Sábado, 20 de Julho de 2019
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº1046
Menu

DOSSIê MURDOCH - PARTE 2 >

New York Times ganha 1 assinante digital por minuto

Por Patrícia Campos Mello em 29/11/2011 na edição 670

O New York Times está ganhando um novo assinante digital por minuto, segundo Isabel Sicherle, diretora para América Latina, México e Caribe do jornal.

Desde que a empresa implementou seu “paywall” (muro de cobrança), em março, conquistou 325 mil assinantes digitais, mais 100 mil assinantes por meio de um acordo com a Ford e 800 mil assinantes do impresso que têm acesso ao on-line.

“A avaliação é que o sistema de assinaturas digitais é um sucesso: nosso modelo de cobrança está correto e nosso público está preparado para pagar”, disse Sicherle em palestra no Seminário Internacional de Jornais da Inma (International Newsmedia Marketing Association), em São Paulo.

“É como música digital: as pessoas se acostumaram a pagar e não reclamam mais.”

O “paywall” é o sistema pelo qual os jornais dão acesso a seu conteúdo on-line. No caso do NYT, o leitor tem acesso gratuito a 20 artigos por mês. A partir daí, precisa ter uma assinatura, cujo preço varia de US$ 15 a US$ 35, de acordo com o pacote oferecido (acesso de smartphone, internet e tablet).

Mesmo com o início da cobrança pelo acesso digital, o jornal não perdeu tráfego. Antes do “paywall”, eram 50 milhões de visitantes únicos, número que caiu para 45 milhões logo após a introdução da cobrança e agora voltou à faixa dos 50 milhões.

O sucesso com as assinaturas digitais tem permitido ao jornal investir em sua ampla cobertura internacional -são 48 sucursais ao redor do mundo- e em seu laboratório de pesquisa e desenvolvimento, disse Sicherle.

Não negligenciar

Em sua palestra, o editor-executivo da Folha, Sérgio Dávila, ressaltou que o jornal já está em avançado estágio de integração do on-line e do impresso, mas o que norteia o grupo ainda é o papel.

“O papel tem muito mais credibilidade: uma manchete de seis colunas tem muito mais peso que uma on-line.”

“E, de cada US$ 100 que entram na Folha, US$ 90 vêm do papel; o meio on-line é badalado e atraente, mas a base é pequena.”

Ricardo Gandour, diretor de conteúdo de O Estado de S. Paulo, também sublinhou a necessidade de não negligenciar o jornal impresso.

“É importante não nos esquecermos de inovações na mídia existente, não investir apenas nas novas mídias.”

Laboratório digital

O grupo RBS investiu R$ 2 milhões em um laboratório digital que fica no centro de tecnologia da PUC-RS, com 85 profissionais contratados.

Segundo Marta Gleich, diretora de internet do Zero Hora, eles criam aplicativos para tablets, games ligados a conteúdo e infografia digital.

***

[Patrícia Campos Mello é repórter da Folha de S.Paulo]

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem