Segunda-feira, 20 de Novembro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº966

IMPRENSA EM QUESTãO > GUIDO MANTEGA, REFÉM

O ministro e o amigo do ministro

Por Luiz Weis em 24/02/2007 na edição 421

A Folha de S.Paulo tomou a decisão de não identificar o amigo do ministro da Fazenda, Guido Mantega, em cuja casa de campo, em Ibiúna, interior de São Paulo, eles, suas mulheres e seis crianças ficaram reféns de assaltantes durante cerca de sete horas, do fim da noite da Terça Gorda ao amanhecer da Quarta de Cinzas.


Só no sábado (24/2) o caso apareceu na imprensa, porque as vítimas não deram queixa, mas, sabendo do acontecido, o secretário de Segurança do Estado mandou abrir inquérito a respeito – e o episódio vazou.


O jornal informa que o amigo pediu para não ter o nome divulgado, por questões de segurança.


Não está claro se ele fez o mesmo pedido aos repórteres dos outros jornais que o procuraram para que relatasse o que ocorreu naquela noite tenebrosa.


Mas o fato é que o seu nome apareceu com todas as letras no Estado de S.Paulo. E com todas as letras, mais uma grande fotografia – em que aparece ao lado da mulher – e a história de sua trajetória empresarial, no Globo.


Direto à privacidade


Existem pelo menos duas hipóteses para a diferença de tratamento.


Ou ele falou à Folha antes – e aos outros jornais depois – que a polícia e eventuais outras fontes o identificassem. Ciente disso, ele já não teria por que manter o pedido, mas por alguma razão não liberou a Folha do compromisso de sigilo. E o jornal ficou com o mico.


Ou, o que talvez seja mais provável, ele pediu segredo do nome a tutti quanti, mas foi desatendido pelo pessoal do Estado e do Globo. Se assim se passaram as coisas, os jornalões cometeram pênalti contra a ética. Com a possível agravante de os seus repórteres terem concordado com a solicitação e, depois de obter o que desejavam, eles, ou os seus superiores, romperem o trato.


Seja como for, a Folha teve a atitude eticamente recomendável em situações do gênero.


Claro que a identidade da(s) pessoa(s) com quem um ministro compartilha da condição de vítima de uma violência é notícia. E, de quebra, mal não faz ao distinto público ser apresentado a um amigo próximo de uma autoridade poderosa como o titular da Fazenda.


Mas nem toda notícia tem direito adquirido à publicação. Os jornais não publicam, por exemplo, nomes de seqüestrados sem autorização das famílias. Às vezes, pelo mesmo motivo, não os identificam nem depois de serem resgatados ou libertados mediante pagamento.


É o direito à privacidade prevalecendo sobre o direito à informação. Antes assim, salvo quando a privacidade servir para encobrir malfeitos.


Situações da vida


No caso do amigo oculto na Folha, os defensores de sua identificação podem objetar que o argumento da segurança por ele invocado não se sustenta. Afinal, que diferença fará, desse ponto de vista, a revelação do seu nome? Assaltado ele já foi, na sua própria casa de campo, e assaltado ele poderá voltar a ser, anônimo ou não. E amigo de ministro, diriam os mais cínicos, não merece ficar imune à curiosidade pública.


Duplo erro.


Em primeiro lugar, não cabe ao jornalista julgar se um pedido de anonimato se justifica ou não, quando o autor do pedido não está sob suspeita de ter aprontado alguma, muito ao contrário. Respeitar a solicitação, salvo razões gritantes em contrário – e nessa história não havia nenhuma – é apenas manifestação daquela decência comum que a mídia, em geral, tantas vezes parece pronta a fingir que não é com ela. Ponto para a Folha, repito.


Segundo, a identidade de pessoas das relações dos poderosos só merece chegar ao conhecimento dos que os sustentam quando há motivos suficientemente robustos para um órgão de imprensa achar que essa amizade causou prejuízo ao interesse coletivo. Vejam bem, ‘causou’, não ‘poderá causar’.


Em suma, a mídia esquece com deplorável freqüência que, assim como em inumeráveis outras situações da vida, nem tudo que se pode fazer se deve fazer.

Todos os comentários

  1. Comentou em 16/11/2010 Ruli Peluti

    Gostaria de saber se o Brasil se posicionou favoravelmente aos padrões apontados por Guilherme Canela adotados por diversas nações no âmbito da Unesco, e como vê a participação brasileira nesse foro diplomático.

    Cordialmente,

    Ruli Peluti

  2. Comentou em 26/02/2007 Ruy Acquaviva

    Este texto do Sr. Weis é muito correto e representa o verdadeiro papel do observatório da imprensa. Espero que os jornalistas leiam e reflitam sobre a questão, que é importante em relação à ética jornalistica.

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem