Quinta-feira, 23 de Novembro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº967

IMPRENSA EM QUESTãO > IMPRENSA ALAGOANA

Notícias por ‘motivação política’

Por Anderson Santos em 23/03/2010 na edição 582

Uma notícia movimentou os meios de comunicação alagoanos neste início de mês. Segundo a gerente de um cinema recém-implantado num shopping da capital, policiais civis tentaram entrar de graça na primeira sessão de uma segunda-feira (8/3). Como ela não permitiu, eles chamaram reforço e levaram-na presa. Os policiais afirmaram que estavam numa operação para verificar tráfico de drogas no cinema. Porém, não apresentaram nenhum documento e depois não continuaram na suposta operação.

O assunto infestou o noticiário durante toda a semana, com direito a matérias em telejornais nacionais (Jornal Hoje, Jornal Nacional, Jornal da Record e Fala Brasil). Em meio às tentativas de explicação, o secretário de Estado da Defesa Social, Paulo Rubim, afirmou em entrevista coletiva, no dia seguinte ao ocorrido, que a atuação da imprensa, especificamente do grupo Gazeta de Alagoas, neste caso tinha motivação política.

A base para tal possibilidade é o cada vez mais próximo período eleitoral, que nos bastidores já começou desde o fim do ano passado. Como alguns devem saber, o maior grupo comunicacional de Alagoas pertence à família do senador Fernando Collor de Mello (PTB). O ex-presidente do Brasil é um dos nomes que formam o ‘chapão’, agora ‘Frente Popular’, que aturará em oposição ao atual governador do estado, o ex-senador Teotônio Vilela Filho (PSDB).

O caso da ‘carteirada’

Fazem parte do grupo, que se caracteriza por ser formado pelos partidos da base do governo Lula, nomes como o do senador Renan Calheiros (PMDB) e o ex-governador, e pré-candidato a um novo mandato, Ronaldo Lessa (PDT), além de partidos como PT e PCdoB.

Com o período de disputa eleitoral praticamente em vigor, ficará difícil afirmar por essas bandas o que é ou não produção de matéria por motivação política. Afinal, sempre é mais fácil apontar a ausência de determinado assunto na pauta deste ou daquele noticiário do que a existência de matérias que prejudiquem alguém.

Em Alagoas, ficando nos grupos televisivos, as três TVs privadas pertencem a três grupos políticos: a TV Gazeta, à Organização Arnon de Mello; a TV Alagoas, à família Sampaio (do ex-vice-governador Geraldo Sampaio); e a TV Pajuçara, a uma sociedade entre o ex-deputado federal José Thomaz Nonô (DEM) e o senador João Tenório (PSDB), que também possui ações na TV Gazeta.

Neste caso específico da ‘carteirada’ no cinema, a TV Pajuçara, cujos dois sócios são aliados do governador Téo Vilela para as próximas eleições, também fez matérias e teceu comentários sobre o assunto. Além disso, a TV Record, cuja emissora é retransmissora, também noticiou o fato – com o erro de afirmar que a gerente do cinema era bilheteira.

Não perde por esperar

A única diferença que pode ser apontada é que em dois dias os apresentadores do ALTV 1ª edição, jornal do horário do almoço da TV Gazeta, dialogaram por cerca de dez minutos sobre o tema, mostrando a proibição da entrada gratuita dos policiais, até mesmo com citação de artigos de lei, estando fora de serviço. Porém, isso ocorreu depois da reclamação do secretário.

Se isso ocorre no ramo televisivo, imagine-se o que vai ocorrer com as rádios – a imensa maioria nas mãos de políticos espalhados na capital e no interior. Além dos candidatos oriundos de programas de rádio e de TV, que já começaram a campanha, seja apontando ainda mais os erros dos governantes ou até mesmo largando estúdios com condicionador de ar para fazer matérias nas favelas da capital. O período para afastamento dos meios de comunicação – algo que esse tipo de candidato reclama – está próximo, mas os repórteres saem na frente dos demais por terem ampla divulgação de suas visitas e de suas propostas.

Do outro lado, os meios de comunicação continuarão a mostrar o que quiserem de quem quiserem. O período eleitoral só vai focar um ponto ou outro da pauta ‘jornalística’, no que a lei eleitoral ainda permite. Se o secretário reclamou de motivação política numa notícia que só existiu pela tradicional (em todo o Brasil) ‘carteirada’ de policiais, ele não perde por esperar o que virá nos próximos meses.

******

Estudante de Comunicação Social (Jornalismo) da Ufal, Maceió, AL

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem