Quinta-feira, 23 de Novembro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº967

IMPRENSA EM QUESTãO > RECORDAR É VIVER

O velho Estado Novo

Por Alberto Dines em 10/11/2007 na edição 458

O golpe de 10 de novembro de 1937 foi orquestrado a partir de uma patranha. O ‘Plano Cohen’, inventado pelos militares integralistas em conluio com o alto comando do Exército, foi o pretexto patriótico para a aliança com o nazi-fascismo mundial. Serviu principalmente ao projeto continuísta de Getúlio Vargas a quem não interessava a disputa eleitoral do ano seguinte.


Com a imprensa amordaçada pelo Estado de Guerra promulgado em seguida ao anúncio da suposta conspiração, criavam-se as condições para que nos 70 anos seguintes, com honrosos intervalos e sob diferentes disfarces, se instalasse no país uma grande usina de mentiras e manipulações.


É preciso registrar que depois da intentona de 1935, com a prisão, exílio e expurgo dos jornalistas liberais, socialistas e comunistas, jornais e rádios não discordavam muito das doutrinas integralistas, racistas e autoritárias então em voga. Prova disso foi o discurso de Plínio Salgado retransmitido pela rádio Mayrink Veiga, em 4 de agosto, denunciando a conspiração comunista. Dois meses antes do embuste do ‘Plano Cohen’, o líder fascista era acolhido por uma das rádios de maior audiência no Rio de Janeiro, então capital federal, para criar o clima necessário à aceitação do golpe que, imaginava, viria a beneficiá-lo pessoalmente.


O patronato jornalístico contentava-se com a aparência de liberdade e independência, acompanhava o habilidoso vai-e-vem da política externa do caudilho instalado no Palácio do Catete e até o endossava. O único jornal verdadeiramente de oposição foi o Estado de S.Paulo que, por isso, pagou um alto preço. O sucesso do DIP (Departamento de Imprensa e Propaganda) não foi casual, havia clima para a acomodação dos interesses do governo com os da imprensa.


Relação custo-benefício


Essa acomodação persiste, apesar dos arrufos do ano passado. A empatia da grande mídia com a CBF, verdadeira anfitriã da Copa do Mundo em 2014, é uma evidência. Foi, na melhor das hipóteses, um factóide, o espetaculoso anúncio na quinta-feira (8/11) da ‘descoberta’ de um lençol petrolífero na bacia de Santos destinado a colocar o país no time dos grandes exportadores de petróleo. O fabuloso reservatório da Área Tupi já fora formalmente anunciado há mais de um ano, em julho de 2006, no meio da campanha eleitoral, quando começaram a melhorar as chances de reeleição do presidente Lula.


Agora, diante de um quadro preocupante em matéria de energia, quando o governo prepara-se para esquecer as humilhações sofridas nas mãos dos bolivianos e anuncia a intenção de investir pesadamente no país vizinho, a portentosa voz da ministra Dilma Rousseff (candidata a candidata de um grupo palaciano para 2010) foi escolhida para proclamar a descoberta.


É uma platitude afirmar que tiranias adoram mentiras. O engodo convém a todos, autoritários ou democratas, porém alguns o recusam por ser demasiadamente oneroso dentro da relação custo-benefício. A transparência (ou a opção não-enganosa), além de menos arriscada, exige menos investimento e evita desgastes desnecessários.


Herança de lorotas


Embora a área técnica da Petrobrás tenha optado pela prudência e não tenha acompanhado o entusiasmo oficial, não deixa de ser preocupante que numa solenidade à qual compareceram o presidente da República e sete ministros de Estado tenha sido omitido um dado tão importante: não houve ‘descoberta’ de um novo manancial de petróleo leve e gás, houve apenas a confirmação dos resultados de descobertas anteriores. As pesquisas foram iniciadas em 2005, anunciadas com estardalhaço em 2006 e, agora, melhor definidas. Essas insignificâncias não foram mencionadas. O trator da desinformação trabalha melhor em terrenos que não exigem detalhes.


Um informe claro, veraz, ainda que com os mesmos trombones e batucadas, traria as mesmas vantagens políticas e produziria a mesma repercussão num mercado mundial assustado com o fantasma do petróleo a 100 dólares o barril. O truque propagandístico ou marqueteiro da quinta-feira funcionou durante algumas horas, foi desmascarado pelo Globo na edição de sexta-feira (9), exigirá muitas explicações e deixou um lastro de desconfiança com relação às próximas proclamações.


Mesmo com eleições à vista, está na hora de enterrar o Estado Novo e sua herança de lorotas – elas cansam.

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem