Sexta-feira, 15 de Dezembro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº970

IMPRENSA EM QUESTãO > NOTICIÁRIO ECONÔMICO

Números para dar e vender

Por Luciano Martins Costa em 30/01/2009 na edição 522

Os jornais encerram a semana como começaram: destacando seletivamente as notícias mais pessimistas do período e escondendo os primeiros sinais de ordem na economia.


O resultado deve ser, inevitavelmente, mais confusão nas mentes dos leitores. Basta ler as seções de cartas e os comentários em alguns dos blogs que complementam o noticiário dos principais grupos de comunicação do país para observar que muitos leitores confundiram as notícias sobre desemprego e queda da atividade industrial – isto porque alguns se prenderam aos números do último trimestre de 2008, especialmente os de dezembro, enquanto outros levaram em conta os dados anuais.


Na mesma semana em que a queda da atividade industrial em dezembro era destacada em manchetes nos diários considerados de circulação nacional, os jornais especializados em economia cumpriam a tradicional tarefa de analisar os indicadores anuais.


Resultado: a atividade industrial bateu recordes e a taxa de desemprego foi menor durante todo o ano de 2008, em relação a 2007.


No entanto, durante toda a semana, as notícias na chamada grande imprensa sobre o aumento do desemprego em dezembro foram mais destacadas do que a queda do desemprego durante todo o ano de 2008. Além disso, ficaram bem escondidos na sopa de letras os primeiros acordos entre empresas e trabalhadores, alguns com garantia de emprego até o fim de maio.


Notícia isolada


Afinal, o que aconteceu?


A indústria brasileira acelerou a produção no fim de 2008, diante das perspectivas de um Natal festivo por causa das compras da nova classe média e também por causa das condições favoráveis de financiamento oferecidas ao longo do ano.


A bolha no mercado imobiliário americano estourou em setembro. Diante do noticiário catastrofista que se seguiu, o comércio começou a se retrair imediatamente, cancelando encomendas.


A indústria exportadora, de grande visibilidade por seus números expressivos, foi mais afetada pela crise internacional, como se esperava, mas o noticiário deveria discriminar os setores quando relaciona atividade industrial com desemprego.


Por que os jornais se fixam nos números de dezembro? Se era absolutamente esperada a queda da produção industrial no último trimestre, como acontece normalmente, por que isolar essa notícia, com destaque, do contexto em que ela é apresentada todos os anos?


O leitor vai ter que descobrir sozinho.

Todos os comentários

  1. Comentou em 30/01/2009 Bel Portões

    A resposta para a pergunta proposta no penúltimo parágrafo é simples. O leitor Dante Caleffi já respondeu em seu comentário. Qualquer pessoa que não faça parte da ‘elite intelectual do eixo Rio-SP’ saberá responder. Os jornais (imprensa escrita, TVs e versões para a Internet) estão em campanha eleitoral já há algum tempo e, portanto, quanto pior melhor. Quanto mais alarmada estiver a referida elite, melhor. Fácil! Leia mais o noticiário especializado em finanças e economia em vez de JN e Veja. As mídias especializadas têm o compromisso de informar corretamente, pois seus leitores precisam de informações confiáveis. Não podem se dar ao luxo de histeria eleitoral.

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem