Quarta-feira, 20 de Setembro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº958

IMPRENSA EM QUESTãO > JORNALISMO ECONÔMICO

Os bilhões para a safra e a seca da memória

Por Rolf Kuntz em 09/06/2015 na edição 854

Quando o governo anunciou um corte de gasto de R$ 69,9 bilhões, todos os grandes jornais, tevês e rádios deram o máximo destaque ao assunto e exploraram uma possível desavença entre os ministros da Fazenda e do Planejamento. A cobertura continuou por vários dias. Poucos dias depois, só um grande jornal do eixo Rio-São Paulo, o Valor, noticiou na primeira página o plano de R$ 187,7 bilhões para financiamento da agropecuária na safra 2015-2016. O valor programado é 20% maior que o do ano anterior, com aumento, portanto, acima da inflação. Apesar dos juros maiores que os da última temporada, ainda haverá um robusto subsídio.

O financiamento prometido é maior que o esperado, admitiu o ex-ministro da Agricultura Roberto Rodrigues, coordenador do GV Agro (da Fundação Getúlio Vargas) em entrevista ao Estado de S.Paulo. Num momento de aperto das contas públicas e de contenção do crédito, acrescentou Rodrigues, a decisão “mostra um upgrade do agronegócio dentro do governo e principalmente o prestígio da ministra Kátia Abreu”.

Só um dos maiores jornais, O Globo, ignorou o assunto, mas, de modo geral, a cobertura foi muito menos extensa que a do corte do gasto orçamentário. Enriquecido com algumas declarações de especialistas, o material ficou quase limitado à exposição e à explicação do plano de financiamento. Havia menos expectativa em relação ao assunto e o plano de safra era menos complicado, politicamente, que o programa de ajuste das contas públicas. Esses fatos devem ter influenciado as decisões editoriais. Mas, ainda assim, teria valido a pena um pouco mais de empenho na cobertura e na edição.

Um estrangeiro informado sobre economia brasileira, e especialmente sobre comércio, poderia estranhar a moderação do noticiário. O Brasil é um dos maiores exportadores de produtos agropecuários e sua diplomacia tem batalhado, nas negociações internacionais, por um comércio mais livre para os produtos do campo. Além disso, e este é o ponto mais importante, o comércio exterior brasileiro, fraquíssimo há vários anos, só tem sido salvo de resultados bem piores pela atuação do agronegócio.

Tecnologia embarcada

Nenhum dos maiores jornais dedicou um parágrafo sequer à importância do setor para as contas externas do país. Bastaria mencionar uns poucos dados. De janeiro a abril o resultado geral da conta de mercadorias foi um déficit de US$ 5,07 bilhões, segundo o Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior. Nesse período o agronegócio acumulou um superávit de US$ 20,52 bilhões. O valor exportado pelo setor, US$ 25,5 bilhões, foi 14,6% menor que o de um ano antes. O gasto com a importação, US$ 4,98 bilhões, foi 12,8% inferior ao do primeiro quadrimestre de 2014.

Receita e despesa menores que as do ano anterior, no caso do agronegócio, resultaram basicamente da redução das cotações internacionais. Mesmo com preços menos favoráveis, portanto, o agronegócio compensou em boa parte o mau desempenho dos produtores de manufaturados no mercado internacional.

A fraqueza da maior parte da indústria diante dos concorrentes estrangeiros tem resultado em perda de espaços tanto no exterior quanto no mercado interno. Informações detalhadas sobre as exportações do agronegócio são disponíveis só até maio, mas os números gerais do comércio e da participação das grandes categorias chegam a datas mais recentes.

De janeiro a maio a exportação de manufaturados, US$ 27,68 bilhões, foi 10,8% menor que a de igual período de 2014. Neste ano, até maio, essas vendas proporcionaram 37,1% da receita comercial. Dos industrializados (manufaturados e semimanufaturados) vieram 51,2% do total dos dólares faturados. Mas uma parcela dos industrializados corresponde a produtos do agronegócio, como suco de laranja, açúcar refinado e café processado.

A imprensa poderia explorar muito mais a composição do comércio exterior brasileiro. Há vários anos a maior parte da receita comercial provém das vendas de commodities, isto é, de produtos minerais e agrícolas tanto in natura quanto parcialmente processados. Não há nenhum mal em exportar grandes volumes de commodities. Além disso, é impróprio descrever os produtos agropecuários como itens de baixo valor agregado. Há muita tecnologia embutida nesse tipo de produção, no Brasil, e isso explica em boa parte a competitividade nacional nesse setor. Errado, mesmo, é depender excessivamente das vendas de commodities, quando se pode, como em outros tempos, competir com maior eficiência nas vendas de manufaturados.

Fator diferencial

As cotações das commodities são mais sujeitas que os preços dos manufaturados a grandes oscilações. Nas condições atuais, aquelas cotações dependem de forma significativa da demanda chinesa por matérias-primas. De janeiro a maio, as exportações brasileiras para a China, US$ 13,73 bilhões, foram 27,3% menores que as de um ano antes. Mais de 90% dessas exportações correspondem a commodities. Na relação com o mercado chinês, o Brasil tem sido fornecedor de insumos básicos e importador de manufaturados. Submetida a um programa de reestruturação, a economia chinesa tem crescido menos que na fase anterior (embora ainda seja uma das mais dinâmicas do mundo) e vem demandando, portanto, menor volume de insumos importados.

Alguns podem achar estranho, mas o Brasil exporta muito mais manufaturados para os Estados Unidos e para a União Europeia. Para explicar como o país se tornou tão dependente da China – hoje seu maior parceiro comercial – e das vendas de commodities, seria preciso descrever a diplomacia comercial dos últimos doze anos.

Oferecer um pouco de memória aos leitores, de vez em quando, ajudaria a diferenciar mais claramente os jornais dos meios eletrônicos de comunicação. Mas os jornais andam um tanto desmemoriados. Com frequência perdem o fio de histórias apresentadas na semana anterior ou até na mesma semana. Deficiência de fósforo?

***

Rolf Kuntz é jornalista

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem