Sexta-feira, 19 de Outubro de 2018
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº1009
Menu

IMPRENSA EM QUESTãO >

O desafio da autocrítica da mídia

Por Fernando Neto em 13/05/2008 na edição 485

A mídia (hoje, uma telemática?) propõe-nos o desafio da autocrítica. E o programa de Alberto Dines e seus colaboradores (as) tem se mostrado à altura da hercúlea tarefa.

Provavelmente contrariando interesses de um poder que usurpa os direitos constitucional e internacional, o seu lema é ‘formar e informar’ e, a meu ver, é um modelo pioneiro entre nós, quiçá no mundo.

Com o advento da TV Pública, a imprensa progride no melhor sentido histórico ao abandonar a lógica, a ética e a estética do capital.

Mas deve prestigiar o Observatório da Imprensa como elemento formal de uma nova mídia que contempla si mesma.

Não gosto do termo ‘auto-regulamentação’ porque lembra, na economia-política, a ‘mão invisível’ de Adam Smith que hoje descamba para a anarquia de mercado. Cheguei mesmo a defender um controle externo de um 4º poder Quanto a Dines, é chevalier sans reproche no que se refere à mídia democrática e, eu diria, espontaneamente socialista…

Abandonar o pensamento único

Como se a longa experiência tornasse o biógrafo do grande Stephen Zweig sempre inclinado à esperança. Sempre voltado para o idealismo do valor positivo de um potencial tão mal empregado ainda.

Principalmente ao admitir, em meio ao corporativismo da propriedade dos meios de produção de informação, tantos desacertos e omissões. Julgo poder afirmar que o Observatório sempre foi TV Pública e, muito mais que ela, pela sua natureza especial.

Ao assistir ao programa, adquire-se a percepção necessária para abandonarmos o pensamento único pela opinião crítica.

******

Médico aposentado, Rio de Janeiro

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem