Quarta-feira, 12 de Dezembro de 2018
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº1017
Menu

IMPRENSA EM QUESTãO >

Noticiário confunde o leitor

Por Luciano Martins Costa em 21/11/2008 na edição 512

Quanto mais se aprofunda no noticiário sobre a tal Operação Satiagraha, mais a imprensa mergulha o leitor em confusão. Não bastasse o noticiário ser alimentado por vazamentos da própria Polícia Federal, as redações ainda são bombardeadas pela atividade intensa de jornalistas e advogados a serviço do banqueiro Daniel Dantas, cujo interesse é desacreditar a investigação policial.


Mas a razão mais evidente da confusão parece ser certa dificuldade dos editores de organizar suas páginas segundo a lógica e a relevância dos fatos.


Em uma faixa do noticiário, temos o caso em si: um banqueiro vistoso, que começou a se destacar no cenário dos negócios com a ajuda do Estado, no processo de privatização das empresas de telefonia, é acusado de aumentar seu poder e patrimônio à custa de fraudes, lavagem de dinheiro e cooptação de autoridades.


Em outra faixa, temos as suspeitas de que, durante a investigação, a Polícia Federal se associou à Agência Brasileira de Inteligência (Abin) e abusou do uso de escutas telefônicas e monitoramento de correspondência eletrônica.


Na terceira faixa, cruzam-se os procedimentos legais do caso em si e as repercussões da ação policial nos órgãos superiores da magistratura, no Executivo e no Congresso Nacional.


Fato principal


Assim, a leitura de tudo que foi publicado ao longo desta semana conduz o cidadão, inicialmente, a entender que a Polícia Federal e a Abin se associaram para a prática de abusos e ilegalidades, o que poderia levar à anulação do processo contra o banqueiro Dantas.


Depois, a partir de declarações colhidas no congresso de delegados federais, o leitor é conduzido a outra abordagem, levantando-se a suspeita de que a tentativa de colocar sob controle a atividade policial seria uma manobra para favorecer o banqueiro.


Finalmente, revela-se que a investigação realizada inicialmente pelo delegado Protógenes Queiroz, afastado do caso por exigência de autoridades superiores da República, foi complementada por outro delegado, que acabou comprovando as denúncias originais contra Daniel Dantas.


Agora a imprensa precisa esclarecer que, independentemente de eventuais abusos no uso de grampos telefônicos, subsistem razões objetivas para o processo contra o banqueiro seguir adiante.


Esse ainda é o fato principal na confusão chamada Satiagraha.


 


Leia também


Um farol no mar de intrigas – L.M.C.

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem