na edição atual. Caso contrário, tomarei as medidas legais cabíveis.’


O fato é que acabei servindo aos propósitos da Veja, que estampou o texto para se resguardar de um possível processo. Eu tentei me defender no escuro, pois não me foi dado o direito de ler a reportagem. E a Veja não ouviu o outro lado, não me procurou para saber a verdade. Além de ferir uma regra do jornalismo, os jornalistas que não tiveram coragem de assinar o nome: cometeram uma atrocidade, caluniaram um colega, sob pretexto de denunciar um jabá que não existiu. A defesa, como sempre, é bem menor que a acusação. Com amigos assim…


Posição invendável


Arrisco afirmar que a Veja atuou dessa forma inescrupulosa, chamando essa ótima cantora de ‘filha de Elis’ e omitindo autores, porque, em 2003, segundo fui informado, a revista, como é de seu hábito, exigiu exclusividade sobre a matéria e a entrevista. Não obteve o privilégio, pois Maria Rita teve o bom senso de manter a democracia da informação. Com a negativa, a revista publicou apenas uma nota sobre o primeiro CD, que se tornou o maior fenômeno da MPB naquele ano, tendo vendido 700 mil exemplares. Agora, com o segundo CD, a Veja resolveu retaliar a cantora com uma matéria supostamente de denúncia. Atingiu a reputação da cantora e dos jornalistas de outros veículos. Tudo para figurar como isenta.


A prepotência dessa revista de grande circulação é já antiga. Várias personalidades do mundo cultural já foram vítimas de seus ataques irracionais. Mas jamais esperaria tamanha destemperança. Primeiro, porque Maria Rita, ótima cantora, não precisa distribuir i-Pod a jornalistas. Seu valor como intérprete é suficiente para ocupar os espaços que merece.


Segundo, porque a questão do jabaculê é muito outra. Jornalistas de cultura vivem recebendo produtos de gravadoras, distribuidoras e recebendo convites para viagens e outras mordomias. Isso não configura corrupção, se o veículo e o jornalista deixam evidente que a posição do veículo e do autor são invendáveis. Em geral, recebemos material de trabalho. Centenas de livros, CDs e DVDs que são ruins descarto – nas chamadas ‘feirinhas’ da redação, quando tudo isso é distribuído. No Natal, parte desse material é doado a crianças pobres. O material acaba sendo útil de alguma forma. E guardo muito CD, DVD e livro que recebo. Minha obrigação é ser claro na opinião e honesto com o leitor. A gente chama de jabá por brincadeira o material recebido – mas ele é bem-vindo e útil. Empresas jornalísticas não têm como bancar tudo quanto é produto.


Razões ocultas


Jabaculê mesmo é outra coisa, é o ato de corrupção de uma gravadora, interessada em promover uma música ou um artista, realizado em associação com emissoras de rádio, que exigem dinheiro alto para executar faixas de música. Nada a ver com o i-Pod mandado aos jornalistas. Apesar de entender o gesto da gravadora, tratei de devolver porque seria reter um aparelho que não se esgota no produto – no caso, o CD Segundo, de Maria Rita. Houve jornalistas que receberam o i-Pod, ficaram com ele e falaram mal do CD de Maria Rita. Não vejo problema nisso. É uma questão de opção e consciência crítica. E a crítica tem que se pautar pela independência, como sempre me pautei.


Jabaculê mesmo é coisa séria. E nunca testemunhei jabaculê real em redações de jornais e revistas onde trabalhei. O patrimônio do jornalista é o seu nome. Considero obviamente inestimável o valor do meu nome; jamais me vendi por um prato de lentilhas, um aparelho de som ou mesmo por qualquer quantia. A calúnia de que fui alvo deverá ser reparada. Sinto-me como aqueles donos da Escola Base, que não tiveram como se defender da sanha da grande imprensa. No meu caso, tudo vai passar, porque a verdade prevalecerá sobre a calúnia.


Quem não deve pode temer, mas precisa ir à luta. Estou pronto para polemizar mais uma vez. Até onde a grande imprensa pode avançar em supostas denúncias sem consultar as fontes, em nome de razões ocultas, que o público desconhece? Calúnia continua sendo crime ou a imprensa tem o direito de fazer o que quer em nome do espetáculo?

******

Jornalista, São Paulo

Todos os comentários

  1. Comentou em 23/03/2008 Celia Almeida

    No Programa Observatório da Imprensa, da TV Brasil, de 23/02/2008, a jornalista Ana Paula Sosa fez a seguinte observação: ‘comunicação no Brasil é terra de ninguem ‘. Ela publicou alguma coisa sobre isso na Carta Capital? Gostaria de ter mais referencia sobre esse tema e saber quem exatamente usou essa expressão.

  2. Comentou em 23/03/2008 Celia Almeida

    No Programa Observatório da Imprensa, da TV Brasil, de 23/02/2008, a jornalista Ana Paula Sosa fez a seguinte observação: ‘comunicação no Brasil é terra de ninguem ‘. Ela publicou alguma coisa sobre isso na Carta Capital? Gostaria de ter mais referencia sobre esse tema e saber quem exatamente usou essa expressão.

  3. Comentou em 04/04/2007 Fernandes Moreira

    A questão do JABÁ no Brasil está se tornando insuportável, isto prejudica terminantemente não apenas a nossa cultura, mas todos os segmentos do país atualmente, porque esta propina não mais está somente na música e/ou artistas enlatados que as gravadoras pagam para que sejam vinculados nas emissoras de rádio e tv as está em uma grande parte dos veículos de comunicação do país, em notícias tendenciosas que previlegiam algum grupo ou pessoa, etc.
    É preciso combater o jabá que está prejudicando a maioria da população brasileira que está refem de um sistema que realiza o desejo de uma minoria que fica com a maior parte do que nosso país produz.
    Também é preciso mostrar a realidade de veículos de comunicação que defendem este sistema e escondem a realidade brasileira.

  4. Comentou em 04/04/2007 Fernandes Moreira

    A questão do JABÁ no Brasil está se tornando insuportável, isto prejudica terminantemente não apenas a nossa cultura, mas todos os segmentos do país atualmente, porque esta propina não mais está somente na música e/ou artistas enlatados que as gravadoras pagam para que sejam vinculados nas emissoras de rádio e tv as está em uma grande parte dos veículos de comunicação do país, em notícias tendenciosas que previlegiam algum grupo ou pessoa, etc.
    É preciso combater o jabá que está prejudicando a maioria da população brasileira que está refem de um sistema que realiza o desejo de uma minoria que fica com a maior parte do que nosso país produz.
    Também é preciso mostrar a realidade de veículos de comunicação que defendem este sistema e escondem a realidade brasileira.

  5. Comentou em 18/10/2005 Renato Caetano

    Louvo o desabafo de Luis A. Giron e solidarizo-me após o explicado.
    É exaustivo e desgatante o rolo compressor que tornou-se esse folhetim chamado Veja.
    Chego a me perguntar se os editores acreditam mesmo que fazem jornalismo sério.
    O excesso de lixo jornalístico, atingiu seu ápice com a matéria sobre o referendo.
    Quanto a Veja tenho que confessar que sim, ela me leva a sério questionamento: deixar essa excrecência mal cheirar nas prateleiras.
    Cumprimento A.Dines que mais uma vez, expõe com sobriedade esse lado negro do jornalismo.

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem