Quarta-feira, 22 de Maio de 2019
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº1038
Menu

IMPRENSA EM QUESTãO >

Muita coisa melhorou e nem percebemos

Por Alberto Dines em 29/08/2006 na edição 396

Bem-vindos ao Observatório da Imprensa.


Há 44 anos foi regulamentado o horário eleitoral gratuito para garantir um mínimo de eqüidade na propaganda política. Não se confiava na capacidade da mídia eletrônica de comportar-se com isenção e equilíbrio. Paradoxalmente, a implementação desta idéia intrinsecamente democrática aconteceu três anos depois, em 1965, na primeira fase do regime militar.


Muita coisa aconteceu nestas quatro décadas. A mais importante foi a reviravolta na atitude da mídia eletrônica, que resolveu assumir a sua responsabilidade no esclarecimento da sociedade diante dos candidatos e partidos.


A primeira novidade foi a introdução dos debates entre os postulantes à presidência da República, seguindo o modelo americano. Depois vieram as sabatinas para a mídia impressa e, neste ano, introduziu-se outra inovação: as séries de entrevistas com os candidatos nos principais telejornais noturnos.


Então, pergunta-se: o que funciona melhor, o horário eleitoral gratuito e obrigatório ou a ação espontânea das emissoras de rádio e televisão? Os dois instrumentos são suficientes? E como conseguir que as listas de candidatos aos legislativos sejam submetidas a um escrutínio mais rigoroso? A mídia teria condições de investigar a vida pregressa dos 20 mil candidatos aos diferentes cargos em todo o país? Ou isso é tarefa dos partidos? E os nossos partidos, são confiáveis?


Uma coisa é certa: de 1962 a 2006 muita coisa melhorou. Nem percebemos.

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem