Quinta-feira, 25 de Abril de 2019
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº1034
Menu

IMPRENSA EM QUESTãO >

O que não está nos jornais

Por Luciano Martins Costa em 06/03/2009 na edição 527

A leitura cuidadosa – e com certo viés otimista – das notícias publicadas nos últimos dias pela imprensa brasileira permite compor um mosaico muito interessante sobre como a crise pode estar induzindo mudanças importantes em políticas públicas e nas relações de negócios no Brasil.


Estamos falando do que se pode construir para o longo prazo quando uma crise é encarada como oportunidade. Mas também é preciso levar em conta, nessa análise curiosa, a fragilidade e até mesmo a perversidade de certas instituições nacionais, como aquelas envolvidas nas relações políticas e na administração da justiça.


Primeiro, a constatação de que o setor financeiro não apenas se diferencia de seus congêneres no resto do mundo, como a comprovação de que os bancos brasileiros finalmente começam a descobrir a chamada ‘base da pirâmide social’, e passam a ofertar serviços e produtos mais apropriados à nova classe média, de perfil ainda pobre, que já compõe a maioria da população. Como se sabe, o microcrédito é um importante fator de desenvolvimento econômico.


Paralelamente às notícias sobre a mudança de estratégia de alguns bancos, que pontuam aqui e ali as editorias de negócios dos jornais, deve-se considerar também o novo perfil dos correntistas, mais cautelosos na administração de seus recursos.


Da mesma forma, o pacote de medidas de estímulo à economia traz detalhes que, se observados com atenção, podem revelar o quadro que vai sendo composto conforme são implantadas.


Boa figura


As obras de infra-estrutura, com todos os defeitos e suspeitas que sempre surgem quando os cofres públicos são abertos, permitem vislumbrar um novo mapa geoeconômico para os próximos anos, com a provável movimentação de trabalhadores para regiões hoje pouco densas. Com o conseqüente surgimento de oportunidades de negócio e fixação da população nessas áreas.


Os planos de construção de moradias populares em larga escala, com prestações mensais subsidiadas de até 20 reais por mês, oferecem aos mais pobres uma perspectiva inédita de ascensão social, contribuindo para consolidar a nova classe média.


Nada disso está explícito nas páginas dos jornais. Mas tudo isso está subentendido na leitura das notícias que, no varejo de todos os dias, vêm sendo oferecidas aos leitores.


É preciso considerar, evidentemente, que no meio do caminho tem uma pedra, e essa pedra se chama interesse político. Também se deve levar em conta que essa pedra é colocada diante da teoria otimista pelo próprio governo, com as alianças quase inadministráveis que escolheu para realizar seus propósitos. Mas o mosaico que se pode enxergar, a certa distância, das medidas que brotaram no meio das turbulências, permite vislumbrar uma boa figura emergindo no final da crise.


Essa é parte da análise que algumas organizações internacionais fazem sobre o Brasil. Mas isso não está nos jornais.

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem