Segunda-feira, 11 de Dezembro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº969

IMPRENSA EM QUESTãO > SOBRE CORPORATIVISMOS

O fator Murdoch, lá e cá

Por Alberto Dines em 03/07/2007 na edição 440

A edição de sábado (30/6) de O Globo (pág. 36) reproduz um veemente libelo do colunista do New York Times, Paul Krugman, contra a compra do Wall Street Journal pelo tubarão da mídia Rupert Murdoch (‘O fator Murdoch na mídia americana’, ver abaixo).


A matéria é triplamente meritória: a) pelo conteúdo; b) pela revelação de que o NYTimes manifesta-se ostensivamente sobre os negócios do concorrente e, c) pelo fato de levar um jornalão brasileiro a discutir em público a questão da propriedade de um veículo de comunicação. Ainda que em outro mercado, no hemisfério norte [ver remissões abaixo].


A imprensa brasileira deixou de se expor à opinião pública. Discute tudo, menos a vida íntima das empresas jornalísticas. A imprensa brasileira deixou de brigar pela integridade da imprensa brasileira. Mas o que se passa dentro de uma empresa jornalística é de interesse da sociedade.


Pacto de silêncio


Se Murdoch efetivamente comprar o poderoso Wall Street Journal, ficará em Nova York com dois jornais – o New York Post, que atua no segmento popular, e o jornalão de negócios, um dos mais influentes diários do mundo, o WSJ.


O NYTimes tem obrigação de discutir isso publicamente porque Murdoch, além de tubarão, é um dos maiores reacionários no mundo da mídia. Não respeita os princípios de isenção, não tem o menor apreço pelo equilíbrio dos veículos que coleciona e, além disso, tem o maior desprezo pelo que pensam os seus empregados. Mesmo os do primeiro escalão.


Os EUA estão discutindo a compra do WSJ e assim também a opinião pública inglesa, porque Murdoch já é dono do Times de Londres e ao acrescentar um jornalão americano ao seu formidável portfólio tornar-se-á imbatível.


Se o NYTimes não discutisse a compra do concorrente estaria traindo os interesses dos seus leitores e dos seus anunciantes. Se ficasse omisso, seria acusado de cúmplice e irresponsável. Sua biografia ficaria indelevelmente comprometida.


No Brasil, é diferente. A imprensa é um dos poucos tabus da nossa imprensa. Foi estabelecido um pacto de silêncio em torno da mídia em geral e dos jornais, em particular. A ANJ (Associação Nacional dos Jornais, que transcende ao segmento diário e em algumas questões abarca também os semanários, a despeito da existência da ANER, entidade revisteira) adota rigorosos códigos de conduta.


Primeira grandeza


O pluralismo e a diversidade da nossa mídia são condicionados pelo corporativismo desta mesma mídia. A pauta dos jornais brasileiros teoricamente tem poucas limitações – em princípio a grande imprensa trata de tudo. A realidade é outra: uma vaca sagrada verdadeiramente intocável foi instalada no âmago da nossa imprensa e impede que a sociedade seja informada do que se passa intramuros.


Significa que nosso jornalismo – por melhor e mais brilhante que seja nos seus aspectos formais, intelectuais e operacionais – está proibido de ser absolutamente transparente. Em certas disciplinas é assumidamente opaco. Não por culpa de poderosos governos ou delirantes caudilhos, mas por opção própria. Vocação suicida. Nossa imprensa transgride voluntariamente uma das suas principais funções e não consegue perceber que perde o direito de exigir transparência e limpidez nas diferentes esferas da sociedade.


Quando o jornalista-empresário Ary de Carvalho tomou O Dia do deputado-empresário Chagas Freitas (que, por sua vez, o havia tomado de Ademar de Barros), o assunto não vazou, circunscrito às conversas de bar. Chagas Freitas foi durante duas décadas o presidente do Sindicato das Empresas Proprietárias de Jornais do Rio de Janeiro, precursor da ANJ. Não obstante, foi atropelado pelo pragmatismo/corporativismo dos ex-parceiros – ‘o rei é morto, viva o rei’. A imprensa americana ou inglesa ou alemã ou francesa ou espanhola, jamais manteria este assunto na gaveta. [Ver, neste Observatório, ‘O Rei está morto, viva o Rei‘)


Os procedimentos e negócios do empresário Nelson Tanure nunca foram examinados pelos seus pares. Mesmo o seu exótico hobby de colecionar ou alugar moribundos (Jornal do Brasil, Gazeta Mercantil, CNT, IstoÉ) não consegue despertar o interesse de uma imprensa geralmente tão sensível aos escândalos.


O Globo iniciou uma formidável série de reportagens sobre ‘Impunidade’. Mais do que investigação, é uma magnífica exibição de um dos principais atributos e deveres da imprensa: sua capacidade de lembrar e referenciar. No domingo (1/7), à página 3, um quadro simples e aterrador: os dez escândalos dos últimos dez anos, todos impunes. Começa com os precatórios (1997) e termina com os sanguessugas (2006).


Ficou de fora o escândalo da compra do Dossiê Vedoin para ser publicado no semanário IstoÉ, um dos únicos casos em que a infalível Polícia Federal reconheceu a sua falibilidade. Crime eleitoral de primeira grandeza e cujo pivô era um veículo jornalístico. Sobrou. Escândalo na mídia não serve à nossa mídia.


Entrevista ignorada


No domingo 24/6, a Folha de S.Paulo publicou com enorme destaque uma entrevista com aquela que no dia seguinte ela própria classificaria como ‘Musa do Escândalo’, Mônica Veloso, a ex-namorada do senador Renan Calheiros.


Com sutileza e alguma malícia, o jornal revelou o perfil da testemunha-chave da revista Veja sem contudo desqualificar o teor das graves acusações contra o senador. Como a moça quer aparecer, a Folha fez a sua vontade – mostrou-a.


Arrependeu-se: a entrevista passou uma semana inteira completamente ignorada pelos agilíssimos e atentos leitores da Folha de S.Paulo. Inacreditável: de segunda (25/6) a segunda (2/7), uma das seções de cartas mais dinâmicas da grande imprensa deixou de lado uma matéria superbadalada, picante, trepidante, politicamente incorreta porém muito reveladora sobre os bastidores do nosso jornalismo investigativo.


Rupert Murdoch, o rei da manipulação, não aprovaria este silêncio.


***


O fator Murdoch na mídia americana


Paulo Krugman # copyright The New York Times (29/6) e O Globo (30/6)


Em outubro de 2003, o Programa de Posturas Políticas Internacionais publicou um estudo chamado ‘Enganos, a mídia e a Guerra do Iraque’. Ele mostrava que 60% dos americanos acreditavam em pelo menos uma das afirmações: havia provas da ligação entre Iraque e Al-Qaeda; foram encontradas armas de destruição em massa no Iraque; a opinião pública apoiava a guerra dos EUA contra o Iraque.


Esses enganos, porém, dependiam da fonte das notícias. Só 23% dos que assistiam os canais públicos PBS ou NPR acreditavam que alguma dessas afirmações fosse verdadeira, mas o percentual chegava a 80% nos que recorriam à Fox News. Dois terços dos fãs da Fox acreditavam que os EUA tinham provas de que Saddam Hussein cooperasse com a Al-Qaeda.


Então, alguém acha que está tudo bem a News Corp., de Rupert Murdoch, que controla a Fox News, comprar o Wall Street Journal? O problema com Murdoch não é que ele seja um ideólogo da direita. Se fosse apenas isso, ele seria menos perigoso. Ele é, antes, um oportunista que explora um ambiente de mídia desregulamentado por meio da distorção do noticiário para favorecer quem ele acredita que ajudará seus negócios.


Nos EUA, essa estratégia significou o favorecimento do governo Bush – mas ano passado ele se protegeu arrecadando fundos para a campanha de Hillary Clinton ao Senado. Na Grã-Bretanha, Murdoch apoiou Tony Blair em 1997 e deu-lhe uma cobertura favorável, ‘assegurando’, diz o New York Times, ‘que o novo governo deixasse intactos seus ativos britânicos’. E, na China, as organizações de Murdoch cuidaram de não ofender a ditadura.


O pessoal de Murdoch não faz afirmações falsas: eles induzem ao engano por indiretas. Nos primeiros meses da ocupação do Iraque, a Fox cobriu exaustivamente cada relatório de possíveis armas de destruição em massa, com pouco ou nenhum espaço para a posterior descoberta de que fora um alarme falso.


Quando tudo falha, as empresas jornalísticas de Murdoch simplesmente param de cobrir assuntos inconvenientes. O Projeto para Excelência no Jornalismo apurou que, no primeiro trimestre de 2007, os programas diurnos da Fox News dedicaram apenas 6% de seu tempo à Guerra no Iraque, contra 18% na MSNBC e 20% na CNN. O que tomou o lugar do Iraque?


Anna Nicole Smith, com 17% do espaço da Fox.


Os defensores da oferta de Murdoch pelo Journal afirmam que não devemos julgá-lo pela Fox News, mas por sua condução do venerável Times de Londres, que ele comprou em 1981. Realmente, o viés político do Times é muito menos óbvio que o da Fox News. Mas vários funcionários do Times disseram ter havido pressões para manipular a cobertura – e todos que vi defenderem a administração de Murdoch ainda estão em sua folha de pagamento.


Não há obstáculos legais à compra do Journal pela News Corp. Mas a pressão da sociedade poderia evitar isso. Talvez o Congresso pudesse fazer audiências.


Se Murdoch comprar o Journal, será um dia triste para a mídia e a democracia americanas. Se houvesse justiça, Murdoch, que fez mais que qualquer um no jornalismo para levar os EUA a uma guerra injustificável e desastrosa, seria um pária desacreditado. Em vez disso, ele está expandindo seu império. [Paul Krugman é colunista do New York Times]

Todos os comentários

  1. Comentou em 05/07/2007 Jorge Cortás Sader Filho

    Se Murdoch vai ou não comprar o Wall Street Journal é fato que não trará conseqüência grave para a imprensa americana e mundial. O WSJ sempre foi reacionário, conservador e a voz ativa do capitalismo selvagem. Não faz diferença se for conduzido por um ou outro reacionário direitista. Não é o mesmo caso do New York Times, independente e liberal, reconhecido no mundo como um periódico de máximo respeito. A imprensa nos países democratas é fundamental, mas quando ela está livre dos ranços da mediocridade. Tomando como exemplo um jornal rasileiro, podemos verificar que ‘O Globo’ teve seus pecados, mas hoje é um exemplo na informação. Estes fatos acontecem com a imprensa mundial. Na Inglaterra, diversos tablóides ficavam esperando, em tempos passados, uma informação da Lady Dy para venderem um sem número de exemplares. Antes de tudo, é necessário saber que os jornais estampam o que interessa aos donos, fato mais comum. O jornalismo de elite, como por exemplo o NYT, o Le Monde e o Der Spigel não se compara com o baixo noticiário de tablóides mundiais. Aqui temos como bons exemplos o Estadão, o Globo e a Folha, esta última um pouco controvertida, fato que não a diminui. Traduzem bem a realidade brasileira, com o Jornal do Brasil tentando bravamente ser o diário mais intelectualizado e confiável da nossa imprensa. O poder das palavras é fundamental, quando ela é escrita.

  2. Comentou em 03/07/2007 Paula Milkevicz

    Não tenho tanta certeza que a Folha não recebeu nenhuma carta a respeito da entrevista com a musa do escândalo. Acho que não publicou. Ficou muito visível a Folha ter entrevistado a amante, o Estado a mulher legítima e a Veja ter colocado o próprio na capa. Parece que estão todos bem afinados entre si e ainda achando que estão enganando algum leitor. Alguns ainda se enganam, mas muitos se ligaram na maracutaia e se manifestaram nos blogs do Luis Nassif e do Luiz Carlos Azenha, inclusive dando nome aos bois de quem faz o que nos jornalões e na Veja. A Folha, jornal que eu fui assinante, reduziu bastante o número de seus exemplares de um ano pra cá. É só observar e ver que o caminho dessa imprensa brasileira não está correto, pelo menos, do ponto de vista de quem deseja vender jornais. Não é necessário fazer autocrítica, é preciso voltar a ter compromisso com a transparência e o trabalho jornalístico, como você observou.

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem