Terça-feira, 18 de Setembro de 2018
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº1004
Menu

IMPRENSA EM QUESTãO > DANTAS, NAHAS E PITTA PRESOS

O tempo irreal da notícia

Por Luciano Matins Costa em 09/07/2008 na edição 493

A prisão do banqueiro Daniel Dantas, do especulador Naji Nahas e do ex-prefeito Celso Pitta pode ser considerada a mais surpreendente ação da Polícia Federal em todos os tempos.


E a imprensa brasileira, embora apanhada de surpresa, teve todas as condições para realizar a mais memorável cobertura de um escândalo.


A informação apareceu inicialmente na revista eletrônica Terra Magazine, ainda antes das 7h00 da manhã de ontem.


Uma hora depois, os demais veículos começaram a despertar.


Reproduções quase literais do texto original brotaram em seqüência, mas apenas o Último Segundo citou o Terra Magazine entre suas fontes.


Os sites dos grandes jornais perderam para os veículos exclusivamente online.


O mais ágil entre os jornais foi o G1, do Grupo Globo, mas ainda assim sem acrescentar novos dados.


Durante o dia, a TV Globo exibiria imagens da operação policial, revelando ter sido convidada a acompanhar as prisões.


Ou os editores não entenderam do que se tratava, ou o Grupo Globo anda com sérios problemas de sinergia.


A reprodução pura e simples do trabalho alheio – quase sempre sem citar a fonte – revela certo vício da produção jornalística no Brasil: importa sair na frente, ou pelo menos com o menor atraso possível.


A chamada notícia em tempo real, alardeada pelos sites dos jornais, comumente não é baseada em trabalho jornalístico real.


De qualquer maneira, o que se seguiu durante o dia é uma cobertura da qual a imprensa brasileira pode se orgulhar.


O pai de todos os casos


A prisão do controverso banqueiro e do notório aventureiro libanês abre para a Justiça e, por extensão, para a imprensa brasileira, a oportunidade de fazer história.


A julgar pelo que os jornais apresentam hoje, Daniel Dantas é elemento importante para entender os mais controversos casos de corrupção publicados nos últimos anos.


Ele já foi citado no escândalo chamado de ‘mensalão’, ocorrido no atual governo, e nas denúncias de irregularidades nas privatizações do governo Fernando Henrique.


Também é tido como corruptor de agentes públicos.


A considerar o noticiário de hoje, o ex-prefeito Celso Pitta é apanhado na operação na qualidade de cliente do sistema de remessa ilegal de dinheiro para o exterior.


Mas não custa a imprensa refrescar a memória do leitor – e eleitor – para o que foi o longo período em que ele dividiu o poder e sucedeu seu mentor, o também ex-prefeito Paulo Maluf.


A operação policial vai remexer também na história recente das telecomunicações no Brasil, quando grandes investidores internacionais começaram a se engalfinhar pela aquisição das estatais do setor.


Muito se disse, muito se insinuou desde então, mas curiosamente a imprensa nunca se interessou em avançar na investigação sobre o que aconteceu realmente no processo de distribuição do patrimônio público e na reorganização do sistema.


O banqueiro Daniel Dantas e o aventureiro Naji Nahas estão na cadeia.


O ex-banqueiro Salvatore Cacciola está chegando, com sua bagagem cheia de histórias sobre o escândalo que envolveu a quebra dos bancos Marka e Fontecindam.


A Polícia Federal está fazendo seu trabalho.


Com algum estardalhaço, é verdade, mas certamente poucos brasileiros estão se sentindo ofendidos com a imagem de certas figuras algemadas.


A imprensa precisa agora trabalhar duro, para manter os holofotes acesos e evitar que o caso saia de cena, como aconteceu muitas vezes.


O Brasil está passando a limpo algumas de suas mazelas.


A imprensa precisa cobrir essa faxina.

Todos os comentários

  1. Comentou em 10/07/2008 Marco Antônio Leite

    Os culpados pelo repetido FILME é o Judiciário e o Legislativo. O Judiciário porque muitos juízes estão envolvidos com esses trambiques. Já o Legislativo é financiado por essa bandidagem de terno e gravata. Quanto à imprensa, esta muitas vezes é omissa, bem como adora informar que essa camorra é vítima de um complô articulado por aqueles que estão no poder. Existe uma imprensa que antecipadamente é informada sobre as ações da polícia Federal e, em conjunto com os polícias saem para atuar em prisões da marginalia do colarinho engomado.

  2. Comentou em 09/07/2008 Francisco de Sales Battisti Archer Archer

    Parabens para a Policia Federal. Acho que não existe estardalhaço nas prisões. Com nosso dinheiro, esses ladrões fazem muito mais estardalhaços em nossas vidas. Quem rouba tem que ser mostrado.
    Parabens mais uma vez .

  3. Comentou em 09/07/2008 silvio.mozart de Souza

    Parabens por este comentário.Muitas vezes não entendemos a posição da Rede Globo com esta pregação moral de cuecas.o quarto poder realmente tem uma oportunidade histórica de recontar as verdades escondidas,para que todo o povo brasileiro tenha a claresa desta verdade.

  4. Comentou em 09/07/2008 silvio.mozart de Souza

    Parabens por este comentário.Muitas vezes não entendemos a posição da Rede Globo com esta pregação moral de cuecas.o quarto poder realmente tem uma oportunidade histórica de recontar as verdades escondidas,para que todo o povo brasileiro tenha a claresa desta verdade.

  5. Comentou em 09/07/2008 Francisco Sousa

    a polícia federal tem feito um trabalho muito útil à sociedade , espero que continue assim , por outro lado sabemos que isto só não dá cabo a impunidade ,pois temos uma legislação que com bons advogados , acabam jogando estes casos no rol das impunidades ,como tantos outros que já vimos em tempos recentes da história do Brasil

  6. Comentou em 09/07/2008 Francisco Sousa

    a polícia federal tem feito um trabalho muito útil à sociedade , espero que continue assim , por outro lado sabemos que isto só não dá cabo a impunidade ,pois temos uma legislação que com bons advogados , acabam jogando estes casos no rol das impunidades ,como tantos outros que já vimos em tempos recentes da história do Brasil

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem