Domingo, 22 de Julho de 2018
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº996
Menu

IMPRENSA EM QUESTãO > ARTE & OFÍCIO

O jornalista precisa mudar

Por Elaine Tavares em 29/07/2008 na edição 496

No Brasil, é assim. Alguns logotipos de imprensa só causam exasperação. É o caso dos da Rede Globo e o da RBS. Para a maioria dos militantes da luta popular, eles são símbolos da mentira, da opressão e da manipulação. E essa não é uma reputação conseguida ao acaso. O fato é que a nave-mãe (Globo) conseguiu impor um jeito de fazer jornalismo que impregna praticamente todas as redes, principalmente as suas filiadas, como é o caso da RBS. Teoricamente, poderíamos enquadrá-lo no campo do jornalismo funcionalista, ou seja, aquele que apenas responde às seis perguntas – onde, quem, como, quando, o quê e por que – sem maiores preocupações com a análise ou o contexto da notícia. Mas, para além da prática do chamado jornalismo liberal (o que pretensamente mostra os dois lados), há toda uma tradição de ocultação e meias verdades que forjam a usina ideológica da elite e da classe média brasileira. A televisão, com a Globo à frente, é uma fábrica de mentiras, na qual os pobre só aparecem como bandidos e os lutadores sociais como baderneiros ‘terroristas’.

Para os jornalistas que atuam nestas redes, fica colocado, então, um grande desafio. Muitos deles – senão a maioria – estão bem integrados ao jeito de fazer jornalismo que consagra cada uma delas. Mas outros há que buscam fugir destas malhas de desinformação e precisam de um longo caminho até serem recebidos com confiança pelos movimentos sociais e pelos moradores das periferias. Não é sem razão que, em campos conflagrados, como é o caso do Rio de Janeiro atualmente, os jornalistas sejam alvos do ódio e da revolta popular. O que parece interessante é que a maioria das redes e dos periódicos, bem como os órgãos de classe dos jornalistas, não se faça perguntas sobre os por quês dos ataques e do ódio. Há notas de repúdio, há declarações e editoriais virulentos, mas nenhuma linha sobre o tipo de jornalismo que se anda fazendo por aí.

A ‘boa propaganda’

Sempre defendi que o jornalismo não se presta a adjetivos, tais como jornalismo policial, econômico, político etc… O jornalismo é feito de um único pacote: análise do dia, investigação, contexto, impressão de repórter. Pode-se fazer isso nas mais diferentes áreas, mas é sempre o mesmo fazer contextualizado, partindo de uma situação singular e buscando narrar os fatos de maneira a levar ao leitor/espectador/ouvinte à universalidade do fenômeno, para que cada um possa fazer sua interpretação e chegar a suas próprias conclusões. Narrativas abertas, que respeitem a inteligência do receptor, mas que não se furtem a deixar bem claro o ponto de vista a partir do qual o repórter está narrando. Isso é jornalismo, feito de forma honesta e respeitosa.

Mas, o que se vê cotidianamente nas televisões, o que se lê nos jornais, revistas e páginas da internet, ou o que se ouve no rádio, não merece ser chamado de jornalismo. Costumo chamar isso de ‘gosma’, alguma coisa assim como aquela ‘coisa verde’ de um velho filme de Boris Karloff, A bolha assassina. Ou seja, um negócio que vai tomando e engolindo tudo e todos, numa gosma informe e mal-cheirosa. Com boa vontade poderíamos chamar a esse tipo de informação que campeia pelas redes informativas de ‘boa propaganda’ porque quase sempre se prestam a incensar pessoas, empresas, autoridades, fontes oficiais, geralmente os ricos e poderosos. Estes são os que têm voz e vez nas emissoras e só o seu ponto de vista é passado com respeito. Os demais, a ralé, a malta, os empobrecidos, esses estão fora e quando falam são os coitados ou os marginais. Os exemplos são muitos.

Dois logotipos

A guerra dos madeireiros contra os índios na região Amazônica é legítima porque os empresários são gente trabalhadora que lutou muito para grilar terras. Já os camponeses do MST são terroristas porque querem terra para plantar e soberania alimentar. Sempre há dois pesos e duas medidas para as lutas. Quem viu a cobertura da recente crise na Argentina, envolvendo os ricos fazendeiros que deixaram o país desabastecido e trancaram estradas por três meses, sabe do que falo. Eram trancamentos legítimos, desobediência civil. Mas imaginem se o movimento de tranca-rua fosse levado a cabo por agricultores sem-terra, desalojados pela monocultura da soja? O que a mídia diria? Desobediência civil legítima ou terrorismo? É, assim é a nossa mídia de cada dia. E o que é pior, com os jornalistas cada vez mais enquadrados nesse esquema infernal. Poucas vozes se escutam contra essa prática criminosa de encobrir, enganar. A ditadura midiática parece não ter muitos opositores.

Por conta de toda essa prática, não causa surpresa alguma que as entidades sindicais da categoria dos jornalistas se mantenham silenciosas diante dos fatos abomináveis que aconteceram na Colômbia envolvendo o jornalismo. Nenhuma nota nos jornais, nenhuma fala na CNN. Silêncio reverente. Afinal, o que aconteceu foi lá longe, num longínquo país do norte da América do Sul. Mas, o que aconteceu na Colômbia é paradigmático e deve ser debatido à exaustão.

E o que aconteceu? Pois o governo de Alvaro Uribe, durante o comentadíssimo resgate de Ingrid Betancourt, saudado e incensado como um golpe fatal nos ‘terroristas’ das Farc, usou de dois subterfúgios que deveriam ter levantado a ira mundial. No helicóptero que baixou em meio à selva, estavam pintados dois logotipos respeitados por todas as gentes desta nossa América profunda: o da Cruz Vermelha e o da Telesur.

Notícia é dada, mas sutilmente

A Cruz Vermelha, todos sabem, é um símbolo da ajuda humanitária em tempos de guerra. É quem leva esperança de cura para os que estão sob fogo cerrado. Tem lá suas idiossincrasias, mas, enfim, o símbolo desta entidade é reconhecido internacionalmente como uma entidade confiável. Já a Telesur, apesar de jovem, criada há pouco tempo pelo governo venezuelano, se firmou entre os movimentos sociais como uma emissora de televisão que garante o espaço para as vozes marginalizadas pelo sistema. É uma rede latino-americana que se propõe mostrar a verdadeira cara desta parte do continente, colocada ao lado da comunidade das vítimas.

Pois o uso do logotipo da rede latino-americana não foi debatido por ninguém. Talvez porque pareça incrível aos jornalistas brasileiros uma emissora de televisão ser respeitada, amada e receber a confiança das gentes em luta. O que é normal por aqui é ver os carros das grandes redes sendo apedrejados e os profissionais sendo rechaçados pelos movimentos sociais, porque as gentes sabem que estas emissoras servem ao grande capital, aos poderosos, à elite cortesã das multinacionais e ao jeito colonizado de viver.

O presidente Uribe não se constrangeu em confessar que usou os dois logotipos alegando que era necessário para que a operação desse certo. Ou seja, assumiu a ação criminosa e praticamente nenhum órgão de imprensa discutiu esta questão. É que o presidente da Colômbia se encaixa naquilo que Noam Chomsky chama de ‘vítimas amigas’. Isso significa que, quando alguém amigo dos Estados Unidos ou do poder constituído comete algum crime, por ser amigo do ‘império’, sua ação criminosa fica obscurecida, não é alardeada. A notícia é dada, mas muito sutilmente. E assim foi.

O que está em crise é o jornalista

Nem mesmo as entidades dos jornalistas, que se apressaram a gritar contra o governo venezuelano quando este usou do legítimo direito de encerrar a concessão de uma empresa que não cumpria a lei, divulgaram ou soltaram notas de repúdio.

Este pequeno texto procurar abrir a cortina espessa que atravessa o olho da categoria que deveria ser o arauto da verdade. Apesar da penúria das nossas redes de informação, apesar da falta de compromisso público, do descarado posicionamento em favor das elites e dos poderosos, da mentira e do acobertamento, ainda se pode pensar na possibilidade da prática de um jornalismo libertador. Um jornalismo de verdade, capaz de estar ao lado das vítimas do sistema opressor, que possa entregar às gentes em luta o espaço onde se expressar. Esse jornalismo existe e é respeitado. E tão respeitado que foi usado numa ação de guerra. Então, por que os jornalistas brasileiros, suas entidades de classe, não falam sobre isso? Por que não informam, não contam a verdade, não denunciam?

Arrisco um palpite. Denunciar esta trama é reconhecer nosso próprio fracasso. Fracasso como jornalistas, incapazes de lutar contra o titã, submetidos a uma razão empresarial, praticando auto-censura, vilipendiando a prática do jornalismo, transformando nosso fazer em propaganda de um mundo falido. A Telesur não é o paraíso do jornalismo, é certo. Mas é uma proposta em construção. O que a torna única é justamente esse compromisso com o outro, a vítima, o sem-lugar. É a explicitação de um jornalismo honesto, que se posiciona e deixa claro, ao telespectador, que se posiciona. Não é enganador como o que se pratica por aqui, que se diz imparcial enquanto só expressa a visão de mudo dos que detém o poder.

Termino dizendo o que tenho levado a vida a dizer: o jornalismo é um lindo fazer, capaz da análise, da contextualização, da impressão. Ele não está em crise. Porque o jornalismo não é um ente com vida própria. O que está em crise, ou mal-formado, é o jornalista. Estes homens e mulheres jornalistas são os que precisam mudar para que nós, no Brasil, possamos avançar para uma verdadeira soberania comunicacional.

******

Jornalista

Todos os comentários

  1. Comentou em 04/06/2009 Carlos Roberto Silva Vento Vento

    CARLOS ROBERTO SILVA VENTO
    Brasileiro, 33 anos, casado
    Rua : Walter Barreto de Moraes 34 altos-Pq.Santo Amaro
    Cep:28030-065 – Campos dos Goytacazes – RJ
    Tel:(22)27253584 / (22)88048789 E-mail:crsvento@ig.com.br

    Objetivo

    Por em prática meus conhecimentos, contribuindo com o crescimento e melhoria da empresa. Obter ascensão profissional adquirindo experiência na área offshore .

    Síntese das Qualificações
    ?Dinâmico, espírito de equipe, boa dicção e boa fluência verbal;
    ?Conhecimento e usuário de informática básica.

    Formação Acadêmica
    oColégio Estadual Liceu de Humanidade de Campos
    Ensino Médio
    Concluído em 1996

    Cursos Extracurriculares

    ?Curso de Informática – (New Informática)
    ?Curso de Movimentação de Carga e Segurança no trabalho- (Wall Treinamento e Consultoria)
    ?Auxiliar de Plataforma com SMS-Saúde, Meio Ambiente e Segurança do Trabalho- (Mega Center Tecnologia e Cursos Profissionalizantes)
    ?Curso de Salvatagem BST – 2007 ( Sampling Planejamento)
    ?Curso de Taifeiro- (Senac Campos )

    Experiência Profissional

    Maio / 2006
    Até / Abril 2009 Função: vendedor
    Cargo: vendedor

    CARLOS ROBERTO SILVA VENTO

  2. Comentou em 01/08/2008 Márcia Leal

    Parabéns! Eliane Tavares.

    Muito boa a tua intervenção: real, certeira e sem deixar brechas ou pontas soltas. Faz algum tempo que tenho me poupado de assistir telejornais, radio ou jornais. Aquelas “revistas” não compro. Somente em algumas paginas eletrônicas temos tido chance e ter noticias verdadeiras sem tentativa de mascarar. Jornalistas de renome comprometidos até a alma com inverdades. O uso do marketing pelo próprio governo para inserir com inconsciente (o tal inconsciente coletivo) da população situações negativas como de bom resultado, algo como certas musicas que mesmo sem gostar nos vemos batendo o pé ao escutar seus acordes. Alguns jornalistas se prestam a trabalhar desta forma. Lembro que no tempo da ditadura em que eles não podiam dar noticias de Dom Helder e ele ia a todas as festividades em Pernambuco. E hoje de quem ou de onde parte está diretriz de sonegar informação ou de dourar a pílula?

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem