Segunda-feira, 18 de Dezembro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº970

IMPRENSA EM QUESTãO > IMPRENSA SINDICAL

O palco e os bastidores do jornalismo

Por Danillo Assunção em 27/01/2009 na edição 522

A imagem do sindicato, a partir do significado de representação proposto por Erving Goffman, pode ser construída a partir da relação entre palco e bastidor, entre aquilo que o sindicato pretenda que seja visível e aquilo que ele pretenda que não apareça tão claramente ou, simplesmente, não apareça. O que Goffman chama de representação é justamente o papel que cada sujeito desempenha diante de um grupo particular de observadores e que tem sobre estes alguma influência. Neste sentido, por alusão, podemos compreender que os dirigentes sindicais são os atores, desempenhando o papel de um diretor sindical, que irão atuar no palco, que é tudo aquilo que é pertencente ao sindicato e que será visível para os trabalhadores, considerando aqui apenas a relação entre o sindicato e os seus representados.

Já os acontecimentos de bastidor estão relacionados às práticas internas da organização e são definidores das ações sindicais. Algumas decisões que são tomadas pela diretoria do sindicato muitas vezes são antecedidas por discussões na tentativa de garantir o consenso da diretoria em torno de uma posição.

Cenário de tensão social

Numa assembléia, por exemplo, onde o posicionamento da diretoria do sindicato é externalizado para a categoria, os diretores devem ter unidade no discurso. Mesmo aqueles que têm internamente uma posição contrária devem ser atores e interpretar o papel de diretor. Caso contrário, os trabalhadores não saberão que caminho seguir e perceberão a possibilidade de uma divisão política na direção do sindicato. Sendo que a percepção dessa divisão pode resultar, inclusive, na divisão política dos trabalhadores.

A composição desse preâmbulo é importante para caracterizar o locus de atuação dos jornais sindicais. Apesar dos jornais sindicais serem um meio de comunicação que atua no palco, possibilitando a externalização oficial da posição do sindicato, as suas condições de produção são construídas no bastidor. Porém, esse processo é complexo e constituído a partir das relações de interdependência que se estabelecem entre os diferentes sujeitos que atuam diretamente no processo (jornalistas e diretores sindicais).

Uma das principais questões é que a percepção dos critérios de noticiabilidade possui vertentes distintas para esses dois sujeitos e no jornalismo sindical isso deve ser equilibrado. Enquanto os jornalistas percebem que o trabalho de coleta e tratamento da informação está baseado em determinadas noções e métodos que são inerentes à atividade jornalística, como a preocupação com a atualidade, importância social do fato, objetividade, seriedade e honestidade nos procedimentos, os diretores sindicais estão preocupados com a lógica instrumental da informação, com a sua funcionalidade, com o seu objetivo de convencimento e mobilização dos representados. Nessa perspectiva, configura-se um cenário de tensão social e o que é notícia para os jornalistas pode não ser para os diretores sindicais e vice-versa.

Ouvir fontes diferentes

Os jornalistas sindicais utilizam, basicamente, fontes internas. Os diretores sindicais são as principais fontes e isso faz com que os jornalistas não tenham muito esforço para obter boa parte das informações de que precisam. Por outro lado, retomando a discussão do que é notícia sob o ponto de vista desses dois atores, muitas vezes, os diretores sindicais percebem o jornal sindical como uma forma de reprodução fiel do discurso da diretoria do sindicato, sem considerar os critérios de noticiabilidade que mesmo nessa categoria de publicação devem se configurar como um fator relevante. Pois os seus leitores, principalmente os que compõem a categoria representada, serão atraídos pela relação entre a importância da informação, a expectativa que foi criada em torno dela e a familiaridade. Portanto, como há uma proximidade considerável entre os jornalistas sindicais e suas fontes, eles devem ficar atentos para que essa aproximação não se torne um mimetismo, ou uma cumplicidade exagerada que resulte numa dependência capaz de reproduzir reações e opiniões dos dirigentes, fazendo-as passar por informação.

A relação entre os jornalistas sindicais e suas fontes principais, os diretores, é complexa e traduz a tensão existente nesse processo. Considerando as características peculiares da comunicação institucional, na imprensa sindical a informação será abordada a partir do ponto de vista da organização e de seus representados. Porém, a realidade social existe independentemente de nossa vontade.

Os mecanismos utilizados por cada sujeito para realizar a sua apreensão na tentativa de um consenso quanto à sua objetividade é que se configuram numa problemática que é cada vez mais abrangente e realizam-se em torno de duas dimensões fundamentais para o reconhecimento da existência de um mundo: o tempo e o espaço. Neste sentido, não é possível compreender a realidade apenas a partir de um ponto de vista, o dos diretores sindicais, por mais que haja uma relação hierárquica e política presente entre jornalistas e dirigentes. Mesmo que fuja à regra, é preciso que os jornalistas sindicais preservem a possibilidade de ouvir fontes diferentes, até mesmo a empresa, para que a informação, pelo menos na sua forma, não se configure numa unilateralidade.

Justificativas políticas e ideológicas

Um outro ponto a ser observado acerca dessa questão é que a utilização sistemática das fontes internas para obter as informações de que precisam pode fazer com que os jornalistas tenham como conseqüência uma rotinização das ações. Dessa forma, o modo cotidiano de operação da imprensa sindical pode fazer com que sejam raros os trabalhos de investigação jornalística, de matérias realizadas com dados coletados no próprio palco dos acontecimentos.

Essa rotinização das práticas jornalísticas abre o debate sobre duas possibilidades de enquadramento que são contraditórias no seu pragmatismo. Se, por um lado, ela se constitui num método eficaz de controle do trabalho de observação, coleta e tratamento da informação, por outro, ela pode limitar o trabalho dos jornalistas ao excesso corporativista ou ao comodismo, inibindo a inovação e a criação.

Os elementos que compõem a estratégia sindical estão diretamente relacionados ao fator político. Dessa forma, as publicações sindicais também têm seu conteúdo alinhado à posição política do sindicato e estão sob a permanente vigilância dos seus diretores, que são os reais editores. Os dirigentes sindicais são os árbitros, ou seja, aqueles que decidem, em última instância, o que deve ou não ser publicado no jornal sindical. A definição da pauta, o conteúdo das informações, o foco da matéria, a indicação das fontes, enfim, em todas essas etapas a diretoria do sindicato quer emprestar sua influência e demonstrar que tem o controle sobre a produção da informação sindical. Porém, isso não quer dizer que os jornalistas sindicais não possuem mecanismos para driblar a pressão à qual estão submetidos. Mas, na conjuntura em que se encontram, essa possibilidade requer habilidade e experiência profissional. Pois não existem sistemas sociais totalmente controlados e regulados.

Ao mesmo tempo em que o jornalista sindical depara com a amplitude dos questionamentos profissionais, tanto aqueles que dizem respeito às questões técnicas quanto os que estão relacionados à ética jornalística, também está envolto na complexidade das relações de poder que banham os interesses políticos da organização sindical. Pois a publicação jornalística, neste caso, atua no palco, mas grande parte da construção dessa publicação se dá no bastidor. Por isso é importante a percepção de que a produção sindical está a serviço das justificativas de ordem política e ideológica. Nessa perspectiva, estão em jogo as referências do próprio jornalismo.

Critérios técnicos

O jornalista sindical, normalmente, escreve para um público específico, devido ao caráter representativo do sindicalismo. Porém, é necessário perceber que mesmo os trabalhadores fazendo parte de um segmento comum de atuação profissional, há diferenças entre eles que devem ser pensadas como uma forma de diversificação do conteúdo. Um sindicato pode representar empresas com estruturas físicas diferentes, tabela salarial diferente, cargos distintos etc. Nestas condições, o reconhecimento dessas diferentes realidades é um ponto importante para a estruturação da publicação e atuação do jornalista sindical.

A emissão também é construída a partir da recepção, considerando todas as possibilidades de interferência que a recepção pode proporcionar na construção de significações. Portanto, pode-se afirmar que a construção de significados é constitutiva dos sujeitos e pertence ao campo simbólico. Porém, vale ressaltar que a questão que foi posta aqui não diz explicitamente que tipo de significado será construído no imaginário dos trabalhadores, mas a partir de uma contextualização cultural o implícito e o explícito tomam forma e podem influenciar nessa construção.

Dessa forma, a prática do jornalismo sindical se estabelece no limite das possíveis tensões existentes entre os patrões e os empregados. Considerando sempre que a parcialidade que lhe é própria é construída a partir da conjuntura de representatividade que compõe a essência do sindicalismo. O jornalista sindical deve estabelecer critérios técnicos de atuação de acordo com sua posição ideológica e também a partir da sua vivência acadêmica e profissional, mesmo trabalhando numa estrutura política e representativa de uma categoria. Esses critérios devem ser utilizados, inclusive, como referência na contra-argumentação do jornalista para defender sua posição em relação a uma possível discordância com o diretor sindical responsável pela área de imprensa. Deve se considerar o desejo dos diretores do sindicato em fazer com que as informações sejam divulgadas do modo que lhes convém, sem uma discussão mais profunda com o jornalista e às vezes sem sequer estabelecer um debate acerca da questão.

******

Jornalista e relações públicas, pós-graduando em Gestão da Comunicação pela Universidade Federal da Bahia (UFBA) e diretor do Sindicato dos Trabalhadores em Água e Esgoto da Bahia (Sindae)

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem