Quinta-feira, 14 de Novembro de 2019
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº1063
Menu

IMPRENSA EM QUESTãO >

Nós não vamos pagar nada?

01/09/2009 na edição 553

Chris Anderson, editor da revista de tecnologia e novas tendências
Wired e um dos pensadores da internet, é o promotor de dois conceitos
muito caros a esse meio. O primeiro é a ‘teoria da cauda longa’, estratégia de
negócio segundo a qual a meta é vender poucas unidades de muitos e variados
itens, o que substituiria o popular modelo dos best-sellers.


O segundo é o que ele chama de freeconomics ou a economia das coisas
de graça, alicerçada no fato de que o custo de armazenamento e transmissão de
conteúdo digital baixa cada vez mais. De onde vem o dinheiro? Do conceito
freemium, junção das palavras free e premium: a maioria
consome de graça (‘free’), bancada por uma minoria que paga por uma versão de
mais qualidade (‘premium’).


Ambos os conceitos foram desenvolvidos em artigos, viraram palestras e
livros. O segundo surgiu recentemente em livro nos EUA e chegou neste mês ao
Brasil. É Free – O Futuro dos Preços (Free – The Future of a Radical
Price, no original). Nele, e na entrevista que deu à Folha por telefone,
Anderson defende que, sim, diferentemente do que popularizou o economista Milton
Friedman (1912-2006), existe almoço de graça – desde que a sobremesa seja bem
paga por alguém.


Nos EUA, a versão eletrônica do livro ficou disponível gratuitamente por
alguns dias. Agora é vendida por US$ 26,99 [R$ 50], em papel, e US$ 9,99, versão
eletrônica – o audiobook em inglês continua de graça e pode ser baixado
do site do autor.


No Brasil, só papel e só a dinheiro: R$ 59,90 por 88 páginas. A editora
Elsevier já vendeu a primeira tiragem, de 10 mil cópias, prepara a segunda e
colocou os três primeiros capítulos de graça aqui.


***


Se a informação quer ser livre/de graça, por que tenho de pagar R$ 59,90 para
ler seu livro?


Chris Anderson – Não tem. Poderia ir ao site e baixar o audiobook
gratuitamente.


Sim, mas quem quer ler em português, caso da maioria dos leitores
brasileiros, tem de desembolsar.


C.A. – Cada região tem um editor diferente, cada um tem um enfoque
diferente para isso, uma estratégia própria. Nos EUA, era de graça. No Reino
Unido, na Bélgica. A única parte que eu controlo é o audiobook. Eu
encorajei todos os editores a dar o livro, alguns aceitaram, outros não.


Por que um editor pagaria milhares de dólares pelos direitos de seu livro,
outro tanto para traduzir, mais ainda para imprimir e distribuir e finalmente
daria de graça aos leitores brasileiros? Faz sentido economicamente?


C.A. – O livro trata disso extensivamente, mas sim, eu acredito que, se
feita corretamente, essa ação vai levar a mais vendas do livro, não a menos.
Você não precisa dar a versão física, pode dar a digital. E, se você acredita
que a versão física é a premium, que as pessoas ainda preferem ler em
papel por todas as razões óbvias, para manter, fazer anotações, ler na praia,
então não precisa temer dar a versão digital de graça, pois será uma forma de
marketing, de amostra que vai promover a física.


Em seu livro, o sr. defende que sim, há almoço de graça, no sentido de que há
toda uma economia florescendo baseada em dar os produtos, e não vender. Como
isso funciona no caso específico da indústria de conteúdo?


C.A. – Em primeiro lugar, não há nada de novo aí. O que está mudando é o
conceito, que evoluiu de um truque de mercado para um modelo econômico. Essa
mudança é impulsionada pela indústria tecnológica. A ideia de conteúdo livre tem
cem anos: rádio é de graça, TV aberta é gratuita. O problema é que agora
anúncios não são mais suficientes para sustentar o modelo. Daí o que chamo de
freemium, onde você dá a maior parte de seu conteúdo de graça, mas
reserva parte dele, geralmente a melhor parte, para os que pagam.


O sr. cita Brasil e China como a nova fronteira da freeconomics e a
forte presença de pirataria nos dois países como algo positivo. Como a pirataria
pode ser benéfica para uma economia?


C.A. – Pirataria é uma palavra mal compreendida. Nem todo o conteúdo
distribuído dessa maneira é pirata. Alguns são, outros são ‘pirateados’, entre
aspas, por vontade dos autores, que valorizam a distribuição gratuita. Um dos
exemplos que dou é o tecnobrega brasileiro. Não é pirataria, porque os autores
autorizam os camelôs a reproduzir e vender os CDs sem lhes pagar nada.


Meu ponto é: conteúdo digital pode ser copiado e distribuído a um custo cada
vez mais próximo de zero e, de uma maneira ou de outra, vai ser distribuído.
Usar os mesmos canais de distribuição dos piratas será uma decisão de cada
artista. Mas o fato é que essas são as forças motoras da atual economia, são
intrínsecas à internet e à era digital e impossíveis de serem contidas. A
pirataria não é boa para a economia, mas a distribuição gratuita sim, e os
piratas são os primeiros a usá-la.


O sr. diz ter problemas com as palavras ‘mídia’, ‘jornalismo’ e ‘noticiário’.
Por quê?


C.A. – Eu sei o que ‘mídia profissional’, ‘jornalismo profissional’ e
‘noticiário profissional’ significam. Mas como chamar quando isso é produzido
por amadores? A maior parte do que eu leio hoje em dia está on-line e não vem
desses canais. Está no Facebook, no MySpace, no Twitter, em blogs. Leio sobre
amigos, família, hobbies. O que é isso? Eu não acho que a palavra ‘jornalismo’
descreve o que está acontecendo. Acho que precisamos de novas palavras.


Ao mesmo tempo uma breve visita a sua conta no Twitter revela que o sr. segue
o
New York Times, a revista New Yorker e várias outras contas da
chamada mídia tradicional. Além disso, seu trabalho principal vem de editar uma
revista de papel, a
Wired. Como o sr. concilia isso?


C.A. – Nós vivemos num mundo de hipermídia, onde não temos mais o
monopólio sobre a atenção do leitor. Acho que há um papel para a mídia
tradicional, mas há também um papel crescente para todo o resto. Nós vivemos em
ambos os mundos. Você não vive em ambos os mundos?


Mas o sr. é o evangelista desse novo mundo e edita uma revista do velho
mundo. Como concilia os dois?


C.A. – Nós usamos o modelo freemium. O que está na wired.com é de
graça, faturamos um pouco com a publicidade online, e isso levanta assinaturas
para a revista, que é o nosso premium.


Se o sr. me dá o conteúdo de graça online, por que eu pagarei por ele na
revista?


C.A. – Porque não é o mesmo conteúdo, as palavras podem ser as mesmas,
mas a revista é mais que palavras, é um pacote visual, com fotos, arte e um
conceito de edição. De graça, você não tem o pacote.


***


Conta dividida


Se a informação quer ser livre, como defende boa parte da blogosfera e o
modelo sugerido por Chris Anderson em seu livro parece concordar, os jornalistas
que a produzem querem ser pagos. Ou, no dizer de Bill Keller, editor-executivo
do New York Times, informação de qualidade custa caro.


‘Da última vez em que eu estive em Bagdá, não vi uma sucursal do
Huffington Post, do Google ou do Drudge Report, porque nenhum
deles está lá’, disse ele em entrevista recente ao Daily Show, do
comediante Jon Stewart, citando os agregadores de notícias mais populares dos
EUA – com exceção do Post, nenhum tem equipe própria de jornalismo.


O Times mantém um escritório de uma dezena de jornalistas no Iraque,
uma operação de custo anual estimado entre US$ 2 milhões e US$ 3 milhões. ‘Não
estão lá porque é caro, porque é perigoso’, continuou Keller. ‘É muito mais
fácil ficar em casa e pegar carona no trabalho feito pelos outros.’


Lideradas pelo New York Times e pela News Corporation, de Rupert
Murdoch, que publica o Wall Street Journal, entre outros, as principais
empresas jornalísticas dos EUA estão prestes a acabar com a ‘carona’ – ou pelo
menos a coibir, rachando a conta.


Desde o fim do semestre passado, representantes desses e de outros títulos,
como o Washington Post e o USA Today, vêm se reunindo em busca de
um modelo de negócios para seu conteúdo online que substitua o adotado pela
maioria no começo dos anos 90, que se provaria insustentável.


Naquele momento, quando a internet começava a se popularizar, e
diferentemente de no Brasil, as grandes empresas decidiram liberar suas versões
online, cobrando apenas pelo produto impresso. Na maior parte dos casos, tudo o
que está no papel pode ser encontrado de graça no site. Esperava-se que a
publicidade migrasse de meios, o que não aconteceu.


Uma das exceções a esse modelo inicial foi o Wall Street Journal. O
diário nunca abriu o site e tem hoje uma base de assinantes online de pouco mais
de um milhão de pessoas, que pagam US$ 103,48 por ano (R$ 196,61). Fala-se que o
New York Times poderia começar a cobrar US$ 5 (R$ 9,50) por mês pelo
acesso de seu site, hoje totalmente aberto e gratuito, ou pelo menos pelo acesso
a partes de seu site, que seriam fechadas –o tal modelo freemium que
Anderson defende.


Por ser o mais prestigioso, de interesse geral e nacional, o Times
funcionaria como o pioneiro que causaria um efeito dominó a ser seguido pelo
resto da indústria local. Outro movimento aguardado é o de Murdoch, que vem
dando sinais de que pode implantar o modelo do wsj.com em todos os outros
jornais de seu grupo.


A ideia não desagrada Chris Anderson. ‘Dependendo do que me oferecessem, eu
pagaria US$ 5 por mês para ter acesso on-line ao New York Times‘, disse.
‘Mas não acho que eles vão fechar tudo.’ (Sérgio Dávila)

******

Correspondente da Folha de S.Paulo em Washington

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem