Terça-feira, 25 de Junho de 2019
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº1043
Menu

IMPRENSA EM QUESTãO >

O silêncio capanga

05/05/2009 na edição 536

Li na Folha de S.Paulo uma admoestação do ombudsman, dirigida à redação, na qual ele manifesta estranheza pelo fato de os jornalistas de lá não terem se debruçado sobre a fala do ministro Joaquim Barbosa, do STF, aquela sobre os ‘capangas’ do colega Gilmar Mendes, presidente do referido tribunal. De minha parte, estranheza nenhuma. A fonte do desabafo do juiz Joaquim é uma matéria da CartaCapital, de minha autoria, publicada em novembro de 2008. E a Folha, assim como os veículos co-irmãos da chamada ‘grande imprensa’, não repercutem as reportagens da Carta, embora não meçam esforços para reproduzir – de forma acrítica e sem apuração própria – pautas publicadas em outras revistas, como se notícias fossem, ainda que claríssimos atentados ao bom e velho jornalismo de guerra.


Bom esclarecer que na reportagem em questão não acuso Mendes de ter capangas, mas apenas faço um relato preciso – jornalístico, por assim dizer – da realidade política da escaldante Diamantino, no Mato Grosso, cidade natal do atual presidente do STF. Uma realidade marcada por um histórico nascido na ditadura militar e reforçado a partir da entronização de Gilmar Mendes, no governo Fernando Henrique Cardoso, na Advocacia Geral da União.


A omertà em torno da CartaCapital tem várias razões, mas sustenta-se em um pretexto. Entre as razões, nenhuma minimamente jornalística, daí a necessidade do pretexto, este calcado na suposta irrelevância da tiragem da revista, quando não na sua identidade ideológica cafona, de esquerda. Eu, de minha parte, acho graça. Em mais de duas décadas de reportagem, com passagem por quase todos os grandes veículos de comunicação do país, nunca fui tão reverenciado como jornalista como nesses anos de Carta.


Nas muitas palestras que faço Brasil afora, principalmente por conta de minha atividade como professor de jornalismo, percebo uma curiosidade enorme das audiências a respeito desse silêncio. ‘Por que os jornais não repercutem a Carta?’, me perguntam em auditórios, em salas de aula, em particular. Respondo com outra pergunta, expediente, aliás, que não me agrada: ‘Repercutir para quê?’.


Assaltados por dúvidas


Dentro da acepção canhestra e doutrinária do pensamento único, repercutir a Carta é dar vazão a uma voz jornalística subversiva, perigosamente empenhada em nadar contra a corrente, a colocar os cornos para fora e acima da manada, tal qual a vaca profana da canção de Caetano. Profaníssima, há de se ressaltar, no caso em questão, a ousar escrever sobre o ministro Gilmar Mendes, justo quando todo o resto se compraz em dar-lhe voz e espaço na luta contra um certo ‘Estado policial’ muito parecido, em semântica e progressão epidêmica, com essa gripe suína que já matou, desgraçadamente, até última contagem dos urubus de plantão, 0,0000000000000000000001% da população mundial. E aí? Repercutir para quê?


Depois da bronca do ombudsman, me veio uma resposta meio boba, por muito óbvia: ao menos, para evitar certos vexames frente ao leitor. Emblemático, pois, é o caso dos tais ‘capangas’, fantasmas a assombrar a citação do ministro Joaquim Barbosa para uns tantos. Citação esta, no entanto, imediatamente decodificada pelos leitores da CartaCapital e por uns outros mais, informados que andam – alvíssaras! – pela blogosfera, essa corregedoria deliciosamente inconveniente da mídia nacional.


Aqueles espremidos na linha de montagem da ‘grande mídia’ ficaram com cara de paisagem, a discutir veleidades, não sem a ajuda de uma ciosa tropa de colunistas, sobre os graus de demência ou de ferocidade do juiz Joaquim. Aos poucos, contudo, vão descobrindo a origem da informação, um cochicho dando conta de uma penosa viagem a Diamantino, sussurros de uma apuração difícil, cheia de portas fechadas e documentos arrancados a fórceps ou repassados sob o manto do medo e da perseguição. Boatos de uma alegre aventura de repórter.


E, talvez, assaltados por dúvidas, comecem a perguntar, uns aos outros, em mensagens a editores, em e-mails a ombudsmans e ouvidores de quilate semelhante: ‘Então, por que não repercutem a Carta?’.


Eu, daqui, repito, acho graça.

******

Repórter da CartaCapital

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem